Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Sábado, 23 de Julho de 2005
O Negócio do Futuro

Para os grandes grupos económicos, incluindo os bancos portugueses, tal como para investidores médios e até, relativamente pequenos, a energia eólica é o negócio do futuro.

Vento haverá sempre e não se tornará mais caro, nem é importado e a técnica das pás evoluiu de tal modo nos últimos anos que a produção de energia eléctrica tornou-se altamente rentável e atingiu proporções inimagináveis há pouco tempo atrás. Além disso, tudo indica que os combustíveis fósseis tendem a tornar-se cada vez mais caros, mesmo que a substituição das centrais térmicas pelas eólicas e hídricas e a redução do consumo no automóvel possam vir ainda a provocar uma queda no preço.

 

Na Alemanha, entrou recentemente em funcionamento uma turbina eólica capaz de dar 5 megawatts de potência, ou seja, o suficiente para alimentar de electricidade 5 mil lares normais. Sustentada por uma torre de 120 metros de altura, o seu diâmetro tem 124 metros; só possível pela utilização de materiais plásticos reforçados e compostos de baixo peso. Um parque de 3 hélices desta dimensão dá para uma cidade de 15 mil habitantes.

A evolução dos moinhos geradores de energia eléctrica passou de um máximo de 50 kW por hélice em 1980 para 500 kW em 1990, 2000 kW em 2000 e 5.000 kW em 2005. Actualmente o investimento cifra-se em 1,1 milhões de euros por megawatt ou por mil lares médios; 1.100 euros por lar. O Expresso Economia dá o número errado de 1.100 euros por megawatt.

O governo vai abrir um concurso para três parques eólicos a totalizar 1.700 megawatts em que poderá concorrer capital estrangeiro, excepto num dos parques destinado exclusivamente a pequenos investidores nacionais. Daria para um milhão e setecentos mil lares, mas Portugal terá ainda de chegar aos 4.100 megawatts para cumprir o Protocolo de Quioto, o que não parece difícil, apesar de passarmos a ver a paisagem salpicada de hélices brancas como vemos já ao longo da A8. Antigamente, aquela paisagem estava salpicada pelas velas dos moinhos de vento dos cereais.

 

Para além da evolução no desenho e no material das pás inspirado na aeronáutica verifica-se ainda uma evolução no sistema de ligação aos alternadores.

Como é sabido, um gerador tem de funcionar a mil rotações por minuto quando uma pá grande nunca chega a isso e daí estar ligada a uma caixa de velocidades automática. Geralmente, um vento médio permite obter 40 rotações por minuto na hélice, mas nos sistemas mais modernos, a engenharia alemã consegue produzir alternadores que produzem uma corrente trifásica a baixas rotações, aumentando o número de pólos electroímanes de 4 para 50 ou mais. Assim, deixa de ser necessária a caixa de velocidades e, como tal prescinde-se de um mecanismo sujeito a manutenção, lubrificação e avarias.

 

Ao longo da costa portuguesa, o regime de ventos é tal que permite ter a hélice em rotação durante mais de 4 mil horas anuais, o que dá um factor de carga superior a 45%. Com a instalação crescente dos parques, o sistema de ventos será mais conhecido e, como tal, mais rentável.

 

Um método simples para verificar o regime de ventos a longo prazo numa cordilheira ou zona costeira é observar o crescimento das árvores. Estas crescem tanto mais e mais depressa quanto menor for o vento na zona. Nas montanhas muito batidas pelo vento só encontramos vegetação rasteira e é aí o local ideal para instalar os parques eólicos.

 

Acrescente-se ainda que o ruído tão perturbador das hélices antigas desapareceu quase completamente por via de uns pequenos truques como a forma redonda da extremidade das pás, o que reduz o turbilhão aéreo associado a vibrações ruidosas. Também o isolamento da célula do gerador elimina o seu ruído, pelo que uma hélice grande já produz apenas 22 decibéis de som a 250 metros de distância, tanto como uma sala de restaurante.

Enfim, não se compreende que a EDP tenha estado a investir no estrangeiro quando tem em Portugal uma verdadeira "mina de ouro"  para explorar e pode vir a ser, ela mesmo, o motor de uma indústria nacional de torres, alternadores e pás. De resto, as pás requerem muita mão-de-obra no acabamento, nomeadamente no polimento final, sendo a construção grosseira automática. Uma indústria portuguesa pode importar as pás sem acabamento da Alemanha e poli-las em Portugal, o que as tornará mais baratas e dá emprego a portugueses, além de que uma empresa como a Efacec pode vir a ser um grande fabricante de alternadores e já se fabricam as torres em Portugal. Seria pois aconselhável que o LNET, o IST e outras Universidades e Institutos Técnicos formassem departamentos eólicos para o estudo das técnicas e dos regimes de ventos e que se fizesse com o Instituto de Meteorologia uma Carta Nacional de Ventos.

 

Os parques eólicos são, sem dúvida, um negócio local que podem ser explorados, mas tudo depende do preço a que a EDP paga a electricidade ou da possibilidade de instalar redes locais que terão de ser abastecidas pela EDP nos dias em que não há vento suficiente.

A partir dos 0,08 euros por kWh acho que o investimento é rentável. Por exemplo, um moinho gigante para 1,5 MWh de média anual numa zona de vento médio anual de 6 m/segundo pode custar 1,8 milhões de euros e produzir durante 3.000 horas asseguradas anualmente, o que dará 360.000 euros, ou seja, um astronómico lucro anual de 20% menos o custo de manutenção que não é muito elevado.

 

O investidor faz um contrato de manutenção com o fornecedor da aparelhagem e não tem se preocupar com mais nada; nem marketing, vendas, modelos, marcas, clientes, etc.

A EDP debita a electricidade a 0,12 euros o kWh, (incluindo as aldrabices chamadas taxas de potência contratada e taxa de exploração, mas sem IVA) o que significa que vai ganhar 0,04 euros por kWh, portanto, 30%.

O negócio é bom para todos e acredito que vai haver muito investidor (e já há) nacional e estrangeiro.



publicado por DD às 23:34
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
27
28
29

30
31


posts recentes

Incêndios no Sul de Franç...

Isabel Monteiro: O seu Cu...

Portugal paga mais 2.600 ...

O Diabo Chegou?

O Problema Português

Estado Português ou Chinê...

Os Fogos em Portugal

Portugal em Forma e Antón...

O "Crime" da EDP

Dieter Dellinger: BOAS NO...

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds