Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Sábado, 29 de Maio de 2010
Vida Sintética ou Artificial por Dieter Dellinger

O ano de 2010 ficará na história da Humanidade, da vida na Terra, do sistema solar e, talvez, até da própria Galáxia e do Universo. Daqui para diante haverá um antes de 2010 e um depois de 2010.

 

Este ano foi concluído o trabalho iniciado há 15 anos por Graig Venter e a sua equipe no sentido de criar vida artificial e mostrar que o fenómeno vida não passa de um complexo conjunto de reacções químicas.

 

Não que Venter tenha criado a 100% um ser vivo, mas quase. Efectivamente, o cientista norte-americano copiou o genoma de ADN da bactéria muito simples micoplasma micóide, encomendando os genes traduzidos para um programa informático a uma empresa alemã que há muito fabrica genes sintéticos. As respectivas unidades genéticas do ácido desoxirribonucleico fabricadas por robots de laboratório foram transferidas para uma levedura e após completado o genoma, protegeu-se tudo com uma capa metílica para o transferir para outra bactéria micoplásmica da qual tinha sido retirado o seu ADN original. Aquilo que parecia ser um longo polímero inerte, o genoma sintético, passou a funcionar como ser vivo e a nova bactéria adquiriu as características do seu novo ADN sem o rejeitar como tinha acontecido em experiências anteriores.

Saliente-se que Venter utilizou para o efeito dois micoplasmas que são as bactérias mais simples da natureza, do tipo procariota, sem núcleo, e desprovidas de uma verdadeira parede celular. O seu revestimento é constituído por uma membrana de gordura, ou antes, colesterol esterificado que, geralmente, nem é produzido a partir do seu mecanismo interior, mas retirado do meio ambiente. Os micoplasmas estão quase entre os vírus e as bactérias mais primitivas.

 

Há quem veja no sucesso de Vengter, o homem que descodificou o genoma humano em 2001, um semi-êxito, enquanto outros vêem no feito o primeiro passo para a síntese química do fenómeno vida, principalmente porque foi aberto um caminho para proteger o genoma sintético e daí, por ventura, para o pôr a funcionar de modo a produzir bactérias ou outros seres vivos completos.

Neste aspecto, Venter está a prosseguir uma via quase inversa da suposta criação de vida na terra em que o DNA foi quase a fase final de um processo muito lento. De qualquer forma não se sabe se os micoplasmas evoluíram a partir dos vírus ou das bactéria sem núcleo.

De qualquer forma, tornou-se possível criar sinteticamente uma longa molécula polímera de DNA que em meio adequado passa a funcionar como como em qualquer célula viva, seja de ser bacteriano ou de um ser humano, por exemplo.

Venter, para ser o primeiro e não perder tempo, limitou-se a plagiar a natureza de uma bactéria relativamente simples, se é que o termo se aplica a qualquer ser vivo no nosso Planeta e prescindiu de tentar ser o criador de algum ser vivo diferente, mas não perdeu a esperança de produzir bactérias que venham a absorver o CO2, os poluentes, os metanos e possam mesmo atacar células de tumores cancerosos. Neste campo, abriu-se uma nova via evolutiva para a Humanidade e, principalmente, demonstrou-se o carácter material da vida.

 

Claro, isto nada tem a ver com religião. Para muitos, Deus criou as leis da química e da física e a evolução até a um ser humano capaz de produzir uma colher como um genoma vivo e capaz de curar milhares de milhões de doentes e também produzir Auschwitz e todas as guerras. Um Deus criador de todos os pormenores e actuante e presente nas igrejas, sinagogas ou mesquitas proporciona poder a quem o pretender representar, enquanto o Deus distante do Big Bang e das reacções químicas não leva ninguém a sujeitar-se a qualquer seu representante na Terra, seja um ayathola, um  rabino ou o papa.

 

Há muito que se produzem genes a partir de quatro compostos químicos e que são utilizados na manipulação genética de muitas sementes vegetais como milhos, tomates e até batatas com grande fúria dos ecologistas que temem a criação humana, mas não a podem parar, o homem é incorrigível e está sempre a criar algo de novo, se bem que não em todos os países. Neste aspecto, os EUA detêm o privilégio de serem de longe os primeiros e a sua ciência ultrapassa tudo o que o resto da Humanidade produz.

 

Contudo, fica no ar a pergunta. Afinal como apareceu a vida na Terra sem a intervenção de um criador inteligente, pois podemos dizer que Venter imita Deus.

 

A teoria mais elaborada revela dois factores fundamentais: a capacidade reactiva dos átomos, ou antes, dos electrões dos seus últimos orbitais que absorvem fotões, subindo de escalão energético, ou emitem-nos descendo e o tempo medido em quase cinco mil milhões de anos. Os electrões com mais energia tendem a abraçar aos seus congéneres de outros átomos formando moléculas como os dois átomos de hidrogénio com um de oxigénio para dar uma molécula de água e os átomos de carbono ligam entre si em longas cadeias e a átomos de hidrogénio como radicais azotados NH2 e radicais ácidos –COOH para formarem os célebres aminoácidos, os tijolos da matéria orgânica e da vida.

 

Há uns 50 anos atrás o cientista Miller, recriou em laboratório aquilo que teria sido a atmosfera original da terra, descarregando raios eléctricos e obteve aminoácidos. A partir do carbono, azoto, oxigénio, hidrogénio e fósforo formaram-se os quatro nucleótidos básicos do ácido ribonucleico há uns 4,9 mil milhões de anos. Estes compostos viram-se metidos em camadas porosas microscópicas de argila, sofrendo grandes diferenças de temperatura e a acção de diversas radiações. Muitas foram as reacções que tiveram lugar nesses micro-esporos argilosos numa época em que na atmosfera quase não existia oxigénio. Algumas reacções terão dado origem à formação de ácidos gordos. Por isso, por via de convulsões diversas da superfície da terra, quando se libertaram os ácidos ribonucleicos, alguns estariam envolvidos em membranas dos referidos ácidos gordos que impediram a saída dessas longas cadeias químicas, mas permitiam a entrada de minúsculos objectos químicos, os nucleótidos de natureza semelhante às unidades que formaram o ARN (ácido ribonucleico). Os nucleótidos são pois os monómeros do ARN e ADN que não passam de polímeros ou longas cadeias de compostos iguais como são o polietileno, poliestireno, etc.

 

A uma baixa temperatura, os nucleótidos ligaram-se às cadeias de ARN, tornando-as muito longas e a temperaturas mais altas dividiram-se duas de modo formarem a conhecida dupla hélice de ADN.

 

As protocélulas formaram-se há uns 4,9 mil milhões de anos do tipo pelágico, isto é, disperso na água e nunca poderiam sobreviver assim num planeta que sofreu enormes variações, passando de um dia de 6 horas para as actuais 24. Mesmo assim, permaneceram estáveis durante quase 3 mil milhões de anos. Essas bactérias primitivas cobriram grande parte da superfície do planeta com um chamado biofilme bacteriano de uma matéria gelatinosa que produziam e as protegia do meio ambiente, atraídas entre si por forças electrostáticas. O biofilme era e é ainda constituído por açúcares, existindo ainda hoje por toda a parte, tanto nos dentes como forma de colónias nas nossas placas dentárias até aos cascos de navios, etc. O biofilme das bactérias procariotas está por toda a parte, todas descendentes como nós da LUCA (last unicelular ancestor).

 

A falta de energia para alimentar os biofilmes terá levado a que algumas cianobactérias do tipo algas azuis tenham adquirido a fotossíntese graças a uma mutação que originou a clorofila, passando a poder utilizar a energia solar e poluindo a atmosfera de então com um resíduo tóxico chamado oxigénio ao mesmo tempo que transformavam o dióxido de carbono em hidratos de carbono (açúcares). Claro, como sempre aconteceu na vida terrestre, colonizaram o planeta em novos biofilmes e acabaram por produzir tanto oxigénio que este inundou em 21% a atmosfera.

As células eucariotas com núcleo apareceram apenas há 600 milhões de anos, uns 4,3 mil milhões de anos depois de aparecer a primeira vida terrestre. Os núcleos terão tido origem em vírus que se introduziram nas bactérisa procariotas para sobreviverem. E só 200 milhões de anos depois é que surgiram os primeiros metazoários, ou seja, seres pluricelulares, que evoluíram até hoje em apenas 10% do tempo da vida na Terra e nós, enquanto ditos seres racionais, estamos há uns 0,01% ou menos na Terra e concluímos que chegou a nossa vez de meter a colher nessa coisa chamada vida. Que mais não seja para sobrevivermos e, por ventura, povoarmos alguns exoplanetas parecidos com o nosso ou mesmo diferentes para os quais podemos fabricar novos tipos de seres vivos capazes de, por exemplo, oxigenar uma atmosfera demasiado rica em ácidos diversos.

 

Por último uma nota: Muitos dos trabalhos de engenharia biológica foram financiados pela “banca maluca” que criou a actual “crise”, financiando tudo e mais alguma coisa, incluindo a Microsoft, a Google, a Intel, a Nokia, etc. Naturalmente por ganância e na ideia que ganharia imenso dinheiro com as grandes descobertas. Na verdade, só no sector do fabrico de genes foram criadas mais de 30 empresas e só restam quatro actualmente. É assim na vida biológica como na economia, há sempre um processo de selecção em que os mais incapazes ficam para trás e desaparecem. Além disso, os génios necessitam de capital antes que se saiba que são génios, daí a função evolutiva da “banca desregulada e gananciosa”.

 

 

 

 



publicado por DD às 22:36
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Faaleceru o HOMEM da Libe...

Paulo Silva – O Caçador d...

A Europa tem Medo dos Muç...

Dieter Dellinger: Estalin...

Dieter Dellinger: Portuga...

Dieter Dellinger: A Obesi...

Trump vai nomear um Gover...

Dieter Dellinger copiou: ...

Arnaldo Matos acerca de G...

Dieter Dellinger copiou d...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds