Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Segunda-feira, 17 de Outubro de 2016
Dieter Dellinger: Economia Social – Visão Abrangente

Publicado na Revista “Cadernos de Economia” Nr. 116 de Jun/Set. de 2016.

 

Economia Social – Visão Abrangente

Dieter Dellinger

 

Na definição de economia social há uma certa tendência, a nível europeu, de separar o social estatal do privado, incluindo apenas este último na chamada economia social.

 

Considerando economia social tudo o que visa a melhoria do bem-estar das populações e garantir a sua sobrevivência no nascimento como na velhice, na saúde como na doença, no trabalho como no desemprego, podemos afirmar que o principal setor económico em Portugal é o social baseado na solidariedade da contribuição individual obrigatória ou voluntária e no trabalho remunerado como gratuito.

 

Numa recente conferência sobre economia social organizada em Portugal foi dito que existem 55.300 entidades referenciadas com 260 mil trabalhadores a gerirem 3,8% do PIB. Na Alemanha, o setor de economia social privado gere 7,7% do PIB e abrange 4,4 milhões de trabalhadores. Isto porque centenas de caixas de crédito mútuo (verdadeiros bancos sem acionistas privados) estão presentes em todas as cidades e vilas e têm a seu cargo as economias da maioria da população.

 

Delimitar no concreto a economia social é abranger o mutualismo bancário, as muitas instituições de solidariedade social que visam principalmente o apoio às crianças e aos idosos sem serem um simples negócio para uma qualquer entidade patronal, sendo principalmente misericórdias, das quais temos a gigantesca Santa Casa que gere os jogos e que faz de todo o jogador do euromilhões, totoloto, etc. um ganhador na medida em que se não recebeu um prémio, ajudou os mais necessitados numa ação abrangente de apoio.

Para além disso, o cooperativismo que muitos idealistas gostariam de ver como substituto do próprio capitalismo, mas que nunca conseguiu ser por razões que têm a ver com o imenso progresso tecnológico associado à globalização que levou a uma corrida nunca vista na história pelo lucro e poder de menos de 1% da população mundial que domina toda a economia. Saliento que os Kolkozes soviéticos eram um cooperativismo de partido ou Estado e os Kibutzins israelitas tiveram um importante papel na história de Israel, mas desapareceram quase por completo. Na China ainda funcionam razoavelmente as cooperativas de aldeia que se encarregam cada vez mais da componente social dos habitantes, entregando as tarefas produtivas aos agricultores que as gerem de acordo com as condições mercantis. Mas a urbanização obrigou o governo chinês a introduzir o modelo de segurança social e de serviço nacional de saúde semelhante ao português.

 

Os 1% da população mundial que dominam a economia querem estar fora do social e, como tal, gostam da solidariedade entre os pobres com exceção das Fundações que criam quando as suas fortunas são incontáveis e os impostos também.

 

Recordo aqui Bismarck que inventou o Estado Social pago pelos trabalhadores, associando-o às salsichas feitas com ingredientes de pior qualidade. Dizia o político alemão: se o povo soubesse como são feitas as leis e as salsichas, não respeitava umas e não comia as outras. Na verdade, ao criar um desconto salarial que serviu para proporcionar uma reforma a todos os trabalhadores, Bismarck inventou um “ovo de Colombo”, fazendo com que os próprios explorados paguem o social. Claro, a esperança de vida na idade da reforma era muito menor que a atual.

 

Por isso, não podemos separar a Segurança Social, o ADSE, o Serviço Nacional de Saúde e até a Escola Pública da Economia Social que no passado histórico nunca fizeram parte da “Coroa”, ou seja, do Estado. Não visam o lucro e são pagos pelos beneficiários. Trata-se de um mutualismo gigantesco que até podia ser separado do Estado com uma gestão eleita pelos contribuintes e beneficiários e, apenas, um controle estatal para evitar quaisquer desvios financeiros. Há algo do género na Suíça para uma parte da reforma, estando a cargo do Estado uma reforma básica igual para todos.

 

A economia social não se esgota na solidariedade e caridade porque pode abranger as associações desportivas não ligadas ao negócio do futebol e outros, associações culturais, recreativas, de bombeiros voluntários, enfim, tudo o que não vise a acumulação individualizada de capital, incluindo os grupos de pressão para proteger o futuro da Humanidade de um excesso de poluição e as organizações eclesiásticas que fazem caridade e lutam contra o aborto e a prostituição, apoiando as necessidades das pessoas que recorreram a esses meios.

 

Também podemos falar de algumas grandes multinacionais sociais, entre as quais estão as diversas organizações do tipo “Médicos sem Fronteira” e a gigantesca “Green Peace” com a sua frota de navios que tentam impedir a destruição dos oceanos e preservar o futuro da Humanidade neste pequeno oásis cósmico a que damos o nome de Terra. Para preservar os oceanos, um grupo de holandeses criou a organização “Ocean Cleanup” que se destina a limpar os mares e oceanos das milhares de toneladas de plásticos e outros detritos industriais que estão a matar os corais e a própria fauna piscícola. Outra organização denominada “Secore” especializou-se na defesa dos imensos bancos de corais, dos quais muitos apresentam apenas corais mortos. Conseguem produzir em tanques embriões de corais e coloca-los em base de cimento no fundo dos mares para crescerem e voltarem a formar os recifes coralíferos.

Enfim, apesar de estarmos a viver a mais fantástica revolução tecnológica e científica de sempre, acordamos todos os dias com a uma crise social maior que a do dia anterior. Recordo que nos últimos vinte anos assistimos à maior descoberta científica de sempre que foram os mais de 3.200 exoplanetas, dos quais uns 21 podem fazer parte dos raríssimos oásis cósmicos como a nossa Terra.

A política e a gestão não são capazes de resolver o problema do imenso desemprego, destruição das classes médias e aumento da pobreza. A economia social pode ter minorado a situação, mas há quem a queira totalmente de graça, destruindo a componente solidária organizada pelos estados, a única que funciona para quase todos os cidadãos.

 

 

 

 

Dieter Dellinger



publicado por DD às 16:17
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Suicídio da Europa segund...

Marcelo Condecora Soares ...

Comissária Desconhecida q...

Produção de Automóveis

Défice de 2%

IMPOSTOS

Cronologia da PT deturpad...

Schäuble quer Dominar a E...

Euro ou "Bitcoins" Portug...

Mário Centeno: O que caus...

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds