Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Terça-feira, 23 de Setembro de 2008
Energia das Ondas - Inauguração Mundial em Portugal

 

 

 

 

 

 

 

            Apesar de ter sido anunciado no site da ENERSIS como instalado em 2007, a verdade é que só hoje foi inaugurada a primeira fase do parque de energia das ondas colocado frente à praia da Aguçadoura (Póvoa do Varzim) a primeira central maremotriz do Mundo com elementos ainda experimentais.

            Desenvolvida pela empresa escocesa Ocean Power Delivery do engenheiro David Lindley foi construída com apoio da Efacec que forneceu os respectivos transformadores e geradores de electricidade..

            Essencialmente tratam-se de grandes tubos semi-flutuantes de 30 metros, ligados entre si por uma articulação móvel e colocados em série na transversal das ondas. Estas fazem mover um tubo de cada vez que impele um fluido hidráulico numa movimentação energética suficiente para accionar geradores hidráulicos de electricidade do tipo Stingray. Trata-se pois de um óleo a alta pressão que acciona motores hidráulicos, os quais fornecem a energia mecânica a geradores eléctricos.

            Cada uma das “serpentes” definitivas articuladas é constituída por cinco tubos que perfazem um comprimento de 150 metros e produzem 750 kW. 110 cilindros dariam para alimentar de electricidade 15 mil lares médios.

            A empresa escocesa inaugurou o seu sistema em Portugal porque a EDP e o Estado compram a electricidade marítima a 23,5 cêntimos por kWh, mas calcula que a Europa, e principalmente as ilhas britânicas, podiam produzir a partir do mar uns 300 Gigawatts, ou seja, tanto como a produção de 250 e 300 centrais nucleares.

           Curiosamente, as rádios alemãs ouvidas na Net, a "Deutsche Welle" e a "Deutschlandfunk" noticiaram em 2007 a instalação do referido parque; foram induzidas no erro por via do referido site da Enersis e de outros da Ocean Power. Na altura achei esquisito que os medias portugueses não tivessem referido o assunto, o que foi lógico pois não havia parque algum. Os escoceses mais os não sei quantos conseguiram montagens fotográficas que davam a entender as tais serpentes hidro-eléctricas estavam instaladas quando não passavam de projectos. É certo que as serpentes eestiveram a ser montadas em Peniche desde o ano passado, mas só agora é que foram para o mar. Enfim, mais vale tarde do que nunca e o atraso não retira a Portugal a glória de ser uma das principais potências mundiais per capita em termos de energias renováveis instaladas e de ter a maior preocupação com o ambiente.

 

 

 

 

 Parece real esta imagem, mas é uma montagem.

 

 

Transformadores da Eface para a Central Maremotriz da Aguçadoura



publicado por DD às 17:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 21 de Setembro de 2008
Pelamis Snakes

 

These extraordinary metal snakes, the length of football pitches, are making up the world's first commercial wave farm in a little town just north of Porto.

 

Portuguese surfers keeping an eye on the weather will be joined this month by engineers and businessmen, but they will be hoping for very different reports. The men and women behind the latest renewable energy project will be looking for a flat, calm sea.

Portugal is poised to open what will be the world's first commercial wavefarm, and while the coastline's formidable surf will be a source of electricity, the engineers need a decent "weather window" to be able to get their machinery out to sea.

The Pelamis machines, named after the Latin for sea snake and developed by a Scottish company that leads the world in one of the newest renewable energy fields, are a series of red tubes, each about the size of a small commuter train, linked together, and pointed in the direction of the waves. The waves travel down the tubes, causing them to bob up and down, and a hydraulic system harnesses this movement to generate electricity.

The three "sea snakes" will soon be towed out to a spot some three miles from the coast of northern Portugal at Agucadoura, from where the electricity they produce will be pumped into the national grid.

But the hi-tech venture has not been without its problems. The latest date for inauguration of the wavefarm was to be Wednesday, but a combination of bad weather, bad luck and the pitfalls of developing any new technology has meant the machines are still on dry land, awaiting the next calm spell to be taken out to sea.

The machines were designed and built in Scotland by Pelamis Wave Power (PWP), but it took the intervention of the Portuguese to give the project real impetus. The renewable energy company Enersis ordered the wavefarm, recognising that it would not initially be profitable, and the Portuguese government has set tariffs for wave energy well into the future, ensuring that profitability is not the key question. "What we are assembling here is the first wavefarm in the world," says Antonio Sa da Costa of Enersis, and that is not without risk. But Portugal is the ideal testing ground: it has a long coast compared with its size of population and resources, and, with the government's support, developers are keen to invest.

Enersis had planned to expand the Agucadora wavefarm to 30 machines next year, but the setbacks forced it to scale back its aims. If progress in production, development and installation can match its ambitious plans, Enersis would like eventually to have several hundred machines floating off the coast to produce 500MW of electricity. That would be enough to light up 350,000 homes and, Enersis claims, for the whole project to become profitable.

Max Carcas, PWP's business development director, says the company expects to improve efficiency once the system is operating: "Typically costs fall by some 15% for each doubling in installed capacity."

But Teresa Pontes, of the National Institute of Energy, Technology and Innovation in Lisbon, believes it is too early to be sure that these systems will work and be taken up around the world. She is positive about the potential for wave power in Portugal because of its geography, but compares the current state of the technology with that of wind power a decade ago. "Wind energy is a simpler technology than wave power - and it took many years for that to mature.

"Research needs to be continued. Maybe the best system has not been deployed yet - if you think of the first aeroplanes, they are very different from what we use now."

As PWP struggles to get its machines into the water, competitors are springing up. While PWP has signed deals to provide sea snakes for projects off the coasts of Cornwall and Orkney, other models are being developed. A Canadian company is assembling a project based on buoys that it hopes will harness waves off the coast of Oregon. In Australia, a system of buoys tethered to the sea floor has been undergoing tests for years.

But Portugal's enthusiasm for renewable energy has given impetus to wave power. The Socialist prime minister, Jose Socrates, recently increased the country's renewable energy target for 2010 from 39% to 45%. Until now Portugal has relied mainly on wind power, but it will eventually run out of land for the windmills and needs the sea if it is to meet its target.

EU current account Top generators

This year the EU set a target of increasing the share of electricity produced by renewables from 6.5% to 20% by 2020. European commission figures show that only 2% of Britain's energy use came from renewables in 2004. Germany has 200 times as much installed solar power and 10 times as much wind power as Britain.

Wind power set records in 2006, the European Wind Energy Association reported, as 7,588 MW of capacity was installed, a 23% rise on 2005. Germany, the world's wind-power leader, had 20,000MW of installed capacity; Spain was second. The UK has 40% of Europe's wind resource but is only seventh in the world in installed capacity.

Marine power One of the world's largest tidal projects was recently unveiled off Orkney. A wave hub off the coast of Cornwall this month gained planning approval and could generate electricity for 14,000 homes.

Solar In March the first commercial concentrating solar power plant in Europe was inaugurated in Seville. When completed in 2013 it will produce enough energy for 180,000 homes. According to industry estimates only 20,000 homes in the UK have solar panels.

Biomass The EU meets about 4% of its total energy needs with biomass. Its share the energy mix varies from 1.3% in the UK to 29.8% in Latvia.

Made in Scotland, but it's a Portuguese consortium, led by Enersis, who are to build the world's first commercial wave farm off the north coast of Portugal. The initial phase will consist of three Pelamis P-750 (750 kW) machines, giving a total installed capacity of 2.25MW at a cost of £8 million. If all goes well, the number will be boosted to 30 or 40 machines.

The Pelamis prototype has been operating at the Orkney test centre since August 2004. No major issues of durability or corrosion were found during the staged test programme over the year. The US Electric Power Research Institute (EPRI) have given it a positive independent assessment, considering that it's the closest to commercial delivery of current wave energy machines. Read the EPRI report here

The EPRI assessment for the US government envisages tens of GW wave energy off shore for Massachusetts and other states. Wave energy has the potential to become one of the lower cost forms of generation in the longer term, it is believed. Ocean Power Delivery who have developed Pelamis say the power from the Portuguese installation will be a quarter the current cost of solar photovoltaic power and half the cost of the first wind power machines.

Each Pelamis 'snake' is made of four segments, hinged both horizontally and vertically, to permit sideways and up-and-down movement. Each segment in the P-750 will be similar in size and length to a train carriage. When it's bent and twisted by the waves, pistons force oil through hydraulic chambers connected via valves to give a smoothed flow that drives a dynamo generator.

The Pelamis snake is moored to keep it head-on into the waves. Survivability is vital so the design allows Pelamis to dive through storm waves that are ten times higher than the average waves (100 times more power). Efficiency is quite low, under 10%, but that is not so important when the waves off Atlantic facing coasts carry some 60kW per metre.


 

Picture from Ocean Power Delivery, whose website gives further information.

 



publicado por DD às 22:23
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 17 de Setembro de 2008
As Mentiras da Galp, BP, etc.

 

            A Galp mente descaradamente em conjunto com os seus parceiros de concertação no mercado dos combustíveis.

            A afirmação de que há outros factores que não a relação entre o preço da matéria- prima e o dos combustíveis é uma mentira pura da administração da Galp.

            Toda a gente sabe que o combustíve não é um produto de mão-de-obra intensiva e se fosse também não teria valor a afirmação do administrador da Galp pois não houve aumentos de ordenados dos seus funcionários.

            A cotação do dólar não é desculpa como não o foi quando a moeda americana descia e os combustíveis subiam nas bombas.

            As cotações do Euro em dólares tem sido as seguintes, segundo o Guianet:

            17 Dezembro 2007: 1 Euro = USD 1,4393

            17 Janeiro 2008: 1 Euro = USD 1,4691

            17 Setembro 2008: 1 Euro = USD 1,4267

 

            Por aqui se vê que o dólar estava ontem a apenas 1,2 cêntimos acima da cotação do dia 17 de Dezembro de 2007 ou seja, 0,85%. A Galp mente descaradamente com o pretexto da subida do dólar. É que estamos a comparar preços do barril de petróleo com os verificados no ano passado. Em Dezembro de 2007, o petróleo bruto andava pelo preço actual com um dólar quase ao mesmo preço que o de ontem.

            A  Galp tem uma posição monopolista em Portugal e a sua administração faz asneiras atrás de asneiras com investimentos gigantescos no Brasil e engana as pessoas com a descoberta de novas reservas de petróleo ao largo do Brasil. Esse petróleo está a grandes profundidades e a sua exploração arrisca-se a ser excessivamente cara e vai levar anos a conseguir extrai-lo.

            Impõe-se que o Estado volte a controlar o preço dos combustíveis.

            Claro que a Galp tem estado à vontade porque o mercado português, leia-se consumidores, reagiram pouco aos aumentos de preços com reduções de consumo. Deve ter havido alguma redução, mas parece ter sido quase insignificante.

            Se, efectivamente, os consumidores reduzirem drasticamente o consumo, a Galp não pode dixar de baixar os seus preços.

            A BP disse através do seu administrador que não compra petróleo bruto, mas sim combustíveis e tem adquirido a gasolina mais cara. É um atestado de total incompetência passado a si próprio, pois nunca um administrador ou chefe de compras vai comprar mais caro um produto cuja matéria prima desceu. Quem já negociou preços de compra em empresas sabe que ninguém se sujeita sem mais nem menos aos preços dos fornecedores quando há mercadoria suficiente no mercado e por isso o preço do "crude" desce. O homem julga que é a única pessoa a gerir seja o que for em Portual. A pessoa mais estúpida é, sem dúvida, aquela que pensa que os outros são estúpidos.

            A Galp funciona em concertação com as outras empresas petrolíferas, mesmo sem conversações ou acordos de cavalheiros. Basta que continue tudo como agora em que ninguém baixa os preços significativamente para se dizer que há uma concertção efectiva com diferenças de um a dois cêntimos para cima ou para baixo entre uma ou outra petrolífera. Quem enche um depósito com 35 litros, tanto faz pagar 35 ou 70 cêntimos a mais ou a menos. Há pois concertação real.

 

 

 



publicado por DD às 11:05
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 16 de Setembro de 2008
Ninguém Protesta por ser roubado pela Galp!

No passado dia 2 de Janeiro, a cotação do barril de petróleo ultrapassou os 100 dólares depois de ter há muito ultrapassado os custos de produção médios ou “oil break-even prices”, a partir dos quais todo o preço superior garante uma boa margem de lucro.

Esses preços estão aqui dados nas tabelas, salientando-se em particular o custo da produção a partir das areias betuminosas de Alberta no Canadá que estão a cerca de 33 dólares. O quadro seguinte mostra as margens de lucro então obtidas pelos diversos países produtores de petróleo.

Oil Break-Even Prices

Nation

US$/Barrel

Bahrain

40

Kuwait

17

Saudi Arabia

30

U.A.E.

25

Oman

40

Qatar

30

Canada's oil sands

33

 

Profitability at $100/barrel oil

Nation

Break-Even Price

Profitability

Kuwait

17

488%

U.A.E.

25

300%

Saudi Arabia

30

233%

Qatar

30

233%

Canada's oil sands

33

203%

Bahrain

40

150%

Oman

40

150%

 

Ainda com o barril a menos de 100 dólares, os países do Golfo investiram largamento em activos ocidentais. Assim, o Abu Dhabi colocou 7,5 mil milhões de dólares no Citibank, resolvendo de momento as dificuldades daquele gigantesco banco.

O pequeno Qatar tinha comprado 20% da Bolsa de Londres e a Gulf Cooperation Council (GCC) anunciava que os activos financeiros colocados entre 2002-2006 excederam o bilião de dólares (milhão de milhão). Em 2007, voltaram a investir pesadamente, principalmente naquilo que lhe parecia ser o negócio mais lucrativo, a banca e as seguradoras americanas. Pelos vistos erraram o alvo e perderam muito dos ganhos excessivos dos últimos meses.

Vai acontecer com a Galp, Repsol e outras algo de semelhante. Muito querem e muito podem perder. Basta os automobilistas reduzirem para metade o seu consumo. Foi o que terá acontecido em parte e daí o barril ter passado dos 100 dólares a 2 de Janeiro para os 147 a 15 de Julho e estar agora a 90/91 dólares, tendo chegado a descer para os 89 no mercado de Londres durante o dia de hoje.

Curiosamente, agora, na altura em que os consumidores estão a ser indecentemente ROUBADOS pela GALP e sócios de oligopólio, ninguém protesta. Nem Partidos da oposição e, menos ainda, as associações patronais, sindicatos, pescadores, camionistas, taxistas, etc. O economista comunista Rosa fartou-se de escrever no seu blog que o petróleo bruto não tinha subido tanto quanto os combustíveis quando na verdade subiu até um pouco mais em termos percentuais. Quem compra a 10 não pode vender a 8, mas quem compra a 5 lucra muito se vender a 8.

Quando o preço subiu astronomicamente, pretendeu-se que era devido ao Governo ou às empresas distribuidoras em Portugal quando nem era. Mas, agora com a queda, o ROUBO é evidente porque gasolinas e gasóleos praticamente não desceram.

 



publicado por DD às 23:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 15 de Setembro de 2008
Falência de 100 milhões de pensionistas e futuros reformados nos EUA

 

            Os incobráveis das três gigantescas e falidas instituições bancárias norte-americanas Lehmann Brothers, Fannie May e Freddie Mac atingem o valor astronómico de 4.000 mil milhões de euros, equivalente a mais de 22 Pibs portugueses.

            O Governo Bush “nacionalizou” os prejuízos dos dois bancos hipotecários Fanie e Freddie, protelando o pagamento dos incobráveis ao longo de umas dezenas de anos, dado que mesmo para a nação mais rica do Mundo o valor é imenso. Quanto ao Lehmann Brothhers não vai actuar e não foi possível organizar sindicatos bancários salvadores, mesmo juntando dezenas de bancos americanos com outros tantos europeus, já que há aí muito dinheiro oriundo do velho continente.

            Alguns bancos estão a tremer, mas alguns dos mais retalhistas foram vendidos por valores ínfimos com a consequência de os seus accionistas terem perdido quase todo o capital investido.

            Em todo este esquema, o grupo investidor mais prejudicado foi, sem dúvida, o constituído pelos Fundos de Pensões. Calcula-se que esta crise tenha afectado gravemente as actuais pensões de reformas e os depósitos para reformas futuras de mais de 100 milhões de americanos. Um número ainda não calculado de pensionistas deixou de receber pensões e entrou na mais profunda indigência e muitos outros perderam a totalidade dos seus fundos. 

            Esta crise patenteia mais uma vez como estão errados os liberais do PSD que querem privatizar o sistema de reformas públicas da Segurança Social portuguesa..

            Não se pode confiar na competência e honestidade dos grandes administradores das instituições bancárias privadas e os accionistas não têm grande influência por os capitais estarem muito dispersos.

            Enfim, o desastre social americano é gigantesco e hoje, nos EUA, ninguém confia em ninguém e a falta de confiança é o fim de um modelo puramente capitalista, pois o retorno da confiança levará muitos anos a chegar com valores tão elevados.

            Em Portugal, não tenhamos dúvidas, aqueles que defendiam a privatização do sistema de reformas, faziam-no para satisfazer interesses imediatos dos bancos e dos seus administradores, naturalmente a troco de importantes benefícios. São simplesmente corruptos ou, mesmo, ladrões.

 



publicado por DD às 15:37
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 14 de Setembro de 2008
Galp, Repsol, etc. andam a roubar-nos cada vez mais.

 

           

 

 

            No passado dia 30 de Julho atestei o depósito do meu carro com gasolina 95 a 1,473. Ontem, fiz o mesmo com a 95 a 1,458.

            A gasolina desceu 1,02%, mas o petróleo bruto passou de 125 dólares para os actuais 99, ou seja quebrou em 20,8%.

            Um administrador da Galp disse em entrevista ao Expresso de há tempos que a sua empresa pagava o petróleo quase ao dia, isto é, comprava cerca de 300 mil barris diários que estariam nos depósitos de Sines à consignação e que seriam refinados muito rapidamente, passando de imediato à distribuição. Essa argumentação serviu para explicar as subidas quase diárias dos combustíveis quando o barril subia, mas já não serve para a descida.

            Estamos francamente perante uma empresa de má fé que deve estar a tirar-nos das carteiras fortunas fabulosas. Claro, é acompanhada pela Repsol e todas as outras, mais cêntimo menos cêntimo.

            A reacção não pode deixar de ser a greve máxima ao consumo. Poupai na utilização das viaturas, dai a preferência aos meios de transporte colectivo, evitai passeatas desnecessárias e idas aos super distantes, dai a preferência ao café e à loja de proximidade, na medida do possível.

            Segundo a revista “Der Spiegel”, a chamada recessão alemã tem a ver com uma retracção no consumo interno. As pessoas reduziram o uso dos carros e a sua substituição por novos e encolheram-se nas compras nos supermercados. O mesmo tem acontecido nos EUA.

            Em Portugal, a moderação no consumo tem uma importância vital porque é quase tudo importado, a começar pelo petróleo bruto e por muito mais de metade dos produtos que adquirimos nos supermercados e centros comerciais. Há quem importe pão em massa congelada e já formada em baguetes, etc. para levar ao micro-ondas. Não devemos esquecer que o nosso principal problema enquanto cidadãos é vivermos num país com uma balança de transacções correntes e monetária altamente deficitária. Não se trata aqui de uma estatística, mas de algo que no afecta pessoalmente qualquer que seja a nossa ocupação e posição no mercado de trabalho.

            Claro que a referida moderação implica um menor aumento do PIB, mas desde que se trata de consumir menos produtos supérfluos, a sua implicação é mais positiva que negativa. Os produtos importados geram o PIB da sua comercialização e distribuição que pode chegar a mais do que o do seu fabrico quando se tratarem de artigos baratos.

            Há estudos que mostram que muito do que se compra nos supermercados dos países ricos acaba no caixote de lixo. As pessoas são tentadas a comprar aquilo que não precisam e depois não consomem tudo em casa. Temos pois de saber consumir apenas o que necessitamos e não esquecer que podemos viver com menos comida, já que somos um dos países da Europa com maior número de pré-obesos e obesos. E ter peso a mais significa viver menos, correndo mais riscos de enfartes, tromboses, etc.

 



publicado por DD às 22:03
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 12 de Setembro de 2008
O Patriotismo de Pacheco Pereira

 

O “douto” Pacheco Pereira acusa o governo português na revista “Sábado” de subserviência relativamente aos assuntos internos de uma nação independente como é Angola.

            Para ele  as recentes eleições angolanas não terão sido suficientemente democráticas e acha que “o tom louvaminheiro e acrítico com que falamos de Angola contrasta com tudo o que as organizações internacionais que acompanham os direitos humanos ….”, dizem.

            Pacheco Pereira não reparou que Angola não é uma colónia portuguesa, pelo que não compete aos portugueses e, principalmente, aos que têm responsabilidades governativas dizer o que os angolanos ou o governo daquele país deve ou não fazer em termos de eleições. E não percebeu que atitudes muito críticas não levam a nada, pois Angola não precisa de Portugal e o nosso país pode estar ainda pior se andar armado em cavaleiro andante da democracia no Mundo.

 Com as suas críticas, Pacheco desmascara-se como o típico oposicionista para quem tudo o que for mau para Portugal é bom para a oposição. Assim, as boas relações económicas com Angola, as exportações para aquela grande nação africana, os investimentos que os portugueses fazem em Angola e os angolanos em Portugal é mau porque fortalecem a economia nacional e de Angola.

            O problema mais grave de Portugal é, sem dúvida, o gigantesco défice da sua balança comercial e inerentemente da respectiva balança de pagamentos associado ao endividamento externo que não é do estado, mas de particulares, o que não deixa de provocar um diferencial apreciável para baixo entre o valor do PIB e do Rendimento Nacional Bruto, anteriormente denominado Produto Nacional Bruto.

            Perante isso, o governo português faz aquilo que Cavaco não fez como PM, incentiva as exportações e relações externas e, tal como fazem todos os países democráticos da Europa, não se preocupa em meter-se na política interna e não tem de avaliar o grau de democraticidade de países como a Rússia, a China, a Venezuela, Angola, Moçambique, Líbia, etc., etc.

            Enquanto oposição, o PSD tem criticado os referidos défices que, de resto, vêm de longe, incluindo dos muitos anos em que o PSD ocupou as cadeiras do poder. Mas, ao criticar os défices, não se pode criticar toda e qualquer política destinada a resolver o problema, aumentando as nossas exportações.

            Será que Pacheco sabe se os alemães, franceses, italianos, espanhóis, etc. só exportam para países exemplarmente democráticos.

            A posição crítica de Pacheco só tem cabimento num esquema de pensamento em que não prevê qualquer vitória eleitoral do PSD nos próximos cinco anos ou mais. Porque se admitisse isso, sabia que a questão dos défices é vital ou mortal para quem queira governar o País depois das eleições de 2009 e igualmente depois das de 2013.

            Pacheco fala por falar. Não tem muito para dizer e larga bosta pela boca fora para arrebanhar uns euros à revista Sábado que tem como linha editorial que tudo o que estiver mal agora é culpa do Governo PS e é bom para a oposição. O que serve Portugal, independentemente dos partidos, não interessa.

 

 



publicado por DD às 20:36
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008
Afinal, a Bolha Petrolífera está mesmo a rebentar

 

            Afinal, a bolha petrolífera está mesmo a rebentar. O preço do barril de Brent em Londres desceu abaixo dos 100 dólares, continuando a ter preços oscilantes, mas é nítida a tendência para baixo e podemos afirmar que desde o preço máximo de 147 dólares o barril perdeu bem 30% do seu valor. Isto deve-se ao facto de haver petróleo a mais no mercado mundial, o que, por sua vez, é consequência de uma redução de consumo mundial no consumo.

            Os governos fizeram como o Governo português, não reduziram os impostos sobre os combustíveis, não subsidiaram os gasóleos e deixaram que as pessoas, enquanto privados ou agentes económicos, reagissem à alta de preços. O consumo de combustíveis nos EUA sofreu uma redução que levou a uma quebra de quase 900 mil barris diários de um consumo da ordem dos 4 milhões e qualquer coisa, apesar do litro de gasolina ainda estar a um dólar, portanto muito menos que o preço praticado na Europa e noutras regiões do Mundo.

            Curiosamente, o preço do barril desce apesar dos furacões em série no Golfo do México que levaram já a paragens na produção das plataformas petrolíferas da região e não se perturbou com os acontecimentos bélicos no Cáucaso nem com a decisão da OPEP em baixar a produção mundial em 500.000 barris diários, o que não é significativo, pois repreenta uns 0,6% do consmo mundial, logo menos do que as poupanças feitas pelos consumidores.

            É de esperar, contudo, que não haja uma paragem na procura de soluções alternativas, tanto a nível de viaturas eléctricas, híbridas ou não, como de produção de energia eléctrica a partir de outras energias. Assim, foi ontem inaugurada na Alemanha a primeira central térmica a carvão quase sem emissão de CO2, utilizando o sistema CSC de sequestro do dióxido de carbono para armazenagem em depósitos subterrâneos vazios como aquíferos utilizados, jazidas de gás natural ou petróleo esgotadas ou certos sistemas geológicos porosos. A Central da empresa alemã Vattenfall é de 30 MW e tem um carácter experimental, mas permite colocar a indústria alemã à frente de uma nova tecnologia de produção de electricidade a partir de uma matéria-prima que existe em grande abundância no planeta, o carvão.

            A queima dos carvão no sistema CSC utiliza o oxigénio puro em vez do ar e torna a produção mais cara, ou seja, fica na Alemanha a cerca de 7 cêntimos por Kw/h m vez de 4 ou 5, mas se for considerado no futuro um custo a pagar pela emissão de CO2 de 40 euros por tonelada, é bem possível que venda a corresponder a um ou dois cêntimos por Kw/h, o que vai equilibrar as contas.

            Para os alemães, o principal é repetir o êxito obtido com as eólicas que deram origem a uma vasta indústria com exportações para todo o Mundo. Há países que têm empresas que querem avançar na técnica e outros com grandes grupos energéticos que esperam para comprarem apenas as tecnologias desenvolvidas por outros.

            Claro está, na Alemanha, os ecologistas estão contra o carvão limpo e até falam na falta de rentabilidade do mesmo quando noutras circunstâncias defendem taxas ecológicas na electricidade e nos combustíveis. É evidente, não há avanço sem custos e o desenvolvimento tem trazido sempre reduções de custos com as produções em série e o melhoramento das tecnologias a utilizar.

            Não se pode, contudo, de deixar aqui a mensagem essencial. Mesmo que os combustíveis venham a descer bastante, o consumidor deve manter um espírito de poupança e é falsa a ideia de que o crescimento económico deve crescer com base no consumo privado. Quem tem necessidades satisfeitas deve poupar para evitar o crescimento dos preços e proporcionar um melhor nível de consumo dos mais necessitados. Além de que a questão do ambiente e do aquecimento global só pode ser agravada com combustíveis mais baratos.

 



publicado por DD às 00:28
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 4 de Setembro de 2008
A Máfia das Gasolineiras e Bancos

 

 

A ganância e cupidez da Galp e das outras gasolineiras é inimaginável. Quando os preços do barril subiam, a Galp aumentava imediatamente os preços dos combustíveis. Agora que desceram para valores inferiores aos de Maio passado, estando 40 dólares menos que o máximo atingido em Julho, o pior do capitalismo não desce os preços.

            O curioso é que um dos dirigentes máximos da Galp falou hoje na televisão e quis fazer de todos os tele-espectadores estúpidos quando é ele o grande estúpido ou antes o grande ladrão. O homem falou na inflação e disse que, apesar da queda do preço do petróleo bruto, há outros factores que provocam aumentos de custos na refinação da ordem dos dois dígitos e até falou no preço do aço. Mas, o aço não entra na gasolina e esta é é refinada em refinarias há muito existentes que carecem de pequenas manutenções constantes com um consumo de aço ínfímo em relação ao total. Por outro lado, não consta que a Galp tenha aumentado, desde Maio passado, os ordenados dos seus trabalhadores nem introduzido quaisquer regalias especiais. É mentira, a inflação referida pelo administrador da Galp. O homem é ladrão e mentiroso.

            Quando os preços do “crude” subiam, um administrador da Galp disse ao Expresso que a empresa pagava o petróleo bruto diariamente quando entravam 300 mil barris para refinação, os quais passados uns dias estavam na distribuição. E agora? Como é? Continua a ser assim? Porque razão a gasolina 95 não desce mais?

            Os administradores da Galp estão a mangar com o povo. A única reacção é, efectivamente, não meter combustíveis nas bombas da Galp nem das outras gasolineiras. A primeira que baixar mesmo os preços deverá ter a preferência dos consumidores, mas o melhor para a economia privada de cada um, como para a economia nacional e para o ambiente é utilizar o menos possível as viaturas e sempre que possível utilizar o metro ou outros transportes colectivos.

            Enfim, porque não há de haver assaltos a bancos e às gasolineiras quando essa gente toda anda a roubar-nos cada vez que metemos gasolina ou fazemos qualquer transacção bancária.

            Os bancos roubam cada vez mais, debitando tudo e mais alguma coisa. Levam dinheiro por transferências de salários, pagamentos do estrangeiro, gestão de conta, etc. São a mais completa gatunagem, roubam muito, mas muito mais, do que os assaltantes.

            O capitalismo bancário e gasolineiro passou a ser uma Máfia criminosa de assalto aos consumidores. Os assaltantes, são uns pequenos peões que quase não fazem mal a ninguém, só vão buscar aquilo que foi roubado ou está a ser roubado pelos bancos e gasolineiras.

            Isto entende-se enquanto opinião política e económica baseada em factos verídicos e nas liberdades defendidas para Constituição. Ladrão é quem rouba e a Galp e as outras gasolineiras roubam. Ladrão não é o consumidor indignado que é obrigado a pagar imposto às Máfias capitalistas.

 

 

 

 



publicado por DD às 22:27
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2008
Estará a "Bolha Petrolífera" a rebentar?

 

            É espantoso que o barril de petróleo tenha descido hoje para 111,18     dólares, no momento em que escrevo, apesar do tufão Gustavo ter levado ao fecho das plataformas petrolíferas americanas do Golfo do México e estar outro em formação. Além disso, os acontecimentos na Geórgia não tiveram grande influência, mesmo com as forças russas em cima dos dois oleodutos que atravessam a pequeníssima República caucasiana com apenas 51 mil quilómetros quadrados. Esses oleodutos trazem o petróleo do Azerbeijão (Baku no Mar Cáspio) para a costa mediterrânica da Turquia e para o Mar Negro. Mesmo assim, as cotações do “crude” não param de descer, estando agora mais barato em cerca de 35 dólares relativamente ao seu máximo de há pouco mais de um mês.

            Segundo a revista “Der Spiegel”, o grande contributo para a queda do preço do barril foi dado por uma redução mundial no consumo com particular incidência nos EUA, cujo consumo diário sofreu uma quebra de quase 900 mil barris. Saliente-se que os americanos gastavam mais de 4 milhões de barris por dia. Esta redução de consumo nos EUA foi realizada pela população sem que a Administração Bush tenha tomado qualquer medida, tanto no sentido de economia de combustível como no incitamento ao desenvolvimento de alternativas energéticas, o que não deixa de nos admirar quando se fala de um país que tem projectos armamentistas que ultrapassam todas as despesas militares do resto do Mundo junto e toda a gente sabe que a dependência do petróleo representa uma grave lacuna na própria defesa dos EUA e, mesmo, na sua independência como grande nação industrial e militar.  Recordemos as palavras de Eisenhower depois do Dia D, “dêem-me combustível suficiente e em quatro semanas liberto a França e conquisto a Alemanha”. Os aliados levaram quase um ano a derrotarem uma Alemanha literalmente destruída de ponta a ponta porque o abastecimento em combustível não acompanhava as necessidades das suas forças; não por falta do mesmo, mas por falta de oleodutos e meios de transporte até à frente de batalha.

             Parece pois que a "bolha petrolífera" está mesmo a rebentar.

             Todos nós, automobilistas, deveremos continuar a poupar nos combustíveis. Utilizar a viatura só quando for necessária. Os economistas chamam "crise" a isso por implicar menos importações de combustíveis e menor desgaste dos carros com a inerente redução das respectivas vendas. Os economistas teimam em chamar a qualquer redução "crise", mas será mesmo crise não consumir tanto aquilo que até já não é tão necessário para muitas pessoas?

 

Texto de Dieter Dellinger

 

Adenda de 2 de Setembro de 2008

A "bolha" continua a rebentar com o barril a 106 dólares, o que representa uma queda de mais de 40 dólares desde meados de Julho passado.

As previsões a um ano, na base do qual eram negociados os futuros, estiveram já a mais de 200 dólares e estão hoje a 122 dólares e tudo indica que deçam muito mais.

Em compensação, a Toyota revelou uma gigantesca queda nos seus lucros e o falhanço completo da sua aposta nos SUV e carros de todo-o-terreno nos EUA, para os quais tinha instalado duas grandes fábricas que estão paradas, devendo uma passar a fabricar pequenas viaturas híbridas e eléctricas, mas vai levar mais de um ano até chegarem à produção em série.

Verdadeiramente, nos países adiantados com boas estradas por toda a parte, as viaturas de todo-o-terreno não são necessárias e pesam uma brutalidade.

 

 



publicado por DD às 22:06
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
29

30


posts recentes

Dívida Pública: Acordo BE...

Suicídio da Europa segund...

Marcelo Condecora Soares ...

Comissária Desconhecida q...

Produção de Automóveis

Défice de 2%

IMPOSTOS

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds