Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Sexta-feira, 25 de Abril de 2008
Humor na Política Nacional

Na Madeira, o soba Alberto João proibiu qualquer sessão solene na Assembleia Regional. O homem não quer que se comemore o 25 de Abril com discursos dos “loucos varridos” do PS, CDS, PCP e BE.

            Seria pois uma pena para nós, também “loucos varridos”, que o Soba não se candidate a líder do PSD e não ganhe as directas do Partido. Acima de tudo, o Soba daria um importante acréscimo de humor à política e, nesse caso, à política nacional. Claro, quem perderia seriam os “gatos fedorentos” e o “Bruno Nogueira” que, por mais voltas que dêem às suas cabeças, não seriam capazes de ultrapassar o hilariante Soba.

            Que coisa mais engraçada que seria, uma campanha eleitoral no “contenente” com o Soba. A malta partia-se toda a rir.

            Daqui faço um apelo veemente ao Soba e a todos os militantes do PSD: façam com que o Alberto João se candidate e seja eleito. Deixem-se lá dessa septuagenária que já tem idade para descansar e não apostem em putos sem experiência alguma ou nuns gajos de meia-idade que nada fizeram na vida. Escolham o madeirense para renovar a política portuguesa no sentido humorístico do termo.

 



publicado por DD às 10:13
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 22 de Abril de 2008
Manuela Ferreira Leite

 

A Dra. Manuela Ferreira Leite é, sem dúvida, um nome forte com possibilidade de ganhar as directas no PSD, dada a fraqueza dos que já se apresentaram como candidatos.

Todavia, MFL tem pontos fracos; uns pelas suas convicções políticas e outro devido à idade. Ela é quase vinte anos mais velha que Sócrates, não tem mais experiência governativa que o nosso actual PM e, se ganhasse as eleições de Outubro de 2009 governaria até aos 73 anos de idade. É muito para ter a pedalada do Eng. Sócrates. MFL não teria a energia para fazer as reformas que Sócrates fez como a de acabar com quase 25% das Direcções-Gerais, Institutos, etc. Foram só 1.468 altos quadros dirigentes que desapareceram das folhas salariais e das regalias como gabinete, carro, condutor, etc. O Estado emagreceu em quase 100 mil trabalhadores, enquanto o número de aposentados aumentou no mesmo número para mais de 400 mil pessoas. Os funcionários não se deitam para o lixo como garrafas vazias.

 

No aspecto político, MFL tem revelado ideias anti-estatistas radicais. No último Congresso do PSD defendeu a privatização total da educação e da saúde em Portugal, mas não disse quem iria comprar todas as escolas, institutos politécnicos e universidades, centros de saúde, hospitais, etc. Ou seriam “doados” e a quem e com que direito iria MFL doar aquilo que pertence aos contribuintes.

Claro, a Segurança Social pode ser entregue aos seus proprietários, os trabalhadores, criando-se com isso um segundo Estado dirigido por pessoal eleito pelos trabalhadores, pois ninguém vê como poderiam os trabalhadores governar o sistema sem ser pela via eleitoral.

            Em dois recentes pequenos artigos que publicou no Expresso insurgiu-se contra a descida do IVA e mostrou-se totalmente contra as grandes obras públicas, afirmando que “a intervenção pública se deve limitar a criar condições para que outros o fizessem”, neste caso referindo-se ao crescimento do PIB que não deveria passar pelas obras públicas, mas sim pelas empresas privadas.

            MFL não sabe que os dinheiros que enviamos anualmente para Bruxelas são um “pé-de-meia” para investimentos no âmbito do QREN no âmbito de três sectores estratégicos: Educação (Centros Escolares), Investimentos Públicos para Melhorar o Território e Apoio a Empresas dentro de condições muito especiais.. Para além disso, em qualquer grande obra, o Estado cobra quase 50% em impostos como imposto sobre combustíveis, viaturas e máquinas, IRS, descontos para a Segurança Social, IVA, IRC, etc.

            De acordo com a legislação comunitária, nenhum Estado pode desvirtuar a livre concorrência ao financiar empresas privadas para colocar os seus produtos nos mercados externos a preços de “dumping”, ou seja, falsamente baratos. Para Portugal há algumas pequenas excepções como alguns apoios em termos de formação de pessoal trabalhador que tem sido utilizado como uma forma um pouco encapotada de financiar empresas exportadoras e há uns programas para apoio ao investimento de empresas situadas em zonas desfavorecidas do interior, mas tudo muito controlado. Também há apoios para a investigação científica e tecnológica, o que não tem faltado a muitas parcerias entre universidades e empresários oriundos dessas mesmas universidades. Isso tem dado alguns frutos, mas não se decreta, pois as boas ideias não surgem em catadupa do nada.

            Portugal resolveu o problema do défice, mas em equilíbrio instável devido à situação económica mundial com o petróleo a chegar aos 140 dólares no mercado dos futuros. Portugal cumpriu a meta do défice antes do prazo a que se tinha comprometido com a EU tal como ultrapassou no campo das energias renováveis a meta imposta por Bruxelas para 2010 que era produzir 39% da electricidade consumida sem recurso a combustíveis fósseis ou nucleares. No ano passado, 2007, Portugal chegou aos 42%, o que foi um recorde europeu e com isso começou a desenvolver-se uma indústria de equipamentos eléctricos, pás de turbinas, pilares, etc. Isto é desenvolvimento sustentado, dirigido em grande parte pela energia de um Governo de pessoas muito mais jovens que MFL e já com efeitos importantes na exportação.

            Enfim, não se vê na Dra. Manuela Ferreira Leite qualquer solução para o País e muitas das suas ideias são as do PSD na generalidade qualquer que seja o candidato ou líder a ser eleito.

 



publicado por DD às 22:19
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 18 de Abril de 2008
Perigo para a Saúde Pública na Ameixoeria em Lisboa

 

 

Costumo ir praticar "jogging" na chamada Quinta das Claras, a zona ajardinada na Freguesia da Ameixoeira.

 

Sucede que dei muitas voltas e não senti nenhuma picada de parasita, mas, já no dia seguinte (Domingo) comecei a sentir uma certa indisposição e um pouco de febre que atribui ao frio. No início havia um certo calor, mas o tempo mudou e no fim do período ficou frio.

Durante a semana vi o meu corpo cheio de pequenas borbulhas que foram secando e cicatrizando e passei a ter febre no fim do dia quando chegava do trabalho. Continuei a atribuir ao tempo instável.

Ontem fui medir a febre pelas 21H e reparei que tinha 43ºC. Fui de imediato às Urgências do Hospital das Descobertas e detectaram logo "febre das carraças", tendo começado de imediato a tomar antibióticos.

Alerto pois para o facto de naquele jardim tanto os humanos como os animais podem apanhar esta doença. Aquilo é utilizado por um pequeno grupo de pessoas sem educação e respeito pelo próximo como área de dejecção canina e a Junta de Freguesia da Ameixoeira teima em não construir umas zonas especiais para a dejecção canina foram do parque e interditá-lo aos animais. No fundo, entre proteger crianças e adultos ou animas, a Junta assumiu a posição típica de parte da sociedade portuguesa que é do desrespeito e até ódio às crianças e jovens. Basta ouvir um professor/a a falar para saber que odeiam as crianças.

Principalmente as crianças não devem frequentar aquele jardim, antes a Quinta das Conchas com o seu espaço verde aberto de onde não podem, em princípio, cair carraças.

 



publicado por DD às 10:51
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Abril de 2008
O Resgate do "Le Ponant"

 

         O “Le Ponant” é um magnífico e luxuoso navio à vela e motor para cruzeiros de luxo, propriedade da companhia CMA-CGM de Marselha e explorado pela “Compagnie des Illes du Ponant” que opera mais dois navios de cruzeiro de luxo, ou seja, o “Le Levant” e o “Le Diamant”. Mede 80 metros de comprimento e dispõe de 32 cabines para 64 passageiros e uma tripulação de 32 homens e mulheres. Um cruzeiro num navio destes deve ser, sem dúvida, uma das mais agradáveis maneiras de navegar nos mares do nosso Planeta, só acessível a quem tem uma boa conta bancária.

         O navio regressava das Ilhas Seychelles e navegava ao largo de Adem, a uns 300 km da costa, quando foi abordado de surpresa por uma embarcação com 10 a 12 piratas bem armados com as habituais Kalashnikovs AK-47 e o lança-granadas RPG-7 originários da região semi-autónoma de Putland no Sul. A Marinha de Guerra Francesa tem sido parca em pormenores, mas foi logo avisado e o “Le Ponant” passou a ser seguido do ar um avião de observação francês da base de Djibuti e depois por um Aviso “Le Comandant Bouan” que estava em operações de apoio às forças da Nato no Afeganistão.

         O facto de o “Le Ponant” não levar passageiros tem a ver com o custo dos seus cruzeiros, pelo que recebe, por exemplo, nas Seychelles, turistas que viajaram de avião e fazem aí pequenos cruzeiros de dias ou uma semana apenas. De resto, o “Le Ponant” deveria receber passageiros em Malta para um pequeno cruzeiro no Mediterrâneo.

         Já na costa somali, o armador do navio e as autoridades francesas que estiveram sempre em contacto com os piratas negociaram um acordo de 1,3 milhões de euros que foram entregues num porto da Somália em troca da libertação dos reféns e do navio.

         Logo de seguida os comandos franceses desembarcaram de helicópteros e foram em perseguição dos piratas, conseguindo deter seis deles com cerca de metade do dinheiro do resgate. Um membro do governo regional do local diz que três pessoas terão perdido a vida quando os helicópteros se aproximavam dos piratas, disparando rajadas de metralhadora. Os franceses negam o facto, o que não significa que não seja verdade. Os piratas vão ser levados à justiça francesa para julgamento. O general Jean Louis Georgelin  comandou a operação com utilização de comandos e helicópteros que saíram de Djibuti e ainda com o apoio acrescido da fragata Jéan-Bart. Logo que os piratas libertaram os reféns e procuravam fugir com o saco do dinheiro os hélios franceses iniciaram a perseguição aos veículos, disparando tiros de intimidação, pelo que não atingiram gravemente nenhum dos piratas que não passavam de pescadores somalis. Um dos hélios aterrou frente a uma das viaturas e os seis piratas renderam-se. Enquanto parte da tripulação do “Le Ponante” se abrigou na fragata Jéan-Bart, o “Le Ponant” foi tomado pelos marinheiros franceses e, bem protegido, navega no Mar Vermelho a caminho do Mediterrâneo.

         De acordo com o general Georgelin foram recuperados alguns sacos “interessantes”, provavelmente com cerca de metade do resgate e esse dinheiro não era público, mas sim do operador do navio.

         Curiosamente, a zona norte da Somália, Puntland,  praticamente autónoma, e que foi a antiga Somália Britânica tem sido uma zona calma sem conflitos locais e aparentemente sem dar origem a actos de pirataria.

         De qualquer forma foi uma operação muito bem sucedidas, mas das poucas. Pois na costa Somali têm-se verificado muitos casos de pirataria e impõe-se aí como no estreito de Malaca que a Comunidade Internacional estabeleça uma força anti-pirata, como pediu o primeiro-ministro  francês François Fillon durante a sua recente visita a Tóquio.

         O IMO (INternational Maritime Bureau) revela que em 2007 se registaram 24 casos grave de pirataria por parte somalis. O ataque ao “Le Ponant” foi o segundo em dois dias e o número de actos de pirataria elevou-se em mais de 10% em 2007, relativamente ao ano transacto.

         A Marinha Alemã chegou uma ou mais unidades a vigiarem a costa somali. Não sei se abandonaram a tarefa ou não. De qualquer forma, as marinhas europeias possuem fragatas com hélios em tais quantidade que podem disponibilizar rotativamente uma permanência de umas seis fragatas naquela costa e outras tantas no Estreito de Malaca, no qual as marinhas de Singapura, Indonésia e Malásia vão já fazendo algum trabalho, aparentemente não de todo eficiente, o que sofreria uma alteração com a presença de navios europeus.

Fragata Jéan-Bart – um poderoso escoltador de esquadra e lançador de mísseis anti-aéreos “Crotale” e anti-navio “Exocet”. O deslocamento máximo é 4.500 toneladas, sendo movido por turbina “Olympus” que permitem atingir os 30 nós e motores diesel “Pielstick” para velocidades de cruzeiro dos 17 aos 21 nós. Também está equipado com uma peça automática de 100 mm igual às usadas pela marinha portuguesa e leva 40 mísseis SAM (SM-1) americanos, 12 Sadral SAM, todos anti-aéreos. Os seus sistemas são extremamente eficazes contra mísseis de cruzeiro razante e contra aviões. Só não possui muito armamento anti-submarino por sercada vez menor a ameaça global submarina. Como as fragatas portuguesas leva 1 helio Linx.

 

Aviso “Commandant Bouan” ou Corveta da Classe A 69. Data de 1984 e tem um deslocamento máximo 1250 toneladas. A velocidade máxima é de 23,5 nós e percorre 4.500 milhas a 15 nós. Está armado com dois lançadores de mísseis Exocet M 38, 1 peça automática de 100 mm igual à utilizada pela marinha portuguesa, 4 catapultas para torpedos anti-submarinos e algum armamento menor. A guarnição é de 105 militares, estando o navio perfeitamente equipado para operar em águas tropicais.

           


publicado por DD às 19:55
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Abril de 2008
Demissão do PM Irlandês

 

            O Primeiro-Ministro Berthie Ahern da Irlanda demitiu-se subitamente ao fim de onze anos de chefia do Governo e mais outros tantos anteriores como ministro das Finanças.

            Ao longo deste longo período Ahern foi considerado como o melhor líder político da Europa; aquele que mais terá feito crescer a economia do seu país, o qual se tornou um exemplo a seguir por todos.

            Contudo, Berthie Ahern não consegue explicar as razões porque lhe foram entregues importantes quantias em dinheiro e teve que declarar em tribunal que recebeu de vários empresários um presente de milhares libras para adquirir uma casa na sequência do seu divórcio da primeira esposa. Posteriormente, ao mesmo tempo que declarava que nunca tinha tido uma conta bancária, são referidas importantes entregas de dinheiro a pessoal do seu gabinete que não se sabe se eram para o seu partido, o Fianna Fail, ou para ele mesmo.

            Na Irlanda há um departamento estatal de planeamento que concede licenças e subsídios a empresas diversas, principalmente estrangeiras, e é dito que muitos benefícios foram concedidos a troco de comissões e estão a ser investigadas pelos tribunais. A situação resultou da divulgação de contas bancárias e contabilidade de empresas que entregaram dinheiro ao PM da Irlanda.

            A falta de explicações convincentes referente a casos concretos e a afirmação continuada de que não recebia dinheiro, excepto um “pequeno” presente de empresários amigos, levou à demissão do maior “dinossauro” da política europeia, mostrando que não há políticos ideais e perfeitos.

            Em Portugal houve sempre a tendência para endeusar aquele país devido ao crescimento do seu PIB por via do impulso dado pelas multinacionais que se instalaram na Irlanda. A maior parte era do sector informático que careciam de pessoal de língua inglesa e no vizinho Reino Unido pagavam salários muito superiores. Claro, num pequeno país com 3,8 milhões de habitantes e 72 mil km2 não é preciso muito para empurrar o PIB para cima, até porque a Irlanda investiu muito na escola massificada para todos, nos cursos técnicos secundários e superiores, não fazendo muito mais que tem feito Portugal, mas não foi capaz de construir uma verdadeira economia nacional, seja industrial, agrícola ou de serviços, apesar de ter algumas coisas como têm todos os países.

            Acontece que a Irlanda tem apenas 100 km de auto-estradas e as famílias irlandeses vivem em menos de metade das habitações que têm as portuguesas, além de terem menos carros, etc. E porquê?

            Pela simples razão que as famílias de um país vivem do RNB (Rendimento Nacional Bruto), anteriormente denominado PNB (Produto Nacional Bruto) que é o valor do PIB menos as receitas das empresas estrangeiras residentes enviadas para o exterior mais as receitas das empresas nacionais localizadas no exterior e trazidas para o país de origem. O respectivo saldo chegou a ser de -33% na Irlanda, há uns tempos atrás quando li isso, quando em Portugal foi de -7% em 2005. 25% do PIB irlandês a menos representa um valor muito substancial e significa que a Irlanda tem, efectivamente, muitas multinacionais no seu território e poucos investimentos nacionais no exterior.

            Pena é que um economista tão elucidado como Aníbal Cavaco Silva nunca tenha visto isso que foi publicado num artigo em português nos “Cadernos de Economia”, a revista oficial da Ordem dos Economistas, precisamente por um grande economista e professor universitário irlandês. E também outros brilhantes economistas da nossa praça não leram esse artigo que data de alguns anos atrás.



publicado por DD às 20:07
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Abril de 2008
A Fome Soviética de 1933

 

 

De acordo com um comunicado da agência noticiosa russa Novostni, o parlamento da Federação Russa aprovou ontem uma declaração sobre a grande fome na União Soviética em 1932 e 1933; portanto há 75 anos.

O povo russo, através dos seus deputados eleitos recorda a imensa tragédia estalinista que levou à morte mais de vinte milhões de cidadãos por causa de uma quebra brutal na produção de alimentos.

Segundo os parlamentares russos, a origem da fome que se verificou mais nos campos que na cidade, foi provocada pela apressada e desorganizada colectivização da terra em que o poder comunista destruiu as bases da agricultura russa sem ser capaz de organizar a nova produção. De resto, a fome permaneceu mais ou menos endémica na URSS durante a vigência do regime. Digamos, mais uma continuada escassez de alimentos essenciais do que verdadeira fome.

O Parlamento Russo, na sua declaração, rejeita, contudo, que a “grande fome” de 1932/33 tivesse tido como objectivo liquidar o povo ucraniano, cujo estado soviético e independente tinha sido conquistado a mando de Lenine pelo exército vermelho russo nos anos vinte.

Tendo então sido a Ucrânia o grande celeiro do Império Russo, foi aí que as forças bolcheviques capturaram todos os alimentos, principalmente os cereais, não deixando e não distribuindo sementes para novas culturas. Com isso, a produção de cereais desceu brutalmente e nem ficou algo para o gado. Os parlamentares russos afirmam na declaração oficial que o mesmo aconteceu em muitas zonas da Rússia, nomeadamente nas terras banhadas pelo Rio Volga, na Crimeia, na Sibéria Ocidental, no Cáucaso, na Crimeia e tanto no Casaquistão como na Bielo-Rússia.

Efectivamente, o ex-Império Russo era imenso, mas sem sementes não há produção. O Partido Comunista da União Soviética não foi capaz de aprovisionar o sector agrícola colectivizado com as sementes, adubos e alfaias agrícolas necessárias, o que antes não representava qualquer problema porque os agricultores faziam-no por si próprio. E tratavam-se ex-Mujiques (trabalhadores agrícolas) a quem tinham sido distribuídas terras, mas recusavam a vender os seus produtos a custos inferiores aos da produção como pretendia o poder Estalinista. Para satisfazer a gula dos funcionários de Estaline tinham de entregar toda a produção, incluindo o que deveria servir para a sua alimentação e para as sementeiras do ano seguinte.

 Na altura, os territórios agrícolas soviéticos eram imensos, pelo que 80% do território podia ser cultivado, daí que uma conhecida economista do fim da era soviética tenha afirmado que a colectivização não foi da terra, mas sim dos trabalhadores que ficaram sem liberdade amarrados às unidades colectivas de produção como verdadeiros escravos. E foi com essa escravatura que se realizaram os primeiros planos quinquenais que incluíram obras monstruosas e completamente inúteis como canais que permitem navegar do Mar Negro ao Oceano Glacial Ártico e que gelavam durante metade do ano quando o camião e o comboio podia transportar mercadorias durante todo o Inverno.

 

 

 



publicado por DD às 18:57
link do post | comentar | favorito
|

A Escola Massificada

 

 

Todos os grandes avanços civilizacionais trazem problemas consigo. O ser humano é em todas as circunstâncias problemático.
A escola massificada para todos é um grande avanço e a escolaridade até ao nono ano deveria ter sido conseguida em Portugal há quase um Século e, assim, estaríamos como os países nórdicos, etc.
O professorado português sempre teve horror aos trabalhos práticos e manuais, pelo que as vias profissionalizantes que as escolas devem organizar para os alunos com mais dificuldades teóricas têm funcionado mal.
É verdade que a escola do papel e lápis conduz a algumas dificuldades com certos alunos como conduziria se tivéssemos uma escola apenas prática para todos. A Ministra tem razão quando diz que a escola tem de se adequar às circunstâncias e os professores devem, acima de tudo, conhecer as suas turmas e saber que não há duas iguais, dado que em cada turma há sempre uma certa liderança de alguns para o bem ou para o mal. Mas, as sociedades humanas são assim e nenhum professor pode pensar em mudar a condição humana, até porque na sua juventude foi ele também como os actuais jovens.
Muitos professores têm uma grande dificuldade em reconhecer certos valores nos seus alunos; recordo que há alunos que dizem aos professores terem aprendido isto ou aquilo na Wikipedia e os professores rejeitam com desprezo esse conhecimento que é o do futuro. Muitas turmas têm os seus blogues colectivos e há alunos com blogues individuais e, claro, os professores não se preocupam em encorajar a interactividade e a criatividade que leva a colocar textos, fotos ou filmes nos blogues.
Há uma crise sim; mas não dos jovens alunos, mas antes do professorado que sabe porque não quer ser avaliado e a muitos falta-lhes conhecimentos de pedagogia, informática e visão de futuro.
Os professores actuais são maioritariamente o produto do facilitismo, ou seja, das passagens administrativas, dos cursos do Magistério Primário (Institutos Superiores de Educação) transformados rapidamente em licenciaturas e dos cursinhos do Instituto Piaget que davam umas coisinhas para ensinar também e apenas umas coisinhas. Sim, vivemos nos últimos 34 anos a confundir democracia com facilitismo, mas a Humanidade seguiu toda essa via, o problema é quase geral no Mundo.  Qualquer dia grande parte dos alunos terá o 12º ano e depois até a licenciatura de Bolonha, o que é muito positivo, mas implica que estudos posteriores para aquisição de conhecimentos a níveis elevados.
A massificação é fundamentalmente positiva e os casos de indisciplina não devem ser tão generalizados como está a ser.
Hoje, o Correio da Manha diz que a professora da Patrícia até autorizou nessa aula livre os telemóveis para SMS e ouvir música, mas ficou furiosa com o atendimento de uma chamada da mãe da menina.

A massificação da escola é como os automóveis, todos podem ter, mas não os caríssimos Mercedes e os BMW. A escola massificada é o Corsa, Polo ou Clio.

A escola massificada não é a antiga escola de elites, mas não deixa de ser o solo de onde nascem elites melhores porque escolhidas entre a totalidade da população e em concorrência uns com os outros nos estudos e trabalhos posteriores.

 



publicado por DD às 16:54
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
29

30


posts recentes

Dívida Pública: Acordo BE...

Suicídio da Europa segund...

Marcelo Condecora Soares ...

Comissária Desconhecida q...

Produção de Automóveis

Défice de 2%

IMPOSTOS

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds