Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Quinta-feira, 3 de Julho de 2014
QUE FUTURO PARA O CALIFA IBRAHIM?

 

 

 O Califado em Ação - Massacre de Iraquianos

 

 

 

 Pode-se regressar ao passado? Poderia a fragata portuguesa Vasco da Gama repetir as façanhas da nau “Flor de La Mar” com que Afonso Albuquerque conquistou Ormuz e Malaca?

 

 Para qualquer europeu, a história é a sociologia do passado mais os eventos relacionados pelo que não há regressos ao passado. Contudo, os muçulmanos sunitas da Organização Estado Islâmico da Síria e Iraque com acrónimo inglês ISIS proclamaram a fundação dum Califado da Síria e Iraque. O nome provém dos primórdios do islamismo, ou seja, “Khalifat rasul Allah (Sucessor do mensageiro de Deus). O líder jihadista do ISIS, Abu Bakr al-Baghdadi, declarou-se sucessor de Maomé e o quinto Califa do Islão com o nome de Ibrahim.

 

 O Califado foi sempre uma monarquia absolutista em que o Califa detinha tanto o poder religioso como o temporal com base em tribos tão fiéis como guerreiras. O Califado de Damasco ou dos Omíadas existiu entre os anos 661 e 750, estendendo-se desde o Cáucaso a quase toda a Península Ibérica ao qual se seguiu o Califado de Bagdad ou dos Abássidas que durou até 1299, seguindo-se o Califado do Cairo ou dos Fatímidas e depois o Império Otomano sob a soberania do Califa de Istanbul a partir da queda do Império Cristão Ortodoxo de Constantinopla, conquistado definitivamente em 1453.

 

 Mas, ao contrário dos antigos Califados, o atual é bem diferente devido ao seu extremismo e fúria assassina. Os Califas antigos conquistavam e detinham o poder, mas não liquidaram as muitas comunidades cristãs e judias e de outras religiões que encontraram nos territórios conquistados. Devido à falta de instrução das tribos árabes e até do seu número relativo, cristãos e judeus ocupavam posições de destaque nas administrações dos antigos Califas. Os homens do novo “mensageiro de Allah” são de uma intolerância invulgar, mesmo em relação à história do passado, dado que, sendo sunitas, não admitem os muçulmanos xiitas como gente digna de algo menos do que as balas das suas Kalashnikovs. O território que agora dominam estende-se por mais de 600 km desde a cidade síria de Aleppo à fronteira com o Curdistão iraquiano. Ainda tentaram entrar na região curda mas foram repelidos e sabem que estão ali homens bem treinados e armados.

 Olhando para o Mapa e conhecendo as posições dos vizinhos do novo Califado não se prevê grande futuro, apesar de as forças de Ibrahim terem capturado grande quantidade de armamento em Mossul, cidade síria com 1,8 milhões de habitantes, e dominar áreas petrolíferas. Mas, não tem saída para o mar e se quiser ter terá de se bater ferozmente com as forças do presidente Assad, desguarnecendo a retaguarda iraquiana. Aí tem os curdos e os iraquianos xiitas dispostos a reconquistarem territórios perdidos. A Turquia fechou a fronteira com o território do Califado, não deixando que jovens vindos com passaporte de turista do mundo islâmica e até da Europa atravessem a fronteira para se juntarem ao exército dos mudos, como denominou um jornalista da rádio Deutschlandfunk. Mudos para não revelarem que quase não falam a língua árabe e quando falam não têm o sotaque do norte iraquiano. São em mais de 90% estrangeiros, se bem que seja possível que o Califa possa mobilizar muita gente nas regiões ocupadas. Sim, os árabes podem travar guerras porque as famílias têm muitos filhos ao contrário de americanos e europeus.

 

 O grande inimigo do Califa Ibrahim é, sem dúvida, o Irão xiita e as milícias xiitas de Bagdad reforçadas com pessoal dos Guardas de Revolução Iraniana. Já chegaram alguns velhos aviões russos Su-25, obviamente com pessoal de manutenção e pilotagem iraniano ou russo. São aviões de ataque ao solo muito eficazes por terem uma certa blindagem de proteção e poderem lançar roquetes, bombas até 500 kg e mísseis diversos. Aviões lentos e subsónicos como convém ao ataque ao solo, podendo com a sua velocidade de 950 km/h ou um pouco menos fazer um primeiro ataque para abrir o caminho aos helicópteros de combate mais vulneráveis, mas muito mais certeiros. Enquanto o pessoal se abriga contra as armas dos Shukoi-25 aparecem logo de seguida os hélios a provocarem mais estragos.

 

 Por outro lado. O Califado é algo completamente fora de tempo, pelo que as classes médias e mais evoluídas das regiões ocupadas vão perder qualquer entusiamos pelo modelo político se é que chegaram a ter algum, principalmente com a aplicação fanática das lei corânicas.

 

 Cercados, sem abastecimentos e indústrias militares, desprovidos de aviação e, talvez, sem mísseis antiaéreos ou com muito poucos, é provável que o Califa Ibrahim venha a ser pendurado numa corda como aconteceu a muitos dos seus antecessores nas três grandes guerras civis muçulmanas da História. Ele bem pede que venham engenheiros, militares e pessoal administrativo árabe sunita auxiliar, mas não há via para chegarem. Está rodeado de países e governos inimigos.

 

 Obama não se quer meter no assunto. Nunca esteve de acordo com a invasão do Iraque e nem apoio aéreo pretende dar ou até fornecer aviões, apesar do gigantesco porta-aviões “George H. W. Bush” estar no golfo pérsico com 90 aviões diversos, incluindo drones sem piloto. Sem intervir, os americanos podem fornecer muita informação obtida por satélite e por aviões que sobrevoem a região, incluindo os referidos drones. Até porque o Iraque é muito desértico e nenhuma força armada pode se deslocar sem ser vista, mesmo à noite.

 



publicado por DD às 16:04
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
29

30


posts recentes

Dívida Pública: Acordo BE...

Suicídio da Europa segund...

Marcelo Condecora Soares ...

Comissária Desconhecida q...

Produção de Automóveis

Défice de 2%

IMPOSTOS

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds