Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Sexta-feira, 6 de Abril de 2007
NAL-Novo Aeroporto de Lisboa

 

 

 

 

 

O aeroporto da Ota ou Novo Aeroporto de Lisboa (NAL) vai ser projectado para atingir uma capacidade máxima de 42,5 milhões de passageiros em 2050 com duas pistas a funcionar de 3,6 km de comprimento e distanciadas entre si de 1,7 km, desviadas de 20º em relação à existente actualmente na Base Aérea da Ota. A capacidade máxima de chegada e saída de passageiros não terá logo de início a ver com as duas pistas, mas com a instalação progressiva de posições de estacionamento para 143 aviões, entre as quais umas 100 posições de acesso directo servidas por pontes telescópicas.

 

A capacidade máxima será atingida com um total de 79 movimentos aeroportuários por hora, o que é tido como suficiente até ao fim do Século, pois dará para quase mil aviões em 12 horas.

 

O terminal central está ante-projectado em concha para se expandir progressivamente para os lados à medida que a procura for crescendo. Quando da inauguração em 2015 ou 2017 deverá servir 17,8 milhões de passageiros anualmente e acabará por ser o centro de um cidade aeroportuária com mais de 28 mil pessoas a trabalharem

 

A obra está orçamentada em 3,1 mil milhões de euros, ou seja, 4,8% do PIB de 2006 distribuídos num prazo de projecção e construção de dez anos. A construção propriamente pode decorrer entre 2010 e 2017, o que significa que na prática vai custar uns 0,48 a 0,50% do Pib fixo de 2006.

 

Da verba total, o ministro das Finanças pensa gastar 600 milhões de euros oriundos de uns dez orçamentos de Estado, ou 60 milhões de média anual ou 0,09% do Pib de 2006. Acresce a esta verba a quantia de 170 milhões vindos dos Fundos Comunitários.

 

A obra não será propriamente uma parceria Estado-Privados, mas uma concessão a privados sujeita a um concurso público a ser aberto ainda este ano e ganhará quem entrar com mais dinheiro e assim reduzir a participação do Estado na obra. A entidade privada deverá ficar com 50% da ANA que explora os restantes aeroportos portugueses. A obra será de responsabilidade privada e a exploração também sob o controle público por um período de concessão de 30 a 40 anos.

 

Se considerarmos o encaixe do Estado em impostos como IRS de trabalhadores, Segurança Social, IRC, IVAs, Imposto de Combustíveis, etc., a totalizarem mais mil milhões de euros, a obra não só não custará nada aos contribuintes como vai trazer um ingresso total duas vezes superior ao dispêndio durante a fase da obra. Está previsto que na obra vão trabalhar entre 4 e 5 mil trabalhadores e muitos outros em indústrias conexas e obras privadas na região que vão acelerar muito depois do novo aeroporto entrar em funcionamento.

 

Como é evidente, formar-se-ão vários consórcios de bancos, construtoras e especialistas na gestão aeroportuária para concorrerem. Estes verificarão a viabilidade do projecto e a sua rendibilidade. Os grandes grupos financeiros nacionais e internacionais não estão disponíveis para entrarem num negócio que venha cheio de defeitos como dizem os maledicentes. As questões de águas, drenagens, etc. serão verificadas previamente pelas construtoras e pelos bancos pois vão construir com o seu dinheiro e os custos de utilização do NAL serão determinados no próprio concurso, para o qual todos os concorrentes terão acesso aos estudos já elaborados.

O número e a qualidade dos concorrentes serão determinantes para ajuizar a qualidade da obra e o futuro do projecto. Pessoalmente, espero para ver.

 

 

 

Ota fica a 45 km de Lisboa e 60 km de Leiria, a 5 km de Alenquer e a uns 15 km de Santarém com Alcanena, Torres Novas e Tomar para leste e Torres Vedras, Caldas da Rainha e Peniche para oeste. O novo aeroporto fica precisamente no centro de Portugal e vai servir uma zona com 50 km de raio onde se concentra a maior fatia de população, indústria e agricultura do País. São uns 40 a 45% da população de Portugal. Por isso, as instalações de carga aérea foram planeados para um projecto que preveja mais de 400 mil toneladas por ano de exportações e importações.

 

O NAL dará origem a uma futura “aerotrópolis”, ou cidade aeroportuária com hotéis, centros comerciais, bairros residenciais, armazéns de empresas exportadoras e importadoras bem como fábricas de produtos de alto valor acrescentado que possam ser transportados como carga aérea.

 

Para os benefícios retirados, o custo da obra é verdadeiramente insignificante pois até em termos reais não terá quase peso nos orçamentos de Estado até 2017. Refira-se ainda que os lucros do Estado com a ANA têm sido irrisórios dado que os aeroportos de Portela, Sá Carneiro e Faro têm estado permanentemente em obras de alargamento devido ao enorme aumento da procura, a qual estabilizará por volta de 2050 como já aconteceu em vários países europeus.

 

 

A opção Rio Frio seria chumbada em Bruxelas pelo Estudo de Impacto Ambiental, já que poria em perigo o Parque Natural do Estuário do Tejo e o maior aquífero da Península Ibérica em termo de água doce que existe em toda a zona subterrânea do Parque e de Rio Frio e Poceirão. Ninguém dúvida que a decisão agora preconizada pelo PS com Marques Mendes seria combatida com unhas e dentes pelo próprio PSD com Marques Mendes se o Governo de Sócrates tivesse escolhido Rio Frio. E, além disso, teríamos todos os ecologistas à perna num combate pela preservação de um gigantesco aquífero, tanto mais valioso porque está no centro de uma vasta zona urbana.

A opção Ota resultou de o Estudo de Impacto Ambiental ter ELIMINADO RIO FRIO pela razões apontadas acrescido da existência de uma importante reserva agrícola e florestal com uma vasta riqueza em sobreiros.

 

Nenhum grupo ecologista defende a opção Rio Frio e chegam a dizer que o aeroporto na Ota coloca o referido aquífero e o Parque Natural do Estuário do Tejo em perigo devido à passagem de aviões. Claro, isso é uma profunda estupidez dado que o Aeroporto de Portela está muito mais próximo do Estuário do Tejo que a Ota e o sobrevoo de aviões sobre o PNEST é constante como é também é a utilização da Base do Montijo. Não seria pois um aeroporto a 50 km de distância que iria perturbar as aves quando existem três mais próximos, ou seja, Portela, Montijo e Alverca e até Tires e Sintra.

Enfim, assustam-se as pessoas com o dinheiro gasto quando na verdade a obra será sempre rentável para os contribuintes desde que na respectiva equação entrem todos os dados e considerando que Rio Frio não obteria quaisquer apoios de Bruxelas pela referidas razões ecológicas.

Há grupos que defendem que a situação mundial quanto ao petróleo é de tal ordem que o seu custo vai subir muito e, como tal, vai ter uma implicação negativa no transporte aéreo de passageiros.

Só pode dizer isso quem desconhece os gigantescos investimentos que estão a ser feitos a nível mundial em energias alternativas, nomeadamente em Portugal, e nos dados científicos mais recentes que apontam para a captura do CO2 e sua utilização no fabrico de hidrocarbonetos.

Entre esses enormes investimentos salienta-se a produção do biodiesel e etanol, cujas plantas capturam o CO2 da atmosfera que depois libertam de forma muito menos poluente nos motores de explosão interna.

 



publicado por DD às 19:06
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Défice de 2,06%

IMPOSTOS

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

Mário Centeno: O que caus...

Faleceu o HOMEM da Liberd...

Paulo Silva – O Caçador d...

A Europa tem Medo dos Muç...

Dieter Dellinger: Estalin...

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds