Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Segunda-feira, 30 de Abril de 2007
Opinião de Dieter Dellinger : "Destruir para Construir?"

 

 

O excelente cantor e compositor José Mário Branco deu uma pequena entrevista na televisão a propósito de um espectáculo que vai dar e falou na “porcaria de sociedade em que vivemos com cada vez mais diferenças sociais, etc.” Por fim citou uma empregada da Faculdade de Letras que lhe disse, salvo erro, “isto já não vai com cantigas, é preciso destruir para depois construir de novo”.

            É evidente que não está tudo bem em Portugal. Temos de estar descontentes, pois o diploma do engenheiro Sócrates pode ser ou não ser de licenciado ou só de bacharel e ele pode ter andado a enganar-nos com o título de engenheiro e outras coisas mais importantes como o Aeroporto da Ota que não contenta toda a gente, etc.

            Sucede que os portugueses, nos quais me incluo, naturalmente por nascimento, não podemos ocupar uns míseros 92 mil km2 e sermos apenas dez milhões e não colhermos os ensinamentos e a experiência dos quase sete mil milhões de irmãos nossos que co-habitam connosco este pequeno Planeta e, principalmente, não ligarmos a esse imenso laboratório de ciências sociológicas, políticas e económicas que foi o Século XX e a própria actualidade do momento.

            De descontentamentos assim, resumidos em “porcarias de sociedades”, resultaram centenas de milhões de cadáveres por via de ditaduras fascistas, comunistas e outras que quiseram partir tudo e reconstruir tudo de novo. Partir, partiram tudo, mas construir não; acabaram todas em fazer mais do mesmo.

            Curiosamente, o maior país comunista da Terra que é hoje o maior país capitalista sem deixar de ser comunista, vá a gente perceber isso, partiu tudo duas vezes para, afinal, acabar num capitalismo selvagem e bárbaro com mais milionários e oligarcas que o resto do Mundo juntos.

            A primeira Revolução Chinesa começou com a longa marcha nos anos trinta, culminando na tomada do poder em 1948 por Mao Ze-dung com a destruição do capitalismo e matança de milhões de pequenos Chang Kai-cheks como dizia Mao, seguindo-se depois nos anos sessenta a Revolução Cultural sob o célebre lema “Destruam primeiro, e a reconstrução far-se-á por si mesmo” e outros como “Reformar o Pensamento através do Trabalho” que até lembra o “Arbeit macht Frei” (O Trabalho liberta) que os nazis punham à porta dos campos da morte. Enfim, tantas mortes, tanta destruição, para acabar tudo num capitalismo bem mais voraz e selvagem que o anterior.

            E o que sucedeu com a Revolução Bolchevique e subsequente guerra civil com mais de dois milhões de mortos e a família imperial da velha Rússia fuzilada de uma só vez? Depois da destruição e da falhada construção de uma nova sociedade e de um homem novo, mais solidário e menos explorador, a Revolução acabou numa inexplicável e inimaginável oligarquia capitalista.

            O Vietname segue o mesmo caminho e Cuba entregou os seus hotéis a grandes empresas capitalistas que exploram largamente o turismo daquela ilha tropical quase paradisíaca.

            De todas as destruições seguidas de construções de novas sociedades, a do Cambodja foi a mais terrível com a matança de quase metade da população. E mais uma vez para acabar no capitalismo duro e selvagem.

            Afinal, pergunta o cidadão inocente, quem foram e quem são os revolucionários. Que revoluções foram essas que acabaram em tantos Abramovitch? E será que em Portugal devemos matar uma única pessoa por causa desta “porcaria de sociedade” que, na verdade, é bem melhor que tudo o que tivemos no passado, apesar do diploma de Sócrates.


tags:

publicado por DD às 22:31
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
27
28
29

30
31


posts recentes

Incêndios no Sul de Franç...

Isabel Monteiro: O seu Cu...

Portugal paga mais 2.600 ...

O Diabo Chegou?

O Problema Português

Estado Português ou Chinê...

Os Fogos em Portugal

Portugal em Forma e Antón...

O "Crime" da EDP

Dieter Dellinger: BOAS NO...

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds