Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Domingo, 4 de Dezembro de 2005
Portugal de Sucesso
ciencia.jpg



Winston Churchill escreveu um dia: “success is the ability to go from failure to failure without loosing your enthusiasm”.



Isto é, sem dúvida, uma frase que se aplica a Portugal que possui uma das mais elevadas dinâmicas de empreendedorismo e a mais alta taxa de empresários na população activa. A taxa anual de renovação empresarial está este ano a ultrapassar os 1,8% do número total de empresas quando, por exemplo, nos EUA e Espanha é de 1,6%, no Reino Unido 1,4%, na Alemanha 1,1%, na França 1,0% e na Holanda 0,8%. Em nenhum país da OCDE se verifica uma taxa igual à portuguesa.



É certo que se trata da criação de empresas, principalmente pequenas, mais por necessidade que por oportunidade, mas a possibilidade de falhar não esmorece o entusiasmo dos empreendedores e, entre 1995 e 2000, duplicou em Portugal o número de empresas com actividades de investigação e desenvolvimento (I&D) porque foi também o grande período do aparecimento das incubadoras de ideias e desenvolvimento tecnológico, dos “interfaces” associativos entre universidades e empresas para o desenvolvimento e o SIFIDE (Sistema de Incentivos Fiscais à I&D nas Empresas), introduzido em 1997 (com Guterres), aperfeiçoado em 2001 e lamentavelmente cancelado em 2003 pelo governo PSD/CDS.



O SIFIDE apoiou actividades de I&D em mais de duas mil empresas, salientando-se tanto os fabricos tradicionais como a subida de nível tecnológico de empresas que passaram para o sector têxtil técnico, nomeadamente o fabrico do material dos coletes anti-balas pela TMG. Graças ao SIFIDE, entre 1998 e 2000 aumentou nas empresas em 17% o emprego de licenciados e em 57% o de mestres e doutorados.



O novo sistema que volta a introduzir o essencial do SIFIDE foi aprovado pela AR em Maio deste anos e já foi apreciado na especialidade, faltando a votação final, pois esperava a aprovação do OE para integrar as verbas necessárias. Este novo sistema estimula principalmente o emprego científico no sector privado, em empresas inovadoras, assegurando condições de apoio excepcionais à contratação de recursos humanos qualificados e à mobilidade do sector público para o privado e é particularmente estimulante a nível internacional para potenciar o investimento estrangeiro em Portugal com actividades de desenvolvimento tecnológico no sector privado.



Mas, a política de desenvolvimento tecnológico do Governo Sócrates, não se limita aos incentivos fiscais, mas também ao desenvolvimento dos “interfaces”, “incubadoras estatais de ideias em parceria com privados”, salientando aqui o “interface” JUNITEC, Júnior Empresas, do Instituto Superior Técnico (IST) destinado ao lançamento de grupos de empresas com base tecnológica por parte de jovens engenheiros saídos do Técnico e com a colaboração de estudantes da mesma escola.



De entre as muitas “instituições de interface” que fazem a ligação entre investigadores universitários criados sob os auspícios do actual ministro Mariano Gago nos tempos de Guterres, devo salientar como um dos mais bem sucedidos e a funcionar em pleno hoje, o “Instituto Pedro Nunes – Associação para a Inovação e Desenvolvimento em Ciência e Tecnologia”, IPN, criada pela dupla iniciativa da Universidade de Coimbra e Estado Central. O objectivo do IPN é criar redes de parceria entre a UC e as empresas para estimular a transferência de conhecimentos, encontrar soluções técnicas e científicas para certos problemas e desenvolver novos produtos. O IPN dispõe de um conjunto de laboratórios próprios em áreas diversificadas e faz a ligação a todos os investigadores universitários.



Refiro aqui alguns casos concretos que permitiram a certas empresas melhorar a qualidade dos seus produtos e conquistar novos mercados.



Projecto PARIS que envolveu o Laboratório de Ensaios, Desgaste e Materiais do IPN e a empresa PROCERAM no desenvolvimento de equipamentos para a análise de defeitos de pisos cerâmicos. Para o efeito foi criada uma aparelhagem nova com sensores e electrónica desenvolvida pelos referidos laboratórios que permitiu automatizar a análise de peças defeituosas de piso cerâmico nas respectivas linhas de fabrico, algo que não existia em parte alguma do mundo. O método de análise é de ultrasons e está a ser patenteado a nível mundial.



O IPN participou no programa europeu CRAFT para incorporar tecnologias inovadoras no sector dos moldes. No seu subprograma AL-MOULD foram desenvolvidas soluções de revestimento por recurso à técnica de pulverização catódica (PVD) para protecção superficial dos moldes de injecção de polímeros em materiais alternativos como alumínio e compósitos de matriz polimérica. O projecto envolveu duas novas empresas portuguesas, a DTECH e TEandM, perspectivando-se com este projecto a aquisição de grande número de moldes por parte da Airbus, da empresa inglesa Teer Coatings e da alemã Durit Hartmetall.



No âmbito dos novos projectos de competências regionais, saliente-se o projecto IPORCENTRO (Programa Regional de Acções Inovadoras, PRAI – Centro) para o desenvolvimento de tecnologias de injecção de pós cerâmicos e metálicos nas suas diferentes vertentes, desde a preparação das matérias-primas até aos métodos de extracção dos ligantes e sinterização das pelas, passando pela concepção e protecção dos moldes de injecção. Trata-se aqui de fazer evoluir a indústria cerâmica para um patamar muito superior de tecnologia em que se possam fabricar novos materiais metalo-cerâmicos e materiais especiais para a microfabricação de peças e ir até ao fabrico de materiais supercondutores a temperaturas "levadas" como forma de conseguir motores eléctricos a funcionar sem consumo de energia.



Através da sua “Incubadora de Empresas”, actualmente em fase de grande expansão, o IPN estimula o empreendedorismo e promove a criação de empresas “spin-off” através do apoio a ideias inovadoras vindas dos seus próprios laboratórios, de instituições de ensino superior, predominantemente a Universidade de Coimbra, do sector privado e de projectos de I&DT em consórcio com o sector privado.



O IPN trabalhou com 60 empresas e está actualmente em fase de incubação técnica e financeira com 18 empresas, cujo volume de negócios ultrapassa já os cinco milhões de euros. Saliente-se que o IPN proporciona contactos privilegiados com entidades financiadoras, até porque confere aos projectos em curso a indispensável idoneidade. Também trabalha em matérias como a gestão, o marketing, planos de negócios, etc.



Informação dada pela professora doutora Teresa Mendes, presidente do IPN.



Enfim, há muitos mais projectos em curso, tanto desta incubadora como das muitas outros que estão a funcionar mais agora.



Este é verdadeiramente o caminho para Portugal sair da crise. Os empresários por si próprio não têm meios para a I&DT, pelo que tem de ser o Estado a apoiá-los e a ter os seus investigadores e refira-se que nada disto é possível com universidades privadas, sejam católicas ou laicas, pois são organismos destinados unicamente a sacar dinheiro aos alunos.



Mas, Portugal tem bons investigadores, bons engenheiros e, ao contrário do que se afirma, é MENTIRA que estejam todos a FUGIR para o Estrangeiro.



Os poucos que o fazem estão igualmente no bom caminho, pois qualquer país necessita de vasos comunicantes entre o que se faz fora e dentro. Recordemos que a bomba atómica chinesa foi feita por físicos chineses que trabalharam nos EUA, o que não é um bom exemplo, mas foi assim.



Agora vem a notícia na “France Inter” que a Airbus vai instalar uma linha de montagens de aviões A 218, 219 e 220 na China para montar e construir em parte 2.700 aparelhos, parte dos quais será exportado.



Enfim, mais uma prova de que o capital europeu está disposto a prescindir dos trabalhadores europeus e a fornecer à maior nação do Mundo, a mais avançada tecnologia.




publicado por DD às 18:54
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Os Fogos em Portugal

Portugal em Forma e Antón...

O "Crime" da EDP

Dieter Dellinger: BOAS NO...

Dívida Pública: Acordo BE...

Suicídio da Europa segund...

Marcelo Condecora Soares ...

Comissária Desconhecida q...

Produção de Automóveis

Défice de 2%

arquivos

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds