Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Sábado, 29 de Agosto de 2009
O Embuste do Apoio às PMEs

 

 

            Mais uma vez volto a falar no embuste das micro e pequenas e médias empresas propalado pelos PSD de Manuela Ferreira Leite e até pelo PCP.

            Falam muito em apoiar esse universo de mais de 250 mil empresas sem considerar os inúmeros programas em curso e sem explicitar bem o que entendem por apoio a esse universo empresaria.

            MFL quer apoiar as micro e PME como alternativa às grandes obras, considerando importantes para o emprego, mas o seu programa está quase só focado (como diz Pina Moura) nas empresas que exportam e não apresenta em concreto nada mais do que está em curso.

            Esse universo de 250 mil empresas inclui os cafés, restaurantes, sociedades de advogados, mediadores de propriedades, oficinas de automóveis, lojas, pequenas indústrias, empresas de informática, pequenos agricultores, pequenos construtores ou empreiteiros, subempreiteiros, etc. A limitação que MFL faz no programa às empresas que exportam, ao contrário do que diz nos discursos, mostra já o seu embuste.

            A realidade é que o grosso das exportações portuguesas tem origem nas grandes empresas com mais de 500 trabalhadores e em todos os sectores e um pouco nalgumas com mais de 250 empregados. Daí para baixo, os exportadores são quase inexistentes e viu-se na televisão que as grandes empresas manufactureiras que exportam e fecharam eram todas de grande dimensão; algumas mesmo com muito mais de mil trabalhadores em sectores como calçado, confecções, cluster do automóvel, etc..

            E se repararmos nos produtos estrangeiros que estão à venda no nosso mercado, são quase todos originários de grandes empresas a começar pelas grandes marcas de roupa, calçado desportivo, computadores, software, automóveis, electrodomésticos, ferramentas, equipamentos industriais, produtos alimentares, farmacêuticos, etc., etc.. Quase não há numa prateleira algum produto de uma empresas estrangeira com 50 trabalhadores, por exemplo, e, nem sequer, com 250 a 500.

 

            Actualmente estão em curso mais de uma dezena de programas de apoios ás PME e empresas em geral, dos quais cito aqui resumidamente alguns:

 

-Linha de Crédito PME INVESTE IV para micro e pequenas empresas com mais de 200 milhões de Euros para empréstimos à taxa da Euribor menos 0,25%, sem comissões, até 50.000 euros para pequenas empresas e 25 mil para micro.

 

-Linha de Crédito para Exportadoras de 200 milhões de euros para empréstimos à taxa Euribor menos 1%, o que dá juros anuais próximos de 1%.

 

Estas duas linhas de créditos oferecem prazos de carência de 3 a 5 anos, tendo já sido enquadradas mais de 20 mil operações. Há aqui garantias do estado e uma percentagem de risco do banco e participação do estado no “spread” negativo.

 

-Linha Qualificação PME para investimentos modernizadores de PME com subsídio de investimento total não reembolsável até 250 mil euros e reembolsável até 750 mil euros, direccionado para a generalidade das empresas classificadas como PME.

 

- Linha Redes de Nova Geração para formação de empresas e investimento com subsídio reembolsável em condições altamente favoráveis até 35% do investimento total.

 

- Linha Inovação com subsídio reembolsável a longo prazo e a juros baixíssimos para investimentos inovadores da generalidade das empresas.

 

- Linha Empreendedorismo Qualificado também com subsídio reembolsável muito especial de 35% direccionado a empresas nascentes classificadas como a PME e a projectos que visem a criação de novas PME.

 

- Linha Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas pela via da concessão de liquidez através da aquisição por parte do FIEAE de imóveis das PMEs que enfrentem problemas de liquidez, mas sejam economicamente viáveis, possibilitando o usufruto a baixo custo do imóvel em causa.

 

- Linha Fundo Autónomo de Apoio à Concentração e Consolidação de Empresas (FACCE) com incentivos concedidos sob a forma de participação do FACCE em mecanismos de financiamento de PMEs de demonstrada valia económica em projectos de reestruturação empresarial e Associações em participações.

 

- Linha Iniciativas Locais de Emprego (ILE) com subsídios não reembolsáveis direccionados a indivíduos em situação de desemprego e a jovens à procura do primeiro emprego que se proponham criar uma entidade que origine a criação líquida de postos de trabalho.

 

- Linha FINICIA com incentivos concedidos através de um instrumento combinado de Capital e Dívida destinados a três vectores de intervenção: Projectos de forte conteúdo de inovação; Negócios emergentes de pequena escala; Iniciativas empresariais de interesse regional.

 

- Linha de apoio à Internacionalização de PME em formação para apoiar actividades exportadoras, utilizando o termo internacionalização para evitar conflitos com Bruxelas, já que o chamado “dumping” ou apoio directo à exportação é proibido no seio da União Europeia, coisa que os autores do programa do PSD desconhecem e daí focarem o apoio às PME quase só na exportação.

 

 

Muitos destes programas têm apoios da União Europeia no âmbito do QREN e pode dizer-se que abrangeram já umas dezenas de milhares de empresas, mas, evidentemente, não se destinam a todas as 250 mil PMEs e estão muito dependentes da capacidade dos empresários, pois não se trata aqui de repetir as roubalheiras com os incentivos empresariais feitos nos governos de Cavaco de que resultaram muitas fortunas e nenhum desenvolvimento para o País. Foi quase tudo roubado.

Dar a torto e a direito é criminoso, afecta em excesso as despesas públicas e não conduz verdadeiramente à criação de novos postos de trabalho.

 

De resto, quem trabalha no mercado há dezenas de anos, sabe que as empresas necessitam na maior parte dos casos de equipamentos destinados racionalizar o trabalho e até a dispensar pessoas para subirem para um plataforma superior em termos de custos de produção e variação de produtos em que necessitem então de mais trabalhadores. Em toda a parte está presente a máquina e esta tem a curto prazo um efeito negativo no emprego, mas não a médio ou longo prazo. Muitas vezes, é a máquina que permite colocar o produto no mercado em condições competitivas de preço. Por exemplo, embalar seja o que for à mão pode exigir muitos postos de trabalho, mas conduz sempre a uma falência certa.

Saliente-se ainda a redução para metade do IRC+derrama das empresas com lucros  iguais ou inferiores a 12.500 euros, o que é importante para as micro e pequenas empresas em que o patrão não vive só do lucro, mas principalmente de um ordenado que se atribui a si mesmo e sobre o qual desconta para a Segurança Social. 

 

É pena que tantos economistas e, mesmo Pina Mouras ou Cravinhos, desconheçam de todo o funcionamento dos mercados.

 



publicado por DD às 22:18
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Joel a 8 de Setembro de 2010 às 13:45
Então pelos vistos está-se a apoiar empresas sem interesse nenhum. O melhor apoio é acabar com os apoios e reduzir os impostos. Socialismo = pobreza e roubalheira.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
29

30


posts recentes

Dívida Pública: Acordo BE...

Suicídio da Europa segund...

Marcelo Condecora Soares ...

Comissária Desconhecida q...

Produção de Automóveis

Défice de 2%

IMPOSTOS

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds