Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Sexta-feira, 9 de Setembro de 2016
Holanda ajuda nas fugas ao Pagamento do IRS

Só um euro meu para Portugal

 

Segundo o jornal “Negócios”, a família Soares dos Santos possui 56,1% do grupo Jerónimo Martins e terá recebido este ano através da sede na Holanda a quantia exorbitante de 225,9 milhões de euros, sobre os quais não pagou um cêntimo ao Estado português.

Em Portugal, a taxa liberatória dobre os dividendos é única e modesta, ou seja, 28%. Assim, os Soares dos Santos deveriam pagar 63,25 milhões de euros ao erário público da Pátria. Em vez disso, pagaram quase 2% ou cerca 1,2 milhões de euros ao Estado holandês por facilitar a fuga (roubo) ao fisco português de 62 milhões de euros.

Mas repare-se que um trabalhador com ordenado líquido anual de 7035 euros ou 502,50 euros em 14 meses paga 28,5% de IRS ou 1.969,0 euros que muita faltam lhe fazem.

Com o apoio do Estado ladrão holandês, a família Soares dos Santos roubou ao fisco o equivalente ao IRS de 32.270 portugueses recebedores de ordenados líquidos de 502,50 euros que correspondem na generalidade a ordenados brutos inferiores a 600 euros, variáveis em função da situação familiar, despesas, etc.

É escandaloso, mais de 32 mil portugueses têm de pagar o ROUBO do IRS dos dividendos perpetrado pela família Soares dos Santos e o velho ainda tem a lata de vir dar lições de “moral” nas televisões.

A Holanda tem um Pib de uns 790 mil milhões de euros, ou seja, 4,5 vezes mais que o português e, mesmo assim, rouba aquilo que para os holandeses são migalhas ao povo mais pobre da União Europeia. Miseráveis.

Mas, enfim, Portugal não tem tido espinha dorsal e comprou duas fragatas holandesas e 39 tanques Leopard2 em segunda mão, curvando-se assim a quem nos rouba a todos e muitos portugueses também não porque vão às lojas Pingo Doce.

Claro que com a família Azevedo sucede o mesmo como acontece com o fundo chinês Fosun a “Three Gorges”, cujos acionistas não pagam IRS em Portugal.

A magistratura portuguesa, nomeadamente a PGR e o juiz Carlos Alexandre deveriam processar os pagamentos de IRTS sobre dividendos através de falsas sedes na Holanda e noutros países. Uma falsa sede é como uma falsa camisa Lacoste. Para apreender a falsa camisa não é necessária uma lei que puna a falsificação da marca Lacoste que será o mesmo que a falsificação de uma sede empresarial num paraíso fiscal europeu ou de qualquer outro local.

Anda a magistratura atrás de Sócrates sem ter algo de concreto quando apenas uma família rouba em IRS o valor de um euromilhões por ano.

Eu apelo a António Costa ou ao Centeno para dizer algo sobre isto e também a Catarina Martins e Jerónimo de Sousa têm o dever de berrarem bem alto contra este duplo roubo.

 



publicado por DD às 22:50
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 26 de Agosto de 2016
Dieter Dellinger: Emissões do BCE e Dívidas Públicas

 

 

O BCE emitiu já cerca de um bilião de euros entregues gratuitamente aos bancos centrais dos países da zona euro para adquirirem dívidas públicas, recebendo só respetivos juros para os devolverem no ano seguinte aos proprietários dos bancos centrais, os respetivos Estados.

Estas emissões levaram já a uma queda brutal dos juros pagos pelos diferentes Estados pelas suas dívidas, ficando dois países relativamente de fora, ou seja, o mais necessitado, a Grécia, e Portugal. No caso português é porque o governador do Banco de Portugal fica com o dinheiro recebido do BCE e não está a comprar dívida portuguesa. Diz que necessita de fazer provisões e pretende provisionar este ano mais de mil milhões de euros, tendo já feito com 480 milhões que deveriam ter sido entregues ao Estado. É o único governador de um banco central europeu a fazê-lo.

Na política monetária os governadores dos bancos centrais dos países e do BCE têm uma certa independência, mas tal como acontece com os magistrados, não é para fazerem política e tudo o que lhes apetece.

O governador do BP está a fazer política anti-PS/PCP/BE tal como o Carlos Alexandre no caso Sócrates faz política anti-PS e no caso BES/GES faz política favorável á direita capitalista pura.

O programa “Quantitative Easing” foi elaborado por Draghi para terminar este ano, mas foi prorrogado para Março de 2017, podendo ir mais além, apesar de não ser do agrado do Schaeuble/Merkel que não perceberam que o que foi feito até agora manteve a inflação em zero e os títulos de tesouro alemães têm juros negativos como os portugueses a curto prazo.

No caso português só os títulos a 10 anos é que pagam juros de 2,05% porque foram colocados no retalho e o governo sabe que só há aforradores se houver juros.

De acordo com as contas do jornal alemão “Die Welt”, no prazo de 14,2 anos estará totalmente liquidada a dívida irlandesa, a maior e de maior duração. A portuguesa tem um prazo de 13,5 anos para desparecer se os governadores do BP estiverem interessados. Se não estiverem e manterem dinheiro líquido em caixa, pode ser que o BCE deixe emitir euros para Portugal.

Schaeuble tinha um medo de que este programa iria lançar a zona euro numa espiral inflacionista, seguindo as normas que veem nos manuais de economia, mas não há inflação e não há crescimento. Os mercados estão saturados e há falta de confiança na medida em que se fala ainda muito de austeridade e o povo não quer nem pode gastar dinheiro. Os mais jovens trabalham a prazo, recibos verdes com valores baixíssimos, etc., os de meia-idade são ameaçados de despedimento e os reformados temem que as suas reformas venham a ser cortadas no futuro. Até agora, toda a política monetária destina-se a aumentar a riqueza de menos de 1% da população europeia.

Mas, é preciso explicar o seguinte. A compra de dívida pelos bancos centrais com dinheiro novo do BCE não significa o desaparecimento da dívida, mas sim a sua permanência nos diferentes bancos centrais a serem substituídas por novas dívidas pelos próprios bancos centrais nas datas de vencimento com os juros sempre a serem devolvidos aos Estados. Contudo, o esquema será viável se os Estados tiverem saldos primários de 0% ou positivos porque se começar tudo de novo podemos sim arriscar muito, o que não é difícil porque quase todos os países já não têm saldos primários (sem serviço de dívida) negativos.

Tudo indica que o prazo das compras do “Quantitative Easing” não vai acabar em Março, mas continuará, não sendo, contudo, necessário que as dívidas sejam assim liquidadas na totalidade. O BCE pode comprar 50% de todas as dívidas a quem quiser vender (fundos gigantescos) ou nos prazos de vencimento, então na totalidade ou em parte.

A redução de todas as dívidas europeias para os 60% previstos nos tratados orçamentais poderá levar muitos menos anos; talvez apenas uns 5 a 6 anos para a Irlanda e Portugal e até ao fim de 2017 ou 2018 para o resto da Zona Euro.

O problema das dívidas resolve-se bem na Europa com políticos e altos funcionários HONESTOS que olhem para os interesses das Pátrias acima dos vis interesses partidários.



publicado por DD às 16:57
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 25 de Agosto de 2016
Dieter Dellinger: Os Fundos dominam a Economia Mundial

Os 10 maiores fundos de investimento capitalistas são americanos e gerem ativos no valor de 21.826 milhares de milhões de dólares ou 21,8 triliões americanos e biliões europeus. Recordemos a este propósito que o Pib do conjunto dos 28 países da União Europeia com mais de 500 milhões de habitantes é de 10.237,71 milhares de milhões ou 10,2 biliões de dólares. Portanto, os 10 maiores fundos capitalistas americanos gerem mais do dobro do PIB da União Europeia, o que dá aproximadamente metade do PIB mundial. O principal fundo é o Blackrock que gere 4.898 milhares de milhões, seguido pelo Vanguard com 3.600 milhares de milhões, o State Street com 2.301 milhares de milhões, etc. Pode dizer-se que a economia alemã é já quase uma Blackroot AG, estando toda controlada por esse fundo, incluindo o setor militar que tende a ser integrado em empresas americanas controladas por aquele fundo. Os Estaleiros onde foram construídos os submarinos portugueses, o Howaldswerfte, está integrado na empresa americana General Dynamics. Os fundos americanos têm a característica de investirem num determinado número de sectores como, por exemplo, a indústria automóvel e de acessórios e partes dos mesmos. Cada fundo gere alguns sectores, não fazendo concorrência entre eles. No seu sector, qualquer destes fundos tem participações em todas as indústrias ou serviços dos seus sectores preferidos, geralmente com um administrador. Tanto podem ter 10% da Mercedes como 45% da Fiat-Chrysler, por exemplo, mais investimentos em fabricantes de material elétrico, pneus, caixas de velocidades, travões, etc. Assim, estes fundos estão dentro de tudo o que se passa no sector principal e anexos e, geralmente, não desejam a concorrência entre fabricantes, só aparente, preferindo que os preços sejam relativamente altos sem exageros. Daqui deixo a minha pergunta: o que valem os Estados hoje em dia e o que vale o Estado português que gere uma pequena parte de um minúsculo PIB de 175 mil milhões de euros igual a pouco mais de um miléssimo da fortuna gerida pelos 10 maiores fundos americanos? Para além dos investimentos empresariais, os fundos gerem as dívidas externas da maior parte dos países do Mundo e os 10 americanos não são únicos porque há algumas dezenas ou centenas de fundos mais pequenos, tanto americanos como europeus, japoneses, chineses, etc. Talvez uns 200 grandes administradores gerem toda a economia mundial. Nunca o Estado foi tão necessário como hoje e nunca as nações dependem tanto do Estado para preservarem a sua independência e o bem-estar dos seus habitantes. Os Estados e as autoridades que regulam a concorrência e as bolsas devem saber ao certo quem são os grandes acionistas de todas as empresas, cotadas ou não e a partir daí assumirem que a propriedade comum de um fundo é pior que a cartelização, sendo já um monopólio, mesmo que na aparência as empresas sejam independentes e até concorrentes.



publicado por DD às 23:03
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 28 de Junho de 2016
SMP (Security Market Program) e QE (Quantitative Easing)

Os programas de compra de dívida pelo BCE denominados SMP (Security Market Program) e QE (Quantitative Easing) são feitos através dos Bancos Centrais Nacionais, fornecendo o BCE a respetiva liquidez ou moeda nova.

 

Assim, o BP compra dívida do Estado português e depois devolve os juros pagos sob a forma de lucros do BP ao seu único acionista, o Estado Português.

Sucede que este ano quando fez as contas, o BP resolveu fazer uma provisão disparatada de 480 milhões de euros e assim sonegar mais de 10% do défice 2015 que foi de -4.594,3 milhões de euros com o objetivo malévolo de aumentar o défice deste ano.

 

Carlos Costa parece que só quer criar dificuldades a este governo e não se mostra como um profissional isento.

.

Nos quatro anos anteriores, Costa entregou ao Governo/Estado 1.504 milhões de euros como lucros resultantes dos juros pagos pelos títulos de dívida adquiridos com a liquidez fornecida pelo BCE.

 

Neste momento, o BP tem em carteira 16,7 mil milhões em títulos de dívida adquiridos no mercado no âmbito dos vários pacotes de estímulos lançados na zona euro nos últimos anos.

 

Portugal recebeu cerca de 17,5 mil milhões de euros de liquidez extraordinária do BCE, o que não é nada, pois o total emitido para todos os países do euro foi de 802 mil milhões de euros e Draghi pretende que a emissão total até 2017 ultrapasse o bilião de euros.

 

Os alemães detestam estas emissões que julgam ser inflacionistas, mas a realidade é que a inflação continua quase nos 0% na zona euro e eles foram os maiores beneficiários dado que a distribuição pelos países é em função dos respetivos Pibs e não pelas dificuldades que enfrentam.

 



publicado por DD às 23:36
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 11 de Junho de 2016
BREXIT

 

Os votos por correio já foram enviados e no próximo dia 23 os cidadãos britânicos vão diretamente às urnas manifestar a sua boa ou má vontade em relação à União Europeia.

De acordo com a sondagem publicada ontem pelo jornal britânico "The Independent" os cidadãos que pretendem sair da União ultrapassam em 10% os que querem ficar e sabe-se como os eleitorados em geral são temerosos quanto a decisões relativamente às quais desconhecem as consequências.

Merkel e Schaeuble calaram-se e tremem silenciosamente para darem a impressão que não existe uma Europa germânica que ameaça e exerce chantagem sobre países ditos desobedientes, nem que sejam por 2 décimas e retrospetivamente.

Para a Alemanha, e não só, a saída da Grã-Bretanha da União pode ser um desastre se concretizarem as ameaças já proferidas de que não haverá acordo comercial, o que ninguém acredita.

A Grã-Bretanha é o terceiro maior cliente dos produtos alemães no Mundo para a qual exporta 89 mil milhões de euros de mercadorias diversas, funcionando no Reino Unido mais de 2.500 empresas alemãs e ainda mais britânicas na Alemanha.

Grande parte da indústria automobilística britânica pertence a empresas alemãs ou à GM e Ford que trabalham em conjunto em todo o continente europeu.

Merkel e Schaeuble sabem que com a saída da Grã-Bretanha ficam entregues à França sem o contrapeso britânico neoliberal. Merkel e Schaeuble têm de se arranjar com a França controlada por um partido pouco socialista, mas mais que a chamada democracia cristã alemã.

Os britânicos querem sair para não se submeterem às regras dos arrogantes comissários de Bruxelas nem a um Schaeuble que manda num "Euro grupo" que nem é uma instituição legal ou que faça parte de algum tratado.

A Alemanha, segundo a revista "Der Spiegel", teme que os britânicos levem outros países a sair e ameacem com a formação de uma nova EFTA que acabará por impor um tratado de livre comércio com o resto da União que inclua os automóveis, cuja contingentação está limitada na União para não prejudicarem as indústrias alemãs e francesa. Mas isso está a desaparecer porque industriais europeus estão a instalar duas grandes fábricas de automóveis no Marrocos para serem exportados para a Europa. Até agora, alemães e franceses instalavam fábricas em países terceiros como China, Rússia, Brasil, Argentina, África do Sul e outros países apenas para explorarem os mercados locais.

Com a saída da Grã-Bretanha termina a resiliência da União de 500 milhões de habitantes. Ninguém no Mundo vai acreditar que a Europa é uma força, mesmo sem grandes forças armadas, e só por ter uma elevada resiliência ou capacidade de resposta graças ao tamanho e indústrias que possui.

A Alemanha sairá profundamente derrotada e a chantagem sobre Portugal como tem sido feita há meses a pedido de traidores como Durão Barroso e outros terá de terminar. Os tratados de Maastricht e Lisboa terão de ser alterados para terminar com o exagerado neoliberalismo que privatizou a moeda única e a economia. A Grã-Bretanha terá de ser substituído por uma resiliência nova no todo europeu como defendem os pensadores estratégicos nos campos económico, social e militar.

O problema do endividamento tem de ser resolvido pela emissão de moeda a favor dos estados necessitados que tenham orçamentos primários (sem serviço dívida) equilibrados.



publicado por DD às 23:37
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 2 de Junho de 2016
Dieter Dellinger comenta: Criminoso condenado a 20 anos acusa Lula

 

O ex-deputado Pedro Correa denunciou de uma forma tosca o ex-PR Lula de ter conhecimento que havia pagamentos a deputados para obter apoios para o PT que não tinha a maioria parlamentar.

Torna-se evidente que o “curriculo” de Pedro Correa fala por si quanto à sua credibilidade e tentativa de obter por uma pretensa delação um aligeiramernto das suas condenações.

“Pedro Corrêa foi condenado pelo juiz Sergio Moro a mais de 20 anos de cadeia por ter praticado 72 crimes de corrupção e 328 operações de lavagem de dinheiro. Foi para não cumprir essa pena na cadeia que ele aceitou negociar com o Ministério Público Federal uma narrativa falsa envolvendo o ex-presidente Lula.

É repugnante que promotores transcrevam uma farsa histórica em documento oficial e promovam aquilo que é claramente direcionado para atingir a honra do ex-presidente Lula.

O Estado de Direito não comporta esse tipo de manipulação, insidiosa e covarde, nem por parte dos agentes públicos nem dos meios de comunicação que dela se aproveitam numa campanha de ódio e difamação contra o ex-presidente Lula.

Esta farsa é mais uma evidência de que, após dois anos de investigação, a Lava Jato não encontrou uma só prova ou sequer indício de participação de Lula nos desvios da Petrobras, porque o ex-presidente sempre agiu dentro da lei. E por isso apelam a delações mentirosas como a do sr. Pedro Correia.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO CRISTIANO ZANIN MARTINS, QUE DEFENDE LULA:

Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins chamou de ‘narrativa tosca’ a delação do ex-deputado. “Se a Lava Jato precisa de uma narrativa tão tosca e vinda de um condenado reincidente, como Pedro Corrêa, para legitimar uma investigação contra o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, isso só confirma o que dizemos há dois anos: Lula não praticou nenhum ato ilícito antes, durante e depois de exercer a Presidência da República

 



publicado por DD às 23:02
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 1 de Junho de 2016
Dieter Dellinger Comenta: Dilma ainda não perdeu a Presidência

 

 Dilma Rousseff está calada e observa a derrocada da Máfia corrupta que a destituiu provisoriamente.

O presidente provisório não eleito Michel Temer parece que já perdeu os 55 senadores indispensáveis para conseguir o impedimento da Dilma Rousseff. Com 54 senadores não conseguirá confirmar a sua presidência não eleita porque necessita mais de 2/3 dos 81 senadores que são apenas os referidos 54.

Assim, Fabiano Silveira, Ministro da Transparência, Fiscalização e Controlo, apanhado em escutas a ajudar Renan Calheiros, presidente do Senado, a escapar da Lava-Jato já se demitiu e era uma peça chave em todo o processo que provocou a demissão de muitos ministros da mesma pasta nos Estados Federados da República do Brasil.

Fabiano Silveira é a segunda baixa no governo interino do Brasil, apenas uma semana depois de ter sido afastado Romero Jucá (PMDB), que comandava o Planeamento, e 17 dias após a tomada de posse da equipa do presidente em exercício Michel Temer (PMDB). Em causa, novas escutas em torno da Operação Lava-Jato.

Investigado na operação que lida com o escândalo de corrupção na Petrobras, Sérgio Machado, presidente da Transpetro, uma subsidiária da petrolífera, gravou conversas com políticos influentes do partido que o indicou para a função, o PMDB, entre fevereiro e abril, para reduzir a eventual pena na Lava-Jato através de uma delação premiada, expediente usado habitualmente por Sérgio Moro, juiz do processo em primeira instância.

Entre os políticos escutados estão o ex-ministro Romero Jucá, que não resistiu politicamente à gravação, o antigo presidente José Sarney e o presidente do Senado Renan Calheiros, padrinho político do ministro da Transparência. É numa gravação na residência oficial de Calheiros que surge a voz de Silveira, então ainda membro do Conselho Nacional de Justiça, a enumerar as diligências por ele efetuadas e a acertar as táticas para livrar o padrinho político dos investigadores da procuradoria-geral da Republica, a quem faz fortes críticas.

Silveira não nega a conversa. "O ministro esteve só de passagem na residência oficial do senado, não tem relação com Sérgio Machado, nunca tentou obstruir ou interferir em nenhuma operação", reagiu a assessoria do ministério em nota.

Ao longo do dia, foi noticiado que Temer poderia demitir Silveira a qualquer momento. O influente jornal O Globo publicou um editorial a meio da tarde a dizer que não restava alternativa ao presidente em exercício se não aplicar a "receita Jucá" a Silveira. E outros meios de comunicação social já especulavam nomes de eventuais sucessores. À noite, o ministro acabou mesmo por pedir a demissão.

Temer sentia que o afastamento imediato de Silveira irritaria Renan Calheiros. E o governo precisa do Senado, que Calheiros lidera, para aprovar as medidas económicas austeras que vem preparando e para garantir o impeachment de Dilma Rousseff nos próximos meses. Para Temer ser confirmado presidente da República precisa do voto pela destituição da antecessora de 54 de 81 senadores, sendo que na votação do passado dia 11 somou o apoio de 55, apenas mais um do que o necessário.

Mas a situação estava a tornar-se insustentável: ontem dois senadores, Álvaro Dias (PV) e Cristovam Buarque (PPS), pronunciaram-se a favor da demissão do Fabiano Silveira que significa estar contra Michel Temer. Ambos votaram pelo impedimento de Dilma, mas se mudaram de ideias lá se vão os 55 votos para demitir Dilma.

Entretanto, o chefe regional do Rio Grande do Sul do ministério da Transparência colocou o lugar à disposição por "perda de confiança" no ministro. Cláudio Corrêa diz que os outros 25 chefes estaduais farão o mesmo. E em Brasília funcionários ligados ao ministério lavaram as escadas da sede de onde trabalham em protesto contra Fabiano Silveira, que foi impedido de entrar no prédio, e exigindo o regresso da "Controladoria Geral da União", a anterior nomenclatura da pasta.

Em Minas Gerais, um ex-secretário de António Anastásio (PSDB), antigo governador do estado e autor do relatório que conduziu o impedimento de Dilma Rousseff no Senado, foi detido por desvio de dinheiros públicos. Nárcio Rodrigues da Silveira é um antigo jornalista, filiado no PSDB e deputado eleito por Minas Gerais.

E tudo isto vai ainda no princípio. Temer tem a temer a possibilidade de ser acusado por atos de corrupção que nunca poderão ser imputados à presidente ELEITA Dilma Rousseff.

 



publicado por DD às 22:07
link do post | comentar | favorito
|

Dieter Dellinger Comenta: Crimes e Condenações de Gente NORMAL

Um Homo Sapiens, pretenso hetero, matou a ex-mulher à paulada e levou 16 anos e meio de cadeia. Se não incomodar os guardas estará cá fora daqui a 7 ou 8 anos. A mulher é que foi enterrada para toda a eternidade.
Entretanto, os juízes de Aveiro depois de aplicarem já penas de 22 anos ao sucateiro Godinho estão ainda a preparar mais condenação para atingir o cúmulo jurídico de 25 anos.
Godinho "assassinou" uns carris da CP abandonados e datados de 1908. Além disso dava umas go...rjetas a uns chefes de armazéns de sucata de grandes empresas. Mas, os juizes de Aveiro não o condenaram por esses "assassínios", mas sim por ser amigo do Varas do PS. Isso é que foi crime pior que matar a mulher à paulada que, de resto, parece um crime habitual perpetrado por tantos seres normais que todo os vizinhos dizem bem e matam mulheres, filhos, filhas. Até uma senhora normal e inspetora superior da PJ deu uns inofensivos 14 tiros na velhota avó do marido, cujos 80 anos a tornaram num elmento da peste grisalha. Os magistrados foram compreensivos para essa desinfeção a respeito da peste grisalha e até a ilibaram. Só os tipos mais velhos e próximos de fazerem parte da peste grisalha é que obrigaram as primeiras instâncias a repetir o julgamento, a fim de saber que a velhota levou mesmo 14 tiros e não 13 ou 12. Seria injusto condenar uma inspetora por disparar da sua Glock 14 tiros quando pode ter disparado apenas 13.



publicado por DD às 21:25
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Maio de 2016
Dieter Dellinger: O que Quer Hollande?

 

Não se percebe o que quer o presidente francês François Hollande ao mexer na lei do trabalho.

A reforma é pequena; foi maior, mas os deputados socialistas franceses conseguiram minorar alguns dos aspetos mais gravosos.

Hollande está com sondagens péssimas e resolveu alterar uma lei que funciona há anos quando a sua presidência acaba em 2017.

Parece que quer facilitar o caminho da extrema-direita Sarkozy of Le Pen ou julga que os capitalistas, políticos e eleitores de direita vão agradecer as reformas em curso, votando novamente em Hollande?

Nenhum socialista pode pensar um segundo sequer que qualquer viragem à direita terá votos acrescentados e agradecimentos. È também evidente que excessos de esquerda podem não dar resultados; que mais não seja porque os eleitorados nunca contemplam excessos. Mas, o indicado para a França era deixar a Lei do Trabalho como está, até porque estamos numa nova era em que a informática, a racionalização extrema do trabalho e automação e robotização permitem dar mais aos trabalhadores, tanto em indemnizações como em tempo de trabalho, salários, etc. Sem isso, os robots não servem para nada porque produzirão para clientes inexistentes em quantidade insuficiente.

O pessoal trabalhador veio para a rua com o primeiro-ministro Val determinado em enfrentar aquilo que os trabalhadores não querem que é retirada de regalias.

Na Europa, se há regalias a retirar é aos concorrentes chineses, indianos, etc. que pagam ordenados de miséria e provocar a queda do Euro, pois isso é que tornará os fabricos europeus mais competitivos

 



publicado por DD às 20:26
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 2 de Maio de 2016
O EO1 - O minicarro Elétrico Português

 

 

 

O E01 é um microcarro elétrico português. Foi concebido por Emanuel Oliveira durante a sua tese de mestrado em Engenharia e Design de Produto da Universidade de Aveiro e o seu autor destaca a estrutura do veículo como principal inovação.

No E01, o chassi e a carroçaria são uma peça única. Uma espécie de exosqueleto cuja ideia foi inspirada nas “cascas” dos crustáceos. Para além disso, este automóvel elétrico foi pensado para ser produzido com o mínimo de recursos possível, olhando à sustentabilidade da sua produção, que é, assumidamente, uma das metas para o projeto.

“Um dos objetivos a longo prazo desta investigação era precisamente a viabilização da mesma [da comercialização]”, revelou Emanuel Oliveira.

Em foco, esteve também o objetivo de criar um carro para a cidade, “desde a possibilidade de transportar quatro pessoas ao rebatimento dos bancos traseiros, permitindo o aumento do espaço destinado ao acondicionamento de carga, todos os aspetos foram pensados para se criar um veículo de caráter utilitário urbano para utilizações em curtas e médias distâncias”, disse o português.

Quanto à possível concorrência, o engenheiro assume que “é forte” no segmento de mercado onde o E01 se insere. No entanto, Emanuel Oliveira considera que, das outras propostas existentes, que vão do Smart Fortwo ao Renault Twizzy e mesmo até aos “mais informalmente conhecidos […] papa-reformas”, todas têm falhas “ora pelo elevado preço, ora por razões de segurança e versatilidade, ou até mesmo por questões estéticas,”

“Em termos estéticos, a proposta revela-se diferenciada da concorrência dada a sua simplicidade formal, a sensação de segurança e as amplas superfícies vidradas, que modificam por completo não só o aspeto, como ainda o ambiente no interior do veículo”, garantiu.

Sobre a possibilidade de Portugal querer fazer parte da indústria dos automóveis elétricos, o autor disse que seria “necessário investimento financeiro” já que o “know how está assegurado” por investigações como esta.

O Veeco, o primeiro carro elétrico português, pretendia começar a produção este ano e os interessados à data do lançamento esgotaram rapidamente a capacidade de encomendas para 2016.

NOTA: A viatura parece ter painéis fotovoltaicos no tejadilho, o que seria extremamente interessante num país como Portugal com muito sol e em que o utente pode deslocar-se para o trabalho e deixar o carro parado durante as horas de mais sol do dia até regressar a casa ou ir à praia com as baterias a serem carregadas pelos painéis. Na minha opinião, o futuro do carro movido a eletricidade depende da organização empresarial de um sistema de troca de baterias. O utilizador do carro não compra as baterias; simplesmente aluga-as e estas poderiam ser trocadas em qualquer bomba de gasolina rapidamente, sendo horizontais e amovíveis como se fossem em gavetas que se abre para tirar a bateria descarregada e colocar outra, havendo uma bateria mais pequena de urgência para a viatura se deslocar ao próximo posto de abastecimento e que produzisse um sinal sonoro contínuo para advertir o condutor e que seria alimentada pelos painéis fotovoltaicos

 



publicado por DD às 22:40
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Holanda ajuda nas fugas a...

Dieter Dellinger: Emissõe...

Dieter Dellinger: Os Fund...

SMP (Security Market Prog...

BREXIT

Dieter Dellinger comenta:...

Dieter Dellinger Comenta:...

Dieter Dellinger Comenta:...

Dieter Dellinger: O que Q...

O EO1 - O minicarro Elétr...

arquivos

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds