Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Quinta-feira, 20 de Novembro de 2008
A Bolha Petrolífera Também Pode Rebentar - Texto escrito a 18 de Junho de 2008

 

É próprio de todas as bolhas rebentarem e não vejo que não suceda o mesmo com a actual bolha petrolífera e que os preços venham a descer acentuadamente. A dificuldade está em prever o quando, mas, de qualquer maneira, o fim da actual alta exagerada de preços tem a ver com as alternativas que têm de ser encontradas de uma maneira definitiva no âmbito dos esquemas já descritos neste blog e outros.

            Segundo a revista norte-americana “Time”, o Mister Rainwater que nada tem a ver com a água da chuva e que tem sido o maior especulador nos futuros em petróleo e gás e nas acções das grandes petrolíferas retirou-se do mercado com os seus dois biliões de dólares que ganhou desde 1998 quando o “crude” estava a uns 10 dólares. Rainwater aproveitou para as suas contas bancárias a subida de 1.350% do preço do barril em onze anos e diz que está, eventualmente, disponível para voltar a entrar no mercado quando os preços descerem acentuadamente. Para ele, foi convincente uma sondagem feita nos EUA em que 77% dos americanos disseram que estavam a tomar medidas muito sérias para reduzir as suas despesas em combustíveis, utilizando menos as suas viaturas, deslocando-se mais em transportes colectivos, bicicletas ou scooters e mudando para carros mais pequenos e económicos, etc. Uma percentagem tão grande de americanos a gastarem menos 10 a 20% de combustível representa muito, tanto mais que, por todo o Mundo, os cidadãos não podem deixar de fazer o mesmo.

            Dos dois grandes países que subsidiavam os seus combustíveis, a Índia e a China, o primeiro está a sair desse esquema, passando apenas a apoiar o querosene barato que é utilizado pelos agricultores pobres na confecção das suas refeições. O estado indiano estava já a gastar mais de 10 mil milhões de dólares em subsídios e as três petrolíferas estatais registam prejuízos superiores a essa verba. Isto num país que possui um parque automóvel inferior a um décimo do português. Por cada indiano com automóvel, há dez portugueses com carro. As gasolinas e o gasóleo na Índia aumentaram já em 11% e continuam a subir com protestos de vastos sectores da população, apesar de a tracção animal ainda ser largamente utilizada.

            A China enfrenta problemas semelhantes, também com subsídios da ordem dos 10 mil milhões de dólares e com empresas petrolíferas estatais a assumirem uma parte importante do défice petrolífero junto dos consumidores. Depois dos jogos olímpicos, os chineses vão, naturalmente, rever os seus preços, tal como começa a suceder noutros países asiáticos que procuraram poupar os seus consumidores como a Indonésia que tem muito petróleo seu, mas insuficiente para os seus gastos, as Filipinas, a Tailândia, Singapura, Taiwan, Hong Kong e Coreia do Sul.       

            Muitos destes países não possuem uma rede eléctrica nacional que cubra as suas aldeias cada vez mais populosas. A China gasta imenso combustível na distribuição de carvão e outros combustíveis por quase um milhão de aldeias, cidades e partes das mesmas. Recorde-se que o louco plano de Mao para a instalação de pequenas siderurgias nas aldeias falhou por causa da impossível logística da distribuição de carvão e minério de ferro.

            O eventual aumento drástico dos combustíveis pode provocar grandes convulsões na China que podem ir até à queda do regime pois as ditaduras, tal como as bolhas, também rebentam. A economia tem funcionado à custa de combustíveis artificialmente baratos e salários baixíssimos. Se um dos factores aumenta, o segundo não pode ficar na mesma ou sofrer reduções para compensar a alta dos custos industriais.

            O preço alto da energia fóssil está a impulsionar uma nova revolução industrial que acabará numa Humanidade menos dependente do petróleo e, por ventura, com muito menos emissões de CO2. Os países têm a possibilidade de resolverem o problema da dependência dos hidrocarbonetos e estão a fazê-lo a nível da produção da energia eléctrica e a partir daí a passarem para as viaturas híbridas ou eléctricas. Mas, antes de se chegar a uma solução satisfatória há que trabalhar muito e não pode a Humanidade pensar que se houver uma quebra muito acentuado no preço do petróleo que está tudo resolvido e regressa-se aos carros grandes consumidores, aos muitos e quase desnecessários sistemas de ar condicionado e aos aquecimentos eléctricos sem o devido isolamento das casas.

 Texto de Dieter Dellinger.

 

Acréscimo de 7 de Agosto de 2008.

Texto escrito e publicado a 18 de Junho de 2008, portanto,  antes do 11 de Julho, data em que o barril do "crude" ultrapassou os 145 Dólares.

Hoje, está a 119. Em duas semanas desceu mais de 26 dólares, o que pode significar que a "bolha petrolífera" está a rebentar.

Mister Rainwater é, sem dúvida, um homem inteligente. Retirou-se a tempo com os biliões que ganhou, vendeu as acções das principais petrolíferas quando estavam no auge.

O presidente Hogo Chávez da Venezuela já disse que o petróleo seria capaz de estabilizar por volta dos 100 dólares. Esperemos pelo fim dos Jogos Olimpícos para ver que a China vai fazer, pois está a tornar-se no primeiro consumidor mundial e o governo não quer muitas complicações até ao fim da festa, pelo que os aumentos de preços dos combustíveis foram ligeiros.

Contudo, a China está a ser prejudicada pelo aumento das "bancas", combustíveis para navios, que têm tornado o transporte das mercadorias chinesas mais caro, principalmente na longa distância para os mercados europeus e americano de produtos relativamente baratos. A proximidade dos mercados começa já a favorecer alguns sectores industriais portugueses.

 

Acréscimo a 20 de Novembro de 2008

 

                   Com o "crude" na casa dos 40 dólares, o meu vaticínio cumpriu-se totalmente.

                   Desde Junho deste ano que muitos "doutos economistas e jornalistas" previam o barril de petróleo a 200 dólares pelo fim do ano. Cá estamo, próximos de Dezembro, com o petróleo a 40 e tal dólares.

                   Não foi difícil fazer a previsão. É que nada sobe sempre e nada desce sempre. Há sempre um ponto de inflexão e o do petróleo começou quando um tal mister Rainwater resolveu abandonar a especulação no petróleo e nas acções das empresas petrolíferas. Só os parvos é que continuaram a apostar no crescimento dos preços.

 

 

Pode ser copiado para qualquer blog ou publicação desde que permaneça o nome do autor.



publicado por DD às 23:45
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28


posts recentes

Euro ou "Bitcoins" Portug...

Mário Centeno: O que caus...

Faaleceru o HOMEM da Libe...

Paulo Silva – O Caçador d...

A Europa tem Medo dos Muç...

Dieter Dellinger: Estalin...

Dieter Dellinger: Portuga...

Dieter Dellinger: A Obesi...

Trump vai nomear um Gover...

Dieter Dellinger copiou: ...

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds