Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Sábado, 30 de Março de 2013
Dieter Dellinger: A Loucura da Dinastia Norte Coreana

 

 

A declaração de Estado de Guerra por parte da dinastia comunista Kim contra a Coreia do Sul e EUA é um ato de loucura tremendo e nunca visto na história da Humanidade, pois, com bombas atómicas ou sem elas, a pequena Coreia do Norte com 122 mil km2 e 24,3 milhões de habitantes acabaria arrasada. O presidente protocolar Kim Yong, neto do ainda presidente oficial Kim Il Sung e fundador da dinastia comunista, falecido em 1994, declarou que o seu exército poderia reunificar as duas Coreias em três dias, quer dizer, invadir e ocupar o sul neste curto espaço de tempo.

A Coreia do Norte é o único país do Mundo que tem oficialmente um presidente morto e um presidente denominado protocolar que representa para o povo um clone do falecido há quase vinte anos.

Claro que a declaração de guerra se trata de uma bravata de uma clique comunista estalinista de loucos sem consequências porque ninguém ligou verdadeiramente ao que diz a monarquia comunista.

Eles possuem algumas bombas A e mísseis de alcance suficiente para destruir a Coreia do Sul e, eventualmente, algumas bases americanas, mas é pouco provável que o Mundo e, principalmente, os vizinhos autorizem qualquer ataque. Além disso, não possuem um exército suficientemente forte para conquistar a Coreia do Sul em três dias.

A situação militar é hoje diferente da que se verificou em 1950 quando a Coreia do Norte atacou o sul e quase o conquistou para ver os americanos desembarcarem a sul da fronteira entre as duas Coreis, conquistarem Seul e quase cercarem as tropas do Norte que se retiraram precipitadamente para o seu país. Os aliados conseguiram conquistar grande parte da Coreia do Norte, mas a intervenção da China enviando milhões de soldados mal armados que davam um trabalho imenso a derrotar levou à assinatura de um armistício provisório que ainda dura hoje. Os EUA não queriam uma guerra aberta com a China dado que nada viam lá para buscar e não estavam dispostos a ocupar um país gigantesco que não temiam.

Hoje, a China não está disposta a entrar em qualquer guerra porque depende cada vez mais das exportações para os EUA, Europa, etc. que se colocariam sempre ao lado da Coreia do Sul, sabendo-se que a presidente Hye nunca pensaria em atacar seja quem for. Mas, um ataque nuclear da Coreia do Norte levaria a uma aliança imediata da Coreia do Sul, Japão e EUA que são três potências contra as quais os chineses nada poderão fazer e das quais dependem em muitos aspetos da sua indústria e economia em geral.

Por outro lado, a técnica militar é diferente. A Coreia do Sul e os EUA possuem mísseis que dirigidos por GPS podem eliminar todas as instalações militares e nucleares da Coreia do Norte com explosivos convencionais. Recentemente, os EUA enviaram um bombardeiro furtivo B-2 Spirit do Missouri que voo até a um terreno de manobras militares da Coreia do Sul onde lançou com uma precisão absoluta um conjunto de bombas simuladas sem explosivos. Os aviões voaram mais de 10 mil km na viagem de ida e volta sem poisarem em qualquer base e sem serem detetados pelos radares.

Os EUA só podem ser vencidos de dois modos: por via de uma potência que destrua previamente o sistema de satélites GPS militar e civil e possua forças no terreno equivalentes ou pela ação de guerrilha após a conquista pelos americanos de um dado espaço geográfico importante e com muitos habitantes, coisa que os americanos já não querem fazer mais. Eles adoram bombardear a grande distância com precisão.



publicado por DD às 22:51
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 29 de Março de 2013
Sócrates Escutado?

No canal por cabo ETV (Economia) que não sei a quem pertence, um tal Vassalo de nome e de não sei quem fez um ataque cerrado a Sócrates, referindo principalmente o fato de a economia em 12 anos ter crescido a uma média de 0,5% ao ano, esquecendo que Sócrates governou 6 anos e que só a partir da crise de 2008 é que as condições pioraram. Mas, o homem não referiu a queda do PIB em 2011 e, principalmente em 2012 que foi de 3,2%, havendo previsões para uma nova queda este ano que uns dizem ser de 2,2%, mas que toda a gente acredita que a queda será ainda maior que em 2012. Tudo indica que o atual governo vai provocar em três anos uma queda de uns 7 a 8% ou mais, o que é bem diferente do que crescer a 0,5% ao ano.

 

A política de Sócrates foi a de preparar o País para o desenvolvimento futuro com infraestruturas, recuperação de um secular atraso na instrução e preparação técnica e científica e criação de novas oportunidades de conhecimento para os mais adultos e avançados em idade que não tiveram acesso ao ensino na sua juventude. Estas políticas preparatórias não fazem crescer o PIB no imediato, mas deveriam dar um resultado positivo e não deram como também não deram após a política de regeneração de Fontes Pereira de Melo e progressista do partido do Duque de Loulé que dotou o País de caminhos-de-ferro, instalou escolas e institutos industriais e comerciais, escolas de engenharia superior, laboratórios de investigação sanitária, hospitais, etc.

 

Nos dois casos, parece que o Portugal ficou só a olhar para os comboios e para as autoestradas.

Quem conhecia mesmo o País foi o Marquês de Pombal que fundou empresas e colocou o Estado a empreender. A desgraça para Portugal foi que a nobreza em torno de D. Maria I fez tudo para anular a política do marquês em vez de lhe dar seguimento, A partir daí o Estado começou por ser apenas um parasita a dar concessões a troco de uns cobres e depois no Século IX passou a liberal, julgando que a partir de condições apropriadas apareceriam os empresários para investir.  Com Salazar voltou-se ao modelo de concessões ou condicionalismo económico sem grandes resultados e agora ao liberalismo com base em condições de base adequadas, mas com o defeito de terem sido caras e só podem ser pagas se houver empreendedores que não sejam apenas merceeiros como o Santos e o Belmiro. Com grandes mercearias não vamos a nenhum lado.

 

Claro, os portugueses têm a desculpa de o desenvolvimento dos outros países se ter baseado em condições naturais ou na vontade de fazer guerra.

 

Ao ouvir Cavaco antes de Sócrates falar, parece que o PR respondeu à letra antes da entrevista dada por Sócrates. Um jornal disse que o ex-PM falou com vários dos seus ex-colaboradores e que terá discutido com eles aquilo que iria dizer. Aparentemente Cavaco terá tido conhecimento dessas conversas e tudo me leva a crer que os telefones de Sócrates e dos seus antigos colaboradores estão sob escuta e foi por isso que o Anibal disse que nenhuma intriga política e não sei o que mais acresce um cêntimo à economia nacional.



publicado por DD às 23:39
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 19 de Março de 2013
Novo Partido Alemão contra o Euro

 

 

No passado dia 6 de Fevereiro foi fundado em Frankfurt o partido “Alternativa para a Alemanha” que pretende concorrer às eleições de Setembro com o grande objetivo de retirar a Alemanha do Euro e introduzir de novo o Marco Alemão.

 

Os seus dirigentes provisórios pretendem que não se trata de um partido da extrema-direita, mas a imprensa vê nas principais figuras precisamente pessoas desse quadrante político ou das alas mais à direita do Partido Liberal e da Democracia Cristã.

Foi assim que nasceu o Partido Nazi que começou por ser apenas o Partido Alemão. Não digo que seja a mesma coisa, mas a essência do novo partido está em ser contra o resto da Europa como foi o nazismo.

 

Não é muito provável que o novo partido venha a ganhar as próximas eleições legislativas, mas pode adquirir uma percentagem suscetível de influenciar quem governe. O futuro parlamento federal alemão pode ser mais multicolorido com os piratas, o referido novo partido, cuja cor desconheço, os verdes mais fortes, o SPD ligeiramente mais à frente e os dois partidos da Merkel vencedores sem maioria e, provavelmente, sem formarem uma maioria como a atual com o Partido Liberal.

 

Enfim, por mais que se leiam os jornais alemães na Net muito se discute, mas ninguém fala em emissão de moeda apesar da inflação negativa. Parte do dinheiro desapareceu dos bancos cipriotas e de muitos de outros países foi porque as aplicações perderam os seus valores. Neste momento há uma corrida às caixas multibanco cipriotas e admite-se que em breve se esgotem as notas, pelo que os ingleses estão a transportar notas de euros de avião para Chipre e o BCE também se vê obrigado a fazer o mesmo.

 



publicado por DD às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Março de 2013
A Dívida Direta do Estado não Para de Aumentar

 

31.12.2011 – dívida = 174.895 milhões de euros

 

31.12.2012 – dívida = 194.519 milhões de euros

 

31.01.2013 – dívida = 199.411 milhões de euros

 

Num único mês, a dívida aumentou quase 5 mil milhões de euros, apesar dos cortes em tudo, incluindo obras públicas, reformas, salários da função pública, etc.

 

A culpa está nos juros de usura exigidos pelos credores dos mercados.



publicado por DD às 22:32
link do post | comentar | favorito
|

Dieter Dellinger: Cumpre-se a Profecia de Krugmann

Miguel Sousa Tavares disse hoje na SIC que o Eurogrupo exige dos depositantes nos bancos cipriotas uma quantia quase igual à do perdão da dívida grega por parte da banca de Chipre, ou seja, quase 5 mil milhões de euros.

Na minha opinião é inacreditável e pela leitura dos jornais alemães da Net, o ministro dos Negócios Alemães, o liberal Westerwelle, não está de acordo e o ministro das Finanças Schäuble está contra a aplicação do confisco às pequenas poupanças e disse que a ideia não partiu da Alemanha. Só a louca de Berlim, a Merkel, é que quer o assalto aos cipriotas.

Não há palavras para definir a decisão do Eurogrupo e como puderam 17 países aprovar tal confisco que está já a pôr em causa todo o sistema bancário da Zona Euro. É óbvio que fazer isto num país significa que pode ser feito em qualquer outro, nomeadamente em Portugal. Para além de se estar a destruir a economia europeia pretende-se também o suicídio bancário. Parece que para a louca de Berlim a divisa é “antes a morte que a emissão de moeda”.

Mas, já não podemos culpar apenas a Merkel. Temos de perguntar o que fazem os outros e o Hollande, o Rajoy e até o Passos? No fundo, quase todos os países europeus exceto a Alemanha, a Finlândia e, talvez, a Holanda, começam a estar aflitos e estão a ver como param as coisas. Aparentemente parece que querem assistir a um grande desastre para conseguirem resolver os seus problemas.

Enfim, confirma-se cada vez mais a profecia do Nobel da Economia, Paul Krugmann, que o Euro duraria uns dez anos e ou rebentava a moeda única ou a União Europeia. Um desastre por quase nada. Como escrevi ontem, por tão pouco destrói-se o Continente que era o nosso orgulho e símbolo do desenvolvimento, da cultura e do alto nível de vida.

A Europa meteu-se no passado em guerras por quase nada. Por isso não é de admirar que a imbecilidade emocional dos líderes europeus possa conduzir a um desastre ou pretende-se apenas acabar com as classes médias assalariadas, colocando-as ao nível dos trabalhadores chineses ou pouco mais.  Graças à direita alemão, a Europa Unida deixou de existir.



publicado por DD às 22:26
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 17 de Março de 2013
A Tragédia Portuguesa sem Solução


Temos 149.950 milhões de euros no País e devemos 385.770 milhões. Isto corrige o que escrevi há dias sobre a utilização do agregado M3 para liquidar a dívida externa portuguesa em caso de saída do Euro. Afinal, não chega para metade da dívida externa que resulta de défices da balança de bens e serviços só ligeiramente compensados pelas remessas dos emigrantes que terminaram em grande parte com a entrada no Euro. A partir dessa altura, os emigrantes deixaram de comprar casa e outras coisas em Portugal por se terem tornado quase tão caras como nos países europeus e, além disso, a maioria dos emigrantes tinha regressado ou instalou-se com família no exterior.

Contribuição de Portugal para o Agregado Monetário M3 da Zona Euro em 10^6 (milhões de euros)

2013:01 145.671
2012:12 147.532
2012:11 151.729
2012:10 150.416
2012:09 149.950 

Balança de Pagamentos
Dívida externa bruta
Por sector institucional residente
Em % do PIB
3ºTrim. 2012a.
Total
231% = 385.770 milhões de euros. 
Administração pública
74%
Banco de Portugal
42,9%
Bancos
65,8%
Outros sectores (empresas e particulares)
33,7%
Investimento directo
14,5%



publicado por DD às 17:44
link do post | comentar | favorito
|

Dieter Dellinger: A Europa Governada por Doidos Varridos

No programa "Eixo do Mal" com o Daniel de Oliveira, Clara Ferreira Alves e companhia foi dito que a Europa está a ser governada por Doidos Varridos no que estou inteiramente de acordo.


Por causa de 5 mil milhões de euros (0,00000x% do M3 europeu), o Governo cipriota foi obrigado a ROUBAR 9,9% dos depósitos bancários de 100.000 euros para cima e 7% dos abaixo disso. É um assalto direto ao dinheiro dos cidadãos que não podem neste momento levantar dinheiro das caixas multibanco e dos bancos. Uma vez feita uma exigência destas, ninguém pode ter a certeza de que não venha a ser feita noutros países e levar a uma corrida aos bancos em todos os países endividados. É uma verdadeira loucura só imaginável na sequência de uma revolução bolchevique e nunca a partir de governos de direita que são maioritários nos países da Zona Euro.


A tese da luta de classes não tem sentido hoje. Há luta de morte no interior de todas as classes sociais. Capitalistas contra capitalistas, direitas contra direitas e classes médias contra classes médias, etc. Todos contra todos para sacarem umas massas.



publicado por DD às 17:41
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Março de 2013
A Questão das Reformas

 

O Governo e os portugueses enfrentam o grave problema das pensões de velhice, sobrevivência e invalidez dos setores privado e estatal, cujo valor total é de 23 mil milhões de euros correspondentes a 13,7% do PIB e a uns 30% das despesas do Estado. Segundo a Revista Visão de hoje, Portugal tem 2.309.750 reformados que representam cerca de 22% da população a receber apenas 13,7% do PIB.

No Regime Geral dos privados, 86,37% recebem menos de 628,82 euros mensais, 13% recebe entre 628,83 e 2.515,31 e 0,6% recebe até 5.594,33. Só 0,03% aufere de reformas superiores a 5.594,34 euros mensais.

 

50% dos reformados da Função Pública tem menos de 1.000 euros mensais e só 1,2% ultrapassa os 4.000 euros.

Quer isto dizer que o sistema de reformas português é literalmente miserável, apesar da elevada percentagem do PIB e do valor total aparentemente elevado.

 

As reformas do setor privado tem a ver com muitas fraudes praticadas no passado em que patrões e trabalhadores individuais descontavam menos do que deviam e muitos assalariados eram enganados pelas entidades patronais com descontos inferiores aos seus ordenados reais. Além disso, os privados empregam pessoalmente menos classificado porque no Estado grande parte dos trabalhos de limpeza, portaria, cantinas, obras, etc. são feitos por empresas privadas, não contando os seus trabalhadores como funcionários públicos. Claro, também há os grandes escritórios de advocacia que trabalham bastante para o Estado. Mas, se assim não tivesse sido, o custo das reformas seriam muito superiores às atuais, pois o que não se pagou há 10, 20 a 40 anos não tem relevo nas finanças deste ano.

 

As reformas milionárias receberam cortes imensos com a Contribuição Extraordinária de Solidariedade a atingir os 45,7% para quem receba mais de 50 mil euros mensais e 47,4% a quem recebe mais de 100.000 euros, valor que não interessa porque ninguém recebe este montante. Além disso, incide o IRS sobre o que fica.

 

 O Eng. Jardim Gonçalves recebe 100.000 euros de renda vitalícia de um seguro multimilionário e uns 60 mil euros de reforma. A renda vitalícia só deve estar sujeita ao IRS ou talvez ao imposto de capitais que é liberatório, isto é, não obriga a pagar mais impostos além dos cerca de 25%. Mas, alguém, ou seja, o BCP ou o próprio deve ter lá metido uns largos milhões de euros. Talvez mais de 100 milhões.

O problema não está nas reformas ou despesas do Estado, mas sim na falta de crescimento de uma economia baseada num aparelho produtivo tão escasso como o nível das reformas.

 

Sem uma política de crescimento e de apoio monetário não vamos a parte alguma. Chegou a hora de se exigir mais do BCE que é o banco emissor de Portugal e não apenas dos grandes países da Zona Euro.



publicado por DD às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 12 de Março de 2013
Dieter Dellinger: O BCE ainda pode salvar a Europa

 

 

A inflação mensal em Portugal foi em Fevereiro de 0% e a variação homóloga de preços foi de +2,2% desde Fevereiro de 2012.

Na Zona Euro, a inflação homóloga foi de +1,6% e em Fevereiro os preços caíram 0,1%.

Quer isto dizer que estamos todos no momento exato para o BCE emitir moeda e com isso eliminar grande parte das dívidas dos países em dificuldade.

 

O grande objetivo para a Zona Euro seria atingir os vários 3;3% de inflação, 3% de crescimento, 3% de desemprego e 3% de défice. Nada mais fácil com a emissão de 3% do atual agregado monetário M3, ou seja, cerca de 540 mil milhões de euros.

A execução orçamental primária portuguesa em 2012 foi positiva em quase 3% e negativa com os juros de 8%. Reduzindo os juros para 2% e utilizando uma parte da quota de 4 mil milhões de Euros que Portugal tem de pagar à EU, a situação poderá ser resolvida, mas o prolongamento das negociações com a troika mostram que reina inflexibilidade total, mesmo que esta conduza a um desastre europeu semelhante a uma grande guerra

Claro, que entre Portugal, Grécia e outros países e uma Zona Euro positiva está o “Muro de Berlim”, ou seja, a Alemanha da Merkel e também do SPD, apesar da inflação ser aí negativa. Mas criou-se um estado de esquizofrenia só comparável ao ódio aos judeus e ambos estão ligados. Os nazis acusavam os judeus de se terem aproveitado da grande inflação alemã de 1922/23 porque compraram antes dólares e com a divisa americana fizeram compras colossais numa Alemanha falida. Só que a situação é bem diferente hoje pois a Alemanha possui imensas indústrias a funcionarem no país e no estrangeiro. Só na região de S. Paulo/Brasil, os capitalistas alemães possuem mais de mil fábricas, sendo algumas como a VW do Brasil gigantescas.

 

Apesar da inflação zero na Zona Euro, a moeda europeia está a cair em relação ao dólar que também se está a desvalorizar, isto porque ninguém acredita na economia europeia e estão a ver que a União e a sua economia acabam por se desmoronar se não houver um volte face imediato que parece ser impossível. Os alemães autorizam emissões aos pingos.

 

Toda a crise se deve a dez anos sem emissão suficiente de moeda. Curiosamente não vejo nenhum economista falar nisso, nem o Gaspar. Há uma politização excessiva dos dados económicos e uma espécie de medo ou terror da Alemanha.



publicado por DD às 23:24
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 9 de Março de 2013
O Muro de Berlim

 

 

A ideia de que o Muro de Berlim foi derrubado a 9 de Novembro de 1989 é um engano.

 

Nesse dia caiu um muro que separou durante 28 anos o Mundo Comunista do Capitalista Democrático, mas começou a ser erguida uma muralha bem mais larga, insidiosa e mais atentatória das liberdades democráticas. A nova muralha começa no Rio Oder que separa a Alemanha da Polónia e termina um pouco para lá do Reno. É a Alemanha no seu todo e separa os países ricos e egoístas da falsa União da Europa dos países mais pobres, tidos como preguiçosos e gastadores.

 

Para a Alemanha, a Europa só interessava como apoio para a sua reunificação e o euro serviu para pagar o elevado custo da troca de um marco do leste que nada valia por um do oeste, o que acarretou a falência das empresas da antiga RDA e permitiu à do Ocidente alemão comprarem barato muitas instalações e ao poder político instalar-se em Berlim sem custos exorbitantes, tanto mais que não ia governar a Alemanha em todos os aspetos políticos dado ser uma nação regionalizada.

 

Sem uma URSS “perigosa”, sem inimigos em qualquer quadrante, a Alemanha decidiu assenhorar-se do Euro e impô-lo como moeda atualmente mais forte em trinta e tal por cento relativamente ao dólar na data da sua introdução. A Alemanha impede a emissão de moeda e não quer que o BCE, pertencente aos cidadãos, sirva-os de outra maneira que não seja através dos banqueiros.

 

Como aconteceu duas vezes no Século XX, os países europeus começaram por se submeter aos imperativos germânicos até dizerem basta e em duas guerras sangraram profundamente para deixarem a Alemanha de rastos. A Alemanha deveria ter aprendido com a história que saiu sempre a perder, mesmo quando teve momentos em que o seu poder parecia ser inabalável.

 

Portugal é hoje um joguete para os alemães, uma espécie de Roménia ou Bulgária ou Repúblicas Bálticas na II. Guerra Mundial. País olhado com desprezo que deverá obedecer a uma poderosa SS financeira com sede em Frankfurt. A Alemanha sádica do holocausto e das “Waffen SS” renasceu com o euro e ninguém nos outros 16 países do euro se atreve a dizer que aquilo é também a sua moeda e que é indispensável para fazer crescer as suas economias e que nenhum país da União deveria ser condenado à miséria por causa de erros praticados pela União que só financiava estradas e pontes e falsas formações profissionais desde que o dinheiro entrasse nos cofres das principais empresas dos grandes da Europa. A quota de mais de 4 mil milhões de euros que Portugal está a pagar este ano a Bruxelas deverá servir para amortizar a dívida contraída em parte com as estradas impostas pelos comissários da EU ou pagar juros e nunca para destruir as classes médias assalariadas, a pequena burguesia proprietária e aumentar a fome dos mais pobres.

 

Sem dinheiro, morrem as liberdades democráticas dos portugueses e dos gregos, espanhóis, irlandeses e italianos. Temos de dizer que, além de portugueses, somos gregos, espanhóis, etc. porque somos europeus.

 

 



publicado por DD às 23:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Dieter Dellinger: REESTRU...

Salário Médio dos Portugu...

Putin: O primeiro Czar de...

CADERNOS DE E CONOMIA Nº ...

Dieter Dellinger escreve:...

Dieter Dellinger: Origem ...

Aneuploidia Mutante

Macron quer uma Nova Euro...

O AfD é um partido da con...

Dieter Dellinger: O jorna...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds