Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Quarta-feira, 23 de Junho de 2004
A TRAGÉDIA QUE SE AVIZINHA
No próximo dia 1 de Janeiro, 143 nações do Mundo vão poder exportar livremente para a Europa comunitária.


Nessas 143 nações labutam mais de cinco mil milhões de pessoas, contando-se, entre outras, os gigantes da Ásia como a China, a India, o Paquistão, a Indonésia, as Filipinas, a Malásia, o Vietname, a Coreia do Sul, etc., etc.


Principalmente a China que fabrica tudo como uma mão-de-obra paga com salários inferiores a 100 euros mensais.


Neste momento, os chineses fabricam os sapatos iguais aos portugueses a preços de 4 a 5 euros o par.


Assim sendo, a China, altamente industrializada, está hoje em vias de ultrapassar o Japão em exportações e tornar-se no primeiro exportador mundial.


Que resta a Portugal fazer? E à maior parte da Europa?


Deixar fechar todas as suas fábricas? Acabar com grande parte da agricultura, já que os chineses são também grandes produtores e nos campos a mão-de-obra é ainda mais barata?


As grandes empresas multinacionais e até as pequenas sentem que não têm outra alternativa senão deslocalizarem os seus centros de produção para a China. Assim, vão ensinando ainda mais os chineses e cavam as suas sepulturas.


É certo que a liberalização do Comércio Internacional foi negociada nos tratados assinados no âmbito da OMC (Organização Mundial do Comércio), nomeadamente no "Uruguai Round" e isto há alguns anos atrás.


Foi tudo muito combatido por muitos esquerdistas que diziam que a liberalização conduziria o Terceiro Mundo à ruina. Na verdade, o que sucede é que o Primeiro Mundo, nomeadamente a Europa, vão soçobrar completamente perante a ofensiva do Travalho "Escravo" da China, Vietname, India, Paquistão, Bangla-Desh, etc.


Mais importante que discutir uma pseudo-Constituição europeia e rererendá-la, seria saber o que fazer para DEFENDER O TRABALHO NACIONAL.


O Governo não tem estado a alertar os portugueses para a tragédia económica que aí vem e anda a enganar toda a gente com a ideia da retoma e de que esta será uma realidade quando países como a Alemanha, França, etc. saírem da crise.


Nada mais ERRADO. Depois de 1 de Janeiro de 2005 não haverá mais RETOMA. Portugal não tem espaço de manobra para produzir com a mão-de-obra mais barata da Europa, já que diferença para a da China é brutal e aterradora.


As exportações chinesas estão a abalar as fábricas de países de mão-de-obra ainda mais barata que a portuguesa como o Marrocos e o Brasil também já não é competitivo.


Que fazer pois?


A União Europeia deverá sair do "Uruguai Round" e dos acordos da OMC, impondo barreiras aduaneiras a uma nível que equilibre os custos de mão-de-obra entre os exportadores e a média comunitária europeia, se os países exportadores não alterarem profundamente a relação cambial das suasmoedas, valorizando-as para equilibrar em termos de "Paridade de Poder de Compra".


Enquanto isso não é feito, os portugueses devem COMPRAR PRODUTOS NACIONAIS o mais que possível. É certo que isso não resolve o problema das exportações e para o sector exportador, o mercado português é apenas uma pequena parte dos seus mercados.


Também uma pequena redução nos custos do Estado com eventual implicação na redução de alguns impostos não resolve nada, dado que o custo da mão-de-obra chinesa é cerca de um décimo do português, ou menos ainda?




publicado por DD às 22:37
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 22 de Junho de 2004
Casa Pia com Surpresas
Afinal há outros arguidos do caso Casa Pia que o público desconhece.


Segundo a TVI, um adulto de 29 anos terá estado em contacto com uma criança de 14 anos da Casa Pia que terá fugido de um local de férias.


Nada se diz sobre a identidade do homem que é arguido do caso Casa Pia e, pela idade, é óbvio que não se tratava de nenhuma das pessoas conhecidas e implicadas, todas de mais idade.


Afinal, qual o motivo para manter no segredo absoluto aquele arguido e, provavelmente, outros quando há vários cujos nomes foram amplamente divulgados?


O princípio básico da JUSTIÇA e ÉTICA é a igualdade dos cidadão perante a lei e perante o comportamento de polícias, procuradores e juízes. E não interessa se a pessoa é conhecida ou desconhecida. Ou divulgam-se todos os nomes ou nenhum. Os agentes da justiça não podem ter comportamente diferenciados em função das pessoas.


É evidente que faz falta uma cadeira de JUSTIÇA nos cursos de direito, onde se aprende muito sobre leis, mas nada sobre JUSTIÇA.


Quanto ao Paulo Pedroso foi há tempos anunciado que os autores do recurso contra o não pronunciamento de Paulo Pedroso teriam cassetes de intervenções televisivas feitas na data em que PP teria cometido crimes de pedofilia, Dezembro de 1999, em que se poderia ver que não utilizava o aparelho nos dentes.


Afinal, as tais gravações dessa data com PP sem o aparelho nos dentes não existem e a TVI mostrou hoje uma em que PP ao rir-se mostra os dentes e o aparelho, dizendo que quando falava normalmente não se veria o aparelho. É um facto na televisão com a câmara muito de frente, mas não será em situações completamente diferentes, a não ser que o juiz de intervenção tivesse pedido para PP colocar de novo o aparelho e verificasse que podia estar com ele muito tempo sem ver o aparelho, o que não fez, já que o Teixeira e o Guerra não fizeram investigação a fundo.


E ninguém pode provar que se possa ter relações sexuais sem sorrir ou abrir a boca e que nestas uma pessoa tenha uma postura igual à que teve em entrevistas formais dadas a uma estação de televisão..


Enfim, a TVI veio PROVAR que o elemento de prova inicial da procuradoria não existe afinal, filmes com PP sem o aparelho nos dentes de Dezembro de 1999. E a desculpa pelo FALHANÇO não cabe na cabeça de ninguém.



publicado por DD às 21:49
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Junho de 2004
Guerra: Colapso da Ética
D day.jpg

Normandia Há 60 Anos


Comemora-se hoje o sexagésimo aniversário do desembarque na Normandia, uma das mais sangrentas batalhas desse imenso colapso ético que foi a II. Guerra Mundial e que só pode ser vista como isso, um colapso da ética ou moral política e militar, dado terem sido cometidos nessa guerra os maiores crimes que a Humanidade alguma vez conheceu e, a meu ver, só devem ter lugar na História como exemplos de um colapso total da ética a todos os níveis.


A própria condução da guerra foi conduzida sem ética e, como tal, altamente prejudicial a todos os lados. Se do lado nazi é mais que evidente o processo de interrupção de todos os valores éticos desde a sua fase política até ao final da guerra; do lado aliado assistiu-se a uma condução anti-ética da guerra porque orientada para a destruição dos civis e, como tal, com graves prejuízos para a causa aliada, dado o efeito na resistência alemã. Assim, é quase inacreditável que com uma supremacia total dos aliados em tropas e, principalmente meios aéreos, mais vinte mil aviões contra quase zero alemães, a guerra só tenha terminado quase um ano depois, em Maio de 1945, tendo os alemães sido batidos por mais de dois milhões de soldados na frente leste e outros tantos na frente oeste e depois da destruição total de 350 cidades e vilas importantes, incluindo quase todas as suas indústrias de armamentos e combustíveis.


A destruição total de Hamburgo e Colónia e o bombardeamento vezes sem conta das próprias ruínas deu aos alemães a impressão que estava em causa o massacre total do povo alemão, o que pareceu confirmar-se com a destruição de Dresden já no fim da guerra e o massacre das populações da Prússia Oriental, bem como a destruição por via aérea das pequenas localidades bálticas de veraneio, cujos hotéis estavam cheios de feridos de guerra que não representavam qualquer ameaça. Em Stalsund foram assassinados quase dez mil feridos dois dias antes da guerra terminar, estando então quase toda a Alemanha ocupada.


Antes disso, os massacres perpetrados pelos alemães na União Soviética, os bombardeamentos de cidades inglesas e muitas outras barbaridades cortaram qualquer caminho para uma Paz negociada e, naturalmente, incrementaram a vontade de resistir ao inimigo nazi.


O próprio nazismo significou desde a sua nascença o colapso total da ética política, dado que toda a sua ideologia nacional-socialista vinha embrulhada nas roupagens do ódio rácico e político contra todos os opositores. As esquerdas foram erigidas pelo nazismo em culpadas da derrota de 1918, tal como no Portugal de hoje, se culpa o PS e o PC de serem os culpados da derrota colonial, sem cuidar dos antecedentes.


Mas, o aparecimento do nazismo deve muito à intolerância das democracias ocidentais que tornaram a vida impossível à nação mais populosa da Europa Central e Ocidental, a Alemanha. Sujeita a pesadas reparações e impossibilitada de exportar e comprar no imenso mundo de nações escravizadas pelo colonialismo das hipócritas democracias que submetia grande parte do Mundo ao pior dos regimes políticos, as ditaduras colonialistas ou esclavagistas com o trabalho obrigatório e escravo das populações indígenas para pagarem os impostos de palhota. Antigas e orgulhosas civilizações como a indiana, a indonésia, malaia, árabe muçulmana, etc. não passavam de populações agrilhoadas pelas ditaduras coloniais.


O Império Britânico abrangia 27% da superfície do Planeta e com os restantes Impérios eram mais de 80% da terra, pois temos de considerar que o segundo maior império colonial era o moscovita ou a União Soviética que só há pouco mais de dez anos se libertou daquilo que Lenine denominou “a prisão dos povos” que não conseguiu libertar porque já não teve saúde e forças para se opor ao Comissário das Nacionalidades, José Estaline.


Antes da chegada dos nazis ao poder, a Alemanha conheceu uma taxa de desemprego de quase 50% e uma inflação inimaginável.


Ninguém percebia o sentido profundo da ética, o egoísmo racional. Não faço aos outros o que não quero que me façam a mim. O chanceler alemão Stresemann tentou nos anos vinte uma reconciliação total com a França e a Inglaterra e a criação de uma Europa unida ou, pelo menos, reconciliada. Não teve sucesso, a ocupação da Renânia pelos franceses continuou, as reparações quando não eram pagas resultavam na expropriação das minas de carvão do Ruhr. Os franceses não viram que os custos da não reconciliação com políticos socialistas democráticos no poder alemão seriam imensos. Mesmos os vitoriosos da II. Guerra Mundial pagaram o preço do sangue de milhões dos seus jovens e não fosse a condução anti-ética da guerra pelo nazismo nunca teriam chegado à vitória.


Efectivamente, antes da invasão da URSS, a Alemanha era imbatível e junto às suas fronteiras nunca as forças russas seriam capazes de derrotar os alemães. Só depois de batalhas desgastantes e da derrota de Stalingrad a milhares de quilómetros das suas bases e depois da batalha de Kursk é que a Alemanha pôde ser derrotada.


Sem o desgaste da frente Leste, nunca os Aliados poderiam ter desembarcado na Normandia.


Se a Alemanha não tivesse invadido a URSS e tivesse mantido o programa já adiantado em 1942, mas suspenso a seguir, de construção de aviões a jacto, os Aliados Ocidentais não teriam outra alternativa que não fosse a negociação.


Mas é evidente, o nazismo da extrema-direita alemã significava o tudo ou nada, a guerra total, pelo que, contrariando os conselhos dos militares alemães, o ditador Hitler ordenou a invasão da URSS, perdendo os restos de ética que tinha do seu lado, pois foi a Inglaterra e a França que declararam guerra a Alemanha na sequência da invasão da Polónia pelos alemães e pelos soviéticos. Curiosamente, pelas mesmas razões não declararam guerra à URSS. As duas potências ocidentais tinham um tratado de aliança e auxílio em caso de invasão com a Polónia, não especificando qual o invasor.


Por sua vez, depois do tratado de não agressão firmado em 1939 entre a Alemanha e a URSS, a questão que os alemães tinham com a Polónia, resultante da entrega de territórios alemães aos polacos depois da I. Guerra Mundial, podia ter sido resolvida pacificamente pela via diplomática. O governo polaco tinha dado a entender que estava disposto a negociar, mas o nazismo queria sangue e teve-o


A extrema-direita nazi alemã encontrou uma Alemanha com 30 milhões de desempregados e deixou-a com mais de 30 milhões de mortos, feridos e deslocados. O problema do desemprego capitalista fora resolvido por meio século. Só espero que a nova vaga de desemprego capitalista não venha a ter uma solução semelhante.


Dieter Dellinger




publicado por DD às 23:13
link do post | comentar | ver comentários (31) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Suicídio da Europa segund...

Marcelo Condecora Soares ...

Comissária Desconhecida q...

Produção de Automóveis

Défice de 2%

IMPOSTOS

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

Mário Centeno: O que caus...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds