Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Domingo, 27 de Janeiro de 2013
As Obras "Megalómanas" do Sócrates

 

 

Um indivíduo altamente endividado resolve pagar as suas dívidas, deitando-se numa cama, gastando o menos possível, quer em comida ou água para se lavar, roupa, tratamentos médicos, medicamentos, etc. Com um rendimento mínimo consegue pagar e mal uma parte dos juros da dívida, acabando ainda mais endividado.

 

É assim, a política aplicada a Portugal pelo Governo Passo/Gaspar.

 

Hoje, sabemos que as receitas dos impostos em 2012 sofreram uma quebra de 600 ou mais milhões de euros e as despesas não desceram muito porque 380 mil desempregados estão a receber subsídios de desemprego, outros tantos estão sem receber nem pagar algo e muitos mais não estão inscritos dos Centros de Desemprego e procuram um primeiro emprego ou fazem parte dos 200 mil jovens que emigraram, deixando para trás as despesas feitas com a escolaridade e os cursos que tiraram.

 

 Temos assim mais de um milhão de pessoas pertencentes à população ativa sem trabalho aos quais se acrescem 2,58 milhões de reformados. Em 2010, o custo das reformas foi de 12,2% do PIB e mais de 25% da receita do Estado. Em 2012 deve ter sido bastante mais porque o PIB desceu e o número de reformados aumentou.

 

O governo mandou o FMI dizer que os reformados recebem muito, pelo que se devem cortar as reformas em, pelo menos, 20%. Contudo, os 250 mil pensionistas do setor público recebem uma média de 1263 euros mensais; os 2,55 milhões de reformados do setor privado contentam-se com uma média de 482 euros mensais na pensão de velhice e de 399 euros na pensão de invalidez. A média global per capita de todos os reformados é ligeiramente superior a 500 euros mensais, o que não dá para grandes cortes. No regime da segurança social (setor privado) 85% auferem de pensões inferiores a 500 euros e 94,3% não ultrapassam os 1.000 euros mensais. As reformas baixas têm muito a ver com a saída do trabalho antes dos 65 anos de idade, sendo que no setor privado a reforma foi um modo de ir para o desemprego sem entrar na respetiva estatística e no Estado foi para o Governo se livrar de pessoal excedentário.

 

O custo direto para o Estado em termos de baixa de receitas, desemprego e pré-reformas deve ser da ordem dos 1,5 a 2 mil milhões de euros.

Quer isto dizer que se as obras “megalómanas” do Sócrates estivessem em pleno curso com o prometido apoio de 60% da União Europeia e eventuais investimentos privados, o País tinha menos desemprego e o Estado mais receita e menos despesa.

 

Construir o TGV, o novo aeroporto e terceira ponte implicaria um enorme movimento de pessoas a trabalhar, um grande consumo de cimento da Cimpor e ferro da Siderurgia, além de muitos outros materiais e sabia-se que havia esforços do Governo Sócrates para reativar a Sorefame e fazer com que os comboios TGV fossem lá fabricados no todo ou em parte, utilizando transformadores e motores elétricos da Efacec. Também havia um apoio previsto de 50% da EU para a construção de nove navios patrulha nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo que o atual governo não quis para não gastar os outros 50%.

 

Em todas as obras e fabricos, o Estado vai buscar mais de 50% nos 34,75% da TSU, no IRS, IVA, IRC, Imposto sobre combustíveis e sobre veículos, etc. Repare-se que o IVA é um imposto sobre o trabalho e o lucro patronal pois isso é que forma o valor acrescentado em todas as fases de qualquer fabrico ou transação.

 

A linha do TGV tinha a importância de ter uma bitola europeia e permitir a exportação de produtos portugueses para toda a Europa, utilizando um meio de transporte quase tão barato como o navio, mas muito mais rápido.

A Passos Coelho e Vitor Gaspar faltou aquilo que Sócrates tinha em quantidade suficiente, CORAGEM com letras grandes e Capacidade de Liderança. Sem isso, Portugal afunda-se lentamente. Cada ano será pior que o anterior e cá vamos até que a morte nos chame.



publicado por DD às 18:19
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2013
Recuo Civilizacional

 

 

 

A morte na Índia de uma rapariga violada por um bando de energúmenos hindus num autocarro veio colocar a nu um dos grande problemas da Índia, do Mundo Muçulmano e do Continente Africano, o da sistemática violação de raparigas sem que alguém as socorra e geralmente nem reportadas às autoridades por se saber que estas não ligam ao assunto.

 

No Egito, tornou-se hábito, principalmente no Cairo, as mulheres serem atacadas e maltratadas, mesmo quando circulam tapadas com véus e longas vestes. Não é aconselhável que casais ou famílias com raparigas se desloquem hoje ao Egito em viagens turísticas. Aí, o fundamentalismo islâmico arroga-se o direito de maltratar qualquer pessoa do sexo feminino.

 

Na Europa católica, o papado teima em não aceitar o casamento dos padres e, menos ainda, o exercício de funções sacerdotais por parte de mulheres. Preferem os escândalos de pedofilia a uma abertura à igualdade à mulher que, no caso, português até é obrigação constitucional. De alguma forma, a Igreja Católica em Portugal é uma associação anti-constitucional.

 

Há uns anos atrás assisti a uma missa de finados de uma familiar e não me senti nada incomodado de ter sido celebrada por uma mulher e pareceu-me que as pastoras evangélicas alemãs são mais atenciosas que os padres católicos portugueses e devem ter um melhor sentido da família e do exemplo. Para as crianças não tenhamos dúvidas, as pastoras serão sempre umas quase segundas mães, o que não acontece na Igreja Católica, principalmente desde que se instalou a suspeita de pedofilia, mesmo que maioritariamente infundada, na minha opinião.

A ascensão dos fundamentalismos árabes e a guerra travada na Nigéria, Egito e outros países contra os cristãos aliada ao tirânico fundamentalismo financeiro da Europa e EUA e à crescente exploração e utilização de trabalho infantil e adulto extremamente mal pago em mais de metade do planeta permitem concluir que estamos perante um grave recuo civilizacional.

 

A civilização assente na democracia e na solidariedade com reconhecimento da igualdade de géneros, etnias, religiões, etc. está nitidamente a recuar. Os bancos são casas de malfeitoria e os seus crimes são pagos pelos contribuintes de muitos países que estão a ser vítimas de uma verdadeira guerra financeira para proletarizar as classes médias e alargar o número de pobres, tornando todos ainda mais pobres.

 

Os deputados da maioria na AR em risotas alarves chumbaram hoje o aumento do salário mínimo em cerca de um euro por dia quando até um dirigente da Confederação do Comércio disse num canal televisivo que o comércio está de acordo em aumentar para já o salário mínimo para 500 euros e depois para um pouco mais. Curiosamente, os sindicatos do setor metalomecânico acordaram com o patronato os tais 500 euros como mínimo e há um número elevado de patrões que já pagam 500 e mais euros. No fim do governo Guterres recordo que um estudo da Universidade de Coimbra dizia que menos de 2% dos trabalhadores auferiam então o salário mínimo. Hoje, devem ser mais, mas não tantos assim que a economia não suporte um euro mais por dia pelos trabalhadores mais mal pagos com o inerente e pequeno aumento do poder de compra. Sim, com 30 euros mais por mês podem comprar-se mais umas batatitas ou umas maçãs, mas artigos caros de importação.

 



publicado por DD às 23:28
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
29

30


posts recentes

Dívida Pública: Acordo BE...

Suicídio da Europa segund...

Marcelo Condecora Soares ...

Comissária Desconhecida q...

Produção de Automóveis

Défice de 2%

IMPOSTOS

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds