Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Terça-feira, 14 de Novembro de 2006
Ordenado Mínimo

 

 

            É verdadeiramente inconcebível e de um egoísmo gritante que as Associações Patronais se oponham a um aumento substancial do ordenado mínimo de 385 Euros mensais quando é sabido que esse valor não é pago por quase nenhum empresa. O próprio Eurostat considera que o ordenado mínimo português é de 450 Euros porque quase todas as empresas acrescentam um modesto subsídio de refeição da ordem 65 Euros mensais, o que não chega a 3 Euros por dia de trabalho.

            Já há tempos, a Universidade de Coimbra tinha feito um estudo e concluído que apenas 2% dos trabalhadores portugueses ganhavam efectivamente o ordenado mínimo. Hoje, sabe-se não devem chegar aos 0,5% os trabalhadores com um ordenado de 385 Euros menos os 11% da Segurança Social, o que dá 342,65 Euros ou 11,41 Euros por dia num mês de 30 dias. O ordenado mínimo está isento de IRS.

            De resto, um empresário que queira empregar alguém a receber esses 342,65 Euros mensais não consegue qualquer trabalhador. Qualquer pessoa a limpar escadas, ajudar numa oficina clandestina de automóveis ou arrumar carros na rua ganha mais que isso. Até um pedinte faz mais.

            Um exemplo: Um mecânico amigo que tem uma pequena oficina na Damaia de Cima arranjou um ajudante quer percebe pouco de mecânica e de bate-chapas, mas vai aprendendo. Mesmo assim, está a pagar-lhe 650 Euros mensais mais uma percentagem sobre trabalhos que faz sozinho e umas gorjetas que os clientes dão.

            Quem for ao Mundo rural verifica que o maior problema da agricultura portuguesa é a falta de pessoal para trabalhar e nas colheitas e outros trabalhos agrícolas pagam-se 8 euros à hora e é já uma sorte arranjar quem queira fazer o trabalho. Portanto, em cinco dias úteis, o trabalhador faz o ordenado mínimo.

            Dizer que o mercado não aguenta o ordenado mínimo, como disse na TV um dirigente patronal, é uma mentira colossal. Antes pelo contrário, o problema das empresas portuguesas é o baixo salário que não induziu a melhorias de qualidade de produtos, marketing, equipamentos fabris etc., não ordenados mínimos. Os baixos salários da indústria e comércio são de 450 Euros para cima até aos 600 ou 700 euros mensais.

            Portugal enfrenta dois tipos de concorrência que batem as indústrias portuguesas. A dos países que pagam salários superiores, para os quais muitas empresas se deslocalizaram, e a dos países de mão-de-obra baratíssima, quase escravatura, associada a um câmbio extremamente baixo da moeda. A China, por exemplo, paga menos de 50 cêntimos à hora, o que significa que os seus termos de troca são altamente desfavoráveis, mas prefere isso a ter uma gigantesca população sem trabalho. O mesmo se passa com muitos ex-países comunistas como a Polónia, a Roménia, etc. que ao entrar na UE vão deixar de desvalorizar as suas moedas. Depois de décadas de governos comunistas, nada ficou de industrialmente válido nesses países, susceptível de ser exportado com êxito, pelo que sua única riqueza é a exploração do trabalho. Mas, como deixaram de poder desvalorizar as suas moedas, o custo do trabalho acabará por aumentar substancialmente.

            Não há pois razão alguma para que o ordenado mínimo não suba dos actuais 385 Euros para 400 Euros já e em três anos chegue aos 500. A economia não sairá perturbada em nada e o governo passa por ser um benfeitor, enquanto o patronato vocifera contra o NADA.



publicado por DD às 14:07
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Dieter Dellinger: Opinião...

Dieter Dellinger copiou: ...

Dieter Dellinger Copia Ar...

Cavaco Pio, Pio

Salários dos Trabalhadore...

Dieter Dellinger: O T-ROC...

Dieter Dellinger: Incêndi...

Isabel Monteiro: O seu Cu...

Portugal paga mais 2.600 ...

Dieter Dellinger: O Diabo...

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds