Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008
Os Números da Crise

 

Após o colapso dos principais bancos de investimento dos EUA e de alguns de países europeus e do início de uma política de salvamento que pela enormidade das verbas envolvidas dá a imagem de uma crise gigantesca, pergunta-se o que se segue agora?

            É evidente que a banca não está separada do resto da economia e a indústria carece de fundos bancários, além de haver importantes dívidas à banca. A maior parte das grandes e pequenas fusões de empresas que se realizaram no Mundo industrial nos últimos tempos têm a ver com o fornecimento de importantes créditos por parte da banca, os quais não deverão ser prorrogáveis como seria de desejar num mercado nitidamente em queda de vendas.

Os dinheiros dos grandes investimentos da Galp, PT e outras empresas vieram da banca. Resta saber agora se há verbas para os pagar no devido prazo.

Por outro lado, um dos mais importantes sectores da economia mundial, a indústria automóvel, está em crise. O alto custo dos combustíveis não leva as pessoas a adquirirem novos carros e, agora, com todas as trombetas da comunicação social a noticiarem uma crise financeira mundial, o comprador tende ainda mais para não comprar carro e não se endividar Não vamos assistir ao colapso parcial desta indústria? E depois não virão os sectores siderúrgicos e até químicos, electrotécnicos, etc. na peugada?

O sector agrícola está a sofrer uma inexplicável quebra brutal nos preços dos cereais que foram semeados já em grande quantidade para as colheitas da Primavera e Verão do próximo ano. Os agricultores pagaram adubos e pesticidas aos preços altíssimos correspondentes ao preço do petróleo de então. E a construção civil tende a parar com a diminuição do crédito bancário.

Curiosamente, há algo de semelhante entre Portugal e os EUA no facto de uma parcela muito importante do crédito bancário ter sido concedido para aquisição e hipoteca de habitações. A diferença está no chamado mal parado que em Portugal é ínfimo e nos EUA gigantesco; já  se contam mais de 18 milhões de habitações vazias à venda com hipotecas por pagar na ordem dos 5,4 biliões de dólares.

Em Portugal, dizem algumas estatísticas, há 1,4 milhões de famílias a pagarem a casa que habitam num universo de quase 6 milhões de habitações para 3,9 milhões de famílias. Segundo um estudo da Universidade Coimbra, o crédito mal parado andará pelas 20 mil casas, o que significa uns 1,5%. Ao todo, o crédito difícil das famílias e empresas situa-se nos 2,1%, segundo o jornal Expresso, o que não deixa de ser um valor modesto e perfeitamente admissível. Além disso, cerca de 40% das casas em pagamento foram construídas nos últimos dez anos, enquanto que o resto tem muito mais que isso, pelo que estará parcialmente amortizado.

A banca portuguesa mudou de rumo para ser mais cuidadosa na atribuição de créditos e, assim, evitar situações de colapso. De resto, a entidade bancária que tem enfrentado alguns problemas é a CGD, mas por causa dos débitos das autarquias e governos regionais que se atrasam nos pagamentos e pedem continuamente a reforma das suas dívidas.

As famílias portuguesas devem 80% do PIB, mas os seus activos são sete vezes superiores. Claro, não é a família endividada que possui activos, excepto a própria casa que está a perder algum valor, pois o mercado está saturado de habitações, mas a questão é só pertinente para aquisições feitas nos últimos anos.

No Pib português, as actividades bancárias têm um peso baixíssimo comparado com os países mais desenvolvidos. Na falida Islândia, a banca era responsável por 29% do Pib do país e também na tão elogiada Irlanda o Pib bancário é várias vezes superior ao português. É isso que explica o facto de alguns países não possuirem infraestruturas e equipamentos sociais em quantidades superiores aos de Portugal mas os seus Pib são superiores. São Pib virtuais que, no caso da Islândia, esfumaram-se como o fantasma de Aladino.

Muitos Pib vão ser revistos de alto a baixo, pois a economia virtual do Mundo era gigantesca e está em pleno colapso.

Assim, enquanto Pib mundial é de 54,3 biliões de dólares (biliões europeus ou milhões de milhões, 1012), o valor virtual dos derivados transaccionados fora da bolsa era em Dezembro de 2007 da ordem dos 596 biliões de dólares ou 11 vezes mais. Nessa data, o valor de todas as empresas cotadas na Bolsa de Nova Iorque cifrava-se nos 25 biliões de dólares, portanto metade do Pib mundial.

Eu calculo que o papel quase sem valor em circulação nos EUA e no Mundo em geral deve ter tido um valor máximo de 750 biliões de dólares, pelo que a injecção de 0,7 biliões do Plano Paulsen não passa de uma gota de água nos oceanos do Planeta e muito desse papel entrava nas contas dos Pib de muitas nações, mesmo dos países emergentes, ou entrava no Rendimento Nacional Bruto (ex-PNB). Os derivados foram uma das causas do aumento especulativo dos preços do petróleo bruto, cereais e muitas matérias-primas como cobre, aço, etc. Hoje, ninguém dá nada pelos derivados, pelo que em termos virtuais, o Mundo perdeu “activos” da ordem de 10 vezes o valor do seu Pib anual. Claro, esta diferença de valores tem a ver também com o facto de os activos resultarem de investimentos com créditos e débitos acumulados em vários anos e estar-se aqui a comparar com o Pib anual que é, apenas, o valor do trabalho de todos os habitantes activos do Planeta durante um ano. Mesmo assim, não deixa de ser fenomenal o valor astronómico do papel virtual.

Enfim, sempre me insurgi com as comparações do Pib português com os de muitos outros países por saber que havia uma solidez portuguesa baseada em valores concretos que contrastavam com a pequenez do nosso Pib comparado com o de outros países. É que, Portugal não tinha nem tem uma grande economia virtual.

Isto foi escrito há muitos anos por um grande economista irlandês nos “Cadernos de Economia”, órgão da Ordem dos Economistas, que alertou para o carácter muito fictício do Pib irlandês. Infelizmente, por razões de baixa política, economistas como Cavaco e Ferreira Leite nunca quiseram conhecer essa realidade. Nunca perceberam que não se pode ter mais casas, mais quilómetros de auto-estradas, mais barragens, mais carros, mais telemóveis, mais caixas de Multibanco, mais escolas, mais professores por aluno, mais médicos que a Suécia, etc. e ser muito mais pobre. Algo nunca funcionou na mente dos economistas liberais, cujos números eram apenas os do papel e não da realidade.

 

 



publicado por DD às 22:53
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

Mário Centeno: O que caus...

Faleceu o HOMEM da Liberd...

Paulo Silva – O Caçador d...

A Europa tem Medo dos Muç...

Dieter Dellinger: Estalin...

Dieter Dellinger: Portuga...

Dieter Dellinger: A Obesi...

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds