Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Quarta-feira, 9 de Maio de 2012
Congresso da FAUL - Moção de Dieter Dellinger

 

 

Fábrica dos Cabos Ávila em Ruínas

 

 

 

A minha candidatura ao Congresso destina-se a apresentar uma pequena e despretensiosa moção setorial sobre Indústrias e Empresas em Lisboa e na grande área urbana abrangida pela Faul que compreende 11 Concelhos com cerca de 2.100.000 habitantes e uma área de aprox. 1.400 km2. O Concelho de Lisboa tem apenas 80 km2.

 

Em toda esta grande área acabámos com as barracas e temos estabelecimentos de ensino, hospitais e unidades de cuidados médicos em quantidades quase suficientes. Os eixos de comunicações rodo-ferrovários e aeroportuários sãoóptimos. O grande problema é hoje o emprego e os imensos cemitérios de indústrias fechadas com edifícios degradados e abandonados, os quais começam em Lisboa, em Chelas,  Matinha, Braço de Prata,  Av. Infante D. Henrique e estendem-se pelos eixos Sacavém-Vila F. de Xira e Charneca, Camarate, Sintra,etc.

Não compete às autarquias criarem fábricas, mas podemos implementar pólos industriais, áreas de incubação de empresas de todo o tipo que possam absorver a inteligência produzida nas universidades de Lisboa e a mão de obra desempregada da construção civil e de muitas indústrias e empresas de serviço.

O PS tem responsabilidades em diversas autarquias da área da FAUL, pelo que terá sempre uma palavra a dizer. O Tagus Parque é um exemplo a seguir como é o pólo tecnológico do Lumiar ainda longe de estar preenchido.

 

Os 11 Municípios abrangidos pela FAUL pertencem ao grupo de 30, cujos habitantes têm um poder de compra acima da média nacional e, como em todo o País, uma elevada taxa de desemprego devido ao processo de desindustrialização, tanto na margem norte do Tejo como na margem sul. O espaço geográfico de ambas as margens, zona urbana de Lisboa e Península de Setúbal, apesar de separadas pelo rio, formam um todo comunicante, dado o enorme número de pessoas que habita numa das margens e trabalha na outra, tanto de norte para sul como na inversa e a interação empresarial das duas margens.

 

A importância da indústria e da logística na economia nacional não carece de explicação, mas a verdade é que não parece, tantas são as fábricas que
fecham e todos os projetos industriais, logísticos e de transportes estão parados.

 

Numa área de grande consumo, o mercado industrial e logístico terá sempre um destino próximo, apesar de o ideal é que qualquer unidade sirva a exportação como o fornecimento de todo o País.

 

No plano da geografia económica podemos salientar os seguintes eixos de industrialização e logística na área abrangida pelos 11 concelhos da FAUL:

 

1) Zona portuária de Alcântara ao Cais do Tabaco e prolongamento até à Matinha e à Avenida Infante D. Henrique mais algumas áreas contíguas. Trata-se de uma zona que não pode ser abandonada ao turismo, devendo manter o caráter de serviço portuário no qual não pode deixar de estar incluído o terminal de contentores de Alcântara e os que se seguem ao Cais do Tabaco. Aí e na Matinha, o ordenamento urbano deveria ter em conta a instalação de pequenas indústrias ligadas ao mar e áreas logísticas. Também a zona que vai de Braço de Prata à
Rotundo do Batista Russo e Avenida Infante D. Henrique deverá ser preferencialmente industrial, comercial e logística, apesar de o espaço ser
limitado para a instalação de fábricas de alguma dimensão. Já lá estiveram muitas e podem voltar a estar empresas que produzam postos de trabalho. A RDP/RTP está ali perto e na Infante D. Henrique estão instaladas empresas que prestam serviços televisivos e outras junto a ruínas infelizes de muitas empresas industriais. Os principais cais do Porto de Lisboa para contentores podem servir de atrativo para espaços logísticos e, mesmo, indústrias diversas.

 

2) Zona Empresarial Alverca-Azambuja, industrial por excelência com numerosas fábricas, estando quase todas em dificuldades. Uma grande fábrica de cimentos da Cimpor que, naturalmente, estará a produzir menos devido à paragem de quase todas as obras no País, uma grande fábrica de adubo azotados com armazéns contíguos para sementes e tratamento das mesmas e fábricas de tintas, trefilaria e muita coisa mais, estando tudo à espera da lei do despedimento com uma indemnização de uma semana por cada ano de casa para produzirem mais umas dezenas ou centenas de milhares de desempregados. Salientemos aqui a fábrica Covina de vidros planos da Saint Gobain, cujo futuro é mais que incerto, na Póvoa de Santa Iria. As fábricas do grupo Unilever-Jerónimo Martins em Santa Iria da Azóia e Sacavém de detergentes, margarinas, etc. e a fábrica da Soc. Central de Cervejas emVialonga e da Solvay de químicos inorgânicos na Póvoa de Santa Iria. Não há aqui nenhuma indústria segura e quase nenhuma entidade empresarial com dinamismo e vontade de fazer mais do que o pouco que faz atualmente e muitas foram as que fecharam. Estão todas à espera de subsídios e apoios para fazerem o menos possível. O capitalismo industrial não é negócio, limita-se a existir se os contribuintes entrarem com o dinheiro dos seus impostos. Recordemos que foi preciso dar 175 milhões de euros ao Pedro Queiroz Pereira para instalar uma gigantesca máquina de papel de impressão, cuja exportação permite obter um lucro fabuloso, tanto para o empresário como para o País.

 

Se não fecharem como aconteceu à Mague em Alverca e à Ford e à GM na Azambuja já seria uma sorte. Sem proteção aduaneira, muitas destas indústrias estão a sucumbir perante a concorrência chinesa e dos países do leste europeu
que exploram muito mais os trabalhadores que em Portugal e até de países que pagam salários mais altos que os portugueses, mas têm unidades fabris com tecnologias superiores e melhores economias de escala. Dos 12 milhões de metros quadrados de área industrial e logística instaladas na grande Lisboa, mais de um terço está neste eixo, sendo aqui também a zona com uma maior área disponível dado o abandono de um grande número de unidades industriais e espaços logísticos, estes em virtude da abertura das fronteiras com redução da atividade alfandegária em Sacavém. Aqui uma política de terreno industrial semelhante à das áreas agrícolas pode tornar o espaço abandonado mais barato e, como tal,
apetecível a novas indústrias. Esta zona está bem servida pela Auto-Estrada A 1 e Estrada Nacional 10 com uma vasta área de terreno de pouco relevo. A nova travessia do Tejo entre Carregado e Benavente e a Auto-Estrada Bucelas-Benavente IC 11 permite uma boa ligação a zonas de grande potencial agrícola que podem abastecer indústrias agro-alimentares no grande mercado que é Lisboa e sua área urbana. Há aqui mais de 3,5 milhões de metros quadrados de superfícies empresariais a funcionar ou disponíveis com uma taxa de desocupação da ordem dos 15%. As instalações fabris ocupam neste eixo cerca de 1,3 milhões de metros quadrados e 60% da área empresarial ocupada é destinada a armazenagens.                                                             

 

Neste eixo estão instalados os principais operadores logísticos da grande área urbana de Lisboa a norte do Tejo com armazéns e espaços de distribuição e transporte de numerosas empresas comerciais que atuam em Lisboa, arredores e no resto do País como o entreposto Modis da Sonae em Vila Nova da Rainha, a Gestiretalho, responsável pela logística do Grupo Jerónimo Martins. Até a Fnac tem na zona um grande armazém. Este eixo é também um espaço de eleição para os maiores importadores estrangeiros que vendem no mercado português.

 

3) Zona Empresarial de Lisboa-Loures-S. Julião do Tojal – é a segunda zona empresarial da Grande Lisboa onde se localiza o Mercado Abastecedor de Lisboa (MARL) que tem contribuído muito para a valorização desta zona, pois a proximidade do principal mercado que abastece Lisboa com produtos alimentares deu azo à instalação de diversas empresas e indústrias agro-alimentares. Toda a área é ampla e muito pouco ocupada, pelo que permite uma grande expansão no futuro, dada também a proximidade de importantes eixos rodoviários que ligam à vasta área urbana de Lisboa a Cascais e a todo o litoral até ao Porto. Podemos considerar como cruciais os concelhos de Mafra, Loures e Odivelas com este
último a ter uma ocupação de uns 80% de toda a zona aqui mencionada. São Julião do Tojal e Prior Velho são já verdadeiros pólos industriais e logísticos da área da Grande Lisboa com mais de 1.300 metros quadrados de espaços empresariais, mas o concelho de Loures está a caminho de reunir quase 10% de espaço desocupado. Uns 60% dos espaços empresariais ocupam áreas pequenas da ordem dos 5.000 metros quadrados. Esta é a zona com maiores possibilidades futuras e mais suscetível de nela serem instalados pólos industriais com vias de acesso às auto-estradas da zona.

 

4) Zona Empresarial Lisboa-Sintra-Cascais – é a terceira maior zona empresarial da Grande Lisboa Norte, sendo também a mais ocupada também por áreas habitacionais e, como tal, tem no seu seio a maior parte da oferta de mão de obra qualificada da Grande Lisboa. Contudo, a maior ocupação do espaço limita a instalação de empresas industriais e comerciais, principalmente pelo preço dos terrenos. As maiores superfícies comerciais estão instaladas no eixo Lisboa-Sintra ao longo da IC 19, nomeadamente, indústrias farmacêuticas, gráficas como a Lisgráfica, material de engarrafamento como a Sotancro. A fábrica mais importante da região deve ser a de tabaco Philips Morris (ex-Tabaqueira) instalada no Concelho de Sintra, salientando-se a Nokia-Siemens e muitas empresas de informática. O Tagus Parque de Oeiras é um exemplo de pólo de desenvolvimento como é o pequeno Business Center de Sintra. Toda esta área caracteriza-se por um grande desordenamento urbanístico, salvo algumas exceções. Não houve verdadeiramente um planeamento das zonas industriais que nasceram em função da existência de terrenos livres. Falta pois
um verdadeiro Plano Empresarial e Habitacional da Zona da Grande Lisboa a realizar por um acordo dos diferentes Concelhos a formarem uma Coordenadora Urbanística de toda a Zona.

 

Nota Final: Não pretendo ensinar nada a ninguém, já que todos habitamos a Grande Lisboa e conhecemos e trabalhamos neste grande espaço geográfico, agora também debilitado pela crise. Contudo, é um espaço para atração de capital nacional e estrangeiro e para a intervenção do Estado quando o Partido Socialista for governo e não tiver o horror que os atuais governantes têm a qualquer ação positiva em termos económicos que não seja puramente privada ou pertença de estados estrangeiros. Para já, é assunto para os
autarcas socialistas da região a terem em conta.

 

 



publicado por DD às 00:30
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Dieter Dellinger: REESTRU...

Salário Médio dos Portugu...

Putin: O primeiro Czar de...

CADERNOS DE E CONOMIA Nº ...

Dieter Dellinger escreve:...

Dieter Dellinger: Origem ...

Aneuploidia Mutante

Macron quer uma Nova Euro...

O AfD é um partido da con...

Dieter Dellinger: O jorna...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds