Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Segunda-feira, 24 de Outubro de 2011
100 Anos de Taylorismo

 

Faz agora um século que o engenheiro americano Taylor publicou a sua obra sobre a organização “científica” do trabalho. “Científica” porque estudou o trabalho fabril em todos os seus aspetos com relevância para a divisão do trabalho parcelarmente organizado com o pessoal devidamente treinado e cronometrado para proporcionar o máximo rendimento. O taylorismo inspirou a produção em série nas fábricas que teve depois a designação de fordismo. Ambos os métodos são que um único e aplicam-se cada vez mais a todas as atividades humanas, não só nas fábricas como nos mais diversos serviços, sendo hoje já não a organização do trabalho numa empresa, mas a divisão do trabalho em unidades empresariais cada vez mais especializadas como os modernos “call centers” que respondem pela PT, EDP ou qualquer outra empresa, dando ao cliente a impressão que está a falar com a empresa, mas na verdade dialogo com um especialista num pequeno setor que pode ser faturação a empresas ou a particulares, etc.

 

O engraçado e curioso é a existência junto à Auto Europa de uma empresa com mais de 600 trabalhadores que se dedica simplesmente a desembrulhar ou desencaixotar as muitas peças que chegam à Auto Europa dos diversos fabricantes e levá-las a locais previamente determinados da linha de montagem. Essa empresa, para além de desencaixotar monta algumas partes das peças vindas em embalagens diferentes. Assim, os faróis vêm de um fabricante em caixas de cartão e esferovite, mas geralmente sem lâmpadas, já que estas são fabricadas por outras empresas. Aí, em Palmela, o pessoal dessa empresa, que tem entre outros nomes o de Logística, coloca a lâmpada na chamada ótica do farol. O mesmo acontece com milhares de outras peças que entram numa viatura e esta empresa ou outra encarrega-se junto dos fabricantes respetivos de embalar as peças e componentes saídas das linhas de fabrico.

 

O cúmulo do fordismo é colocar os clientes a montarem aquilo que compram e irem mesmo ao armazém da empresa buscar as caixas com os diversos componentes como sucede nas lojas da IKEA.

 

Enfim, deste a criação da organização profunda do trabalho, rejeito o termo científico, há um século, a indústria e os serviços progrediram de uma maneira fantástica até chegarem à pujança industrial dos nossos dias com o acréscimo do robotismo ao taylorismo e fordismo e, não contentes com isso, juntou-se ainda a deslocalização para os paraísos de mão-de-obra barata como a China, Cambodja, Bangla Desh, Paquistão, Índia, etc. e depois os lucros chorudos vão para outros paraísos, os fiscais. Muitas tarefas nas linhas de fabrico são feitas por robots. Por exemplo, um computador portátil ou um telemóvel é montado de uma forma completamente automática que recebe as diversas peças que entram em orifícios determinados para serem soldadas automaticamente às placas. A mão-de-obra ocupou-se em desembrulhar as peças e antes em fabricar a UCP – Unidade Central de Processamento – também automaticamente. Depois, os trabalhadores chineses realizam algum trabalho final e de verificação de qualidade através de testes específicos, sendo que alguns já feitos automaticamente.

 

Enfim, com isso o capitalismo conseguiu fornecer grande número de objetos a preços acessíveis, até porque toda a organização altamente parcelar e especializada e robotizada do trabalho pressupõe o fabrico em séries muito grandes. Mas o capitalismo nunca se contentou com os lucros obtidos e deslocalizou-se de país em país para realizar lucros cada vez mais elevados até ver esses lucros encadearem-se uns nos outros para formar longas cadeias em que o próprio capitalismo se enforca a si mesmo  numa crise que ninguém quer estudar..

 

O que é hoje insuportável para as direitas capitalistas é a existência de trabalho altamente profissionalizado e de formação muito cara como os magistrados, médicos, professores, gestores públicos, economistas, juristas, etc. A atual crise é na verdade a continuação da revolução taylorista e fordista ao chamado funcionalismo público, portanto, aos tais médicos, magistrados, etc. Há uma evidente desproporção em Portugal entre o custo de um/a operário/a de fábrica a 500 ou 600 euros mensais e uma tratamento cancerígeno ou uma operação a qualquer parte do corpo com um cirurgião, ajudante, anestesista e pessoal de enfermagem altamente especializado. Para um homem como o Dr. Macedo, um economista racional, gastar milhares de euros para salvar um trabalhador a 500 euros mensais é irracional. E não é só para um ministro português, mas também para uma Angela Merkel, um Berlusconi, etc.

 

Os chineses maoístas tinham resolvido o problema com os chamados “médicos de pé descalço” que praticavam uma medicina chinesa própria para o proletariado a 50 cêntimos à hora. Para eles, o “material humano” nada vale e daí termos visto num vídeo uma menina de poucos anos atropelada numa rua sem que 18 chineses que passaram por ela dedicasse a mínima atenção. A China Capitalista-Comunista, revolucionou o Mundo moderno ao conseguir fazer retroceder as sociedades humanas ao Mundo do Século XIX em que o capital humano pouco ou nenhum valor tinha. Este capitalismo é a causa do que designo por “Falência da Modernidade” e que carece de um estudo filosófico e de economia política mais aprofundado, baseado nas modernas filosofias do desconstrutivismo.



publicado por DD às 23:24
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

Mário Centeno: O que caus...

Faaleceru o HOMEM da Libe...

Paulo Silva – O Caçador d...

A Europa tem Medo dos Muç...

Dieter Dellinger: Estalin...

Dieter Dellinger: Portuga...

Dieter Dellinger: A Obesi...

Trump vai nomear um Gover...

Dieter Dellinger copiou: ...

Arnaldo Matos acerca de G...

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds