Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.

Domingo, 1 de Junho de 2008
Gasolina a partir do CO2 por Dieter Dellinger

 

 

 

 

            Seria a solução de todos os problemas da Humanidade: Produzir gasolinas a partir do CO2 . Acabava o efeito de estufa e o perigo de aquecimento do planeta e, ao mesmo tempo, ter-se-ia uma fonte inesgotável de energia, já que se fechava completamente o ciclo do dióxido de carbono.

 

            No laboratório, o milagre foi conseguido, mas até a uma prática industrial generalizada e economicamente competitiva vai ainda um longo caminho.

 

            Com um subsídio miserável de 850 mil Euros para o projecto Elcat da Comissão da União Europeia, as Universidades de Estrasburgo, Messina e Patras e o Instituto Alemão Fritz Heber, por um lado, e a American Chemical Society de San Francisco, por outro e independentemente dos europeus, conseguiram produzir hidrocarbonetos por redução do dióxido de carbono na presença de um electro-catalisador. Isto à temperatura ambiente e à pressão atmosférica normal.

 

            O processo é simples, mas tem os seus pontos fracos que poderão ser resolvidos com um maior empenho na investigação.

            Em laboratório, trata-se de dissolver bicarbonato de potássio em água que se hidrolisa no ião negativo CO32-  e no ião positivo K+ , libertando protões, ou seja, núcleos do átomo de hidrogénio. Na produção em larga escala, os hidrogeniões seriam produzidos por foto-electrólise da água, isto é, electrólise com a utilização da energia solar.

 

            Estes protões, H+ , no tubo de reacção, ou torre na produção industrial, atravessam uma membrana permeável em Naflon, um polímero poroso que deixa passar apenas os protões, os quais logo a seguir vão encontrar uma camada de nanotubos de carbono e o catalisador platina alimentada em electrões por painéis solares que recebe igualmente o CO2 que é reduzido, ou seja, os protões ou hidrogeniões combinam-se com os electrões para dar hidrogénio reactivo (H) que reduz o Carbono e provoca a libertação do oxigénio.

 

            O resultado é a produção de  hidrocarbonetos como o pentano C5H12, o hexano e o octano C8 H18, o componente principal das gasolinas, além de outros como o telueno C7H16.

 

            O problema principal consiste em encontrar um catalisador que substitua a platina que é cara e, nesta reacção, só pode ser utilizada uma a duas vezes, pois os nanotubos de carbono são já hoje fáceis de fabricar. O segundo problema consiste em obter grandes quantidades de CO2.

 

            Curiosamente, aquilo que, aparentemente, haverá em excesso, é o mais difícil de ser obtido em grande quantidade, pois na atmosfera, mesmo “carregada” de dióxido de carbono, este só existe na percentagem volumétrica 0,03%.

 

Claro, há várias soluções à vista. Uma é aproveitar o CO2 das indústrias que funcionam com grandes fornos e caldeiras como cimenteiras, siderurgias, centrais termo-eléctricas, etc.

 

A outra solução seria aproveitar o CO2 produzido pelos carros que em vez de o expelir para fora reintroduziam-no no depósito de gasolina, ou seja, numa manga elástica que se iram enchendo, enquanto a gasolina saía.

 

Nas bombas de gasolina, enquanto se atestava o depósito, transferia-se o CO2 para um grande depósito que seria levado para a fábrica de gasolina pelo camião tanque que abasteceu a bomba. Assim, os carros funcionariam numa espécie de circuito fechado e saliente-se que as gasolinas obtidas pelo método referido são puríssimas, ao contrário das obtidas a partir do petróleo que contêm sempre algum enxofre e outros poluentes. O actual catalisador das gasolinas deixaria de ser necessário, até porque o trietil-chumbo que ainda é utilizada em quantidades mínimas nas gasolinas sem chumbo não seria necessário dada a possibilidade de obter uma gasolina com uma composição perfeita.

 

O motor diesel teria os seus dias contados, pois nestas condições, o gasóleo seria desnecessário.

 

E não seriam só os carros a funcionar em circuito fechado como todos os sistemas produtores de energia mecânica, eléctrica ou calorífica, incluindo navios e, talvez, aviões a hélice e helicópteros.

 

Enfim, o desafio e e a importância para a Humanidade são enormes e valem muito mais que os 850 mil Euros dados pela União Europeia para este projecto de investigação iniciado em 2004.

 

A produção inicial pode não ser muito mais barata que a produção de gasolinas de petróleo. Efectivamente, o barril de petróleo de 256 litros custa a produzir na região do Golfo cerca de 2,4 Euros e é vendido hoje a 44,5 Euros, pelo que a redução da procura pode fazer descer a sua cotação para 5 Euros e, mesmo assim, os produtores ainda ganhariam mais de 100%. O mesmo já não acontece com o petróleo do Alasca, Sibéria e Mar do Norte, cuja produção é bem mais cara.

 

Acabariam as guerras por causa do petróleo e os árabes e outros que tais que o bebessem. O Ocidente libertava-se assim de toda a dependência externa, pois os hidrocarbonetos são a matéria prima de toda a química orgânica, a qual pode chegar à produção de proteínas, açúcares, lípidos, etc. alimentares sintéticos, tanto mais que os hidrocarbonetos obtidos são puríssimos, além dos plásticos e milhões de produtos difeentes.

 

E se na atmosfera começar a rarear o CO2 ,  nada mais fácil que provocar combustões e libertar o dióxido produzido. Mas, pessoalmente acredito que haverá sempre um equilíbrio natural entre a vida consumidora de oxigénio e produtora de dióxido (animais e vegetais à noite) e a consumidora de dióxido e produtora de oxigénio (vegetais durante o dia).

 

 Nota: Ver mais abaixo artigo sobre baterias em nanotubos.


tags:

publicado por DD às 00:10
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Sábado, 10 de Março de 2007
CO2

 

É costume ouvir e ler nos noticiários que Portugal é um país altamente poluidor e emissor de CO2 e que irá pagar não sei quantos milhões de euros daqui a poucos anos.

É o choradinho do costume. Portugal é sempre o pior, faz tudo mal e, mesmo quando é visível que não existe um dado facto, tem de ser pior que os outros.

Não é preciso ser-se muito inteligente para saber que Portugal não possui grandes indústrias, a média do parque automóvel é de baixa cilindrada e o clima ameno não obriga a um uso excessivo de aquecimentos ou ar condicionados . A partir daqui é evidente que Portugal nunca poderia estar entre os maiores emissores per capita de CO2 .

E vejo este meu raciocínio confirmado pelas estatísticas que tenho na minha frente, página 177 do Anuário de Economia Portuguesa publicado há dias.

Os valores são de 2002, mas admito que não tenham sofrido grandes alterações dado o encarecimento dos combustíveis.

Assim leio:

Paises da OCDE: 11,2 toneladas de CO2 emitido por habitante e ano.

Portugal: 6,0 tons.

Espanha: 7,3 tons.

Grécia: 8,5 tons.

Irlanda: 11,0 tons.

Alemanha: 9,8 tons.

França: 6,2 tons  (graças às centrais atómicas).

Itália: 7,5 tons.

Reino Unido: 9,2 tons.

EUA: 20,1 tons  de CO2 por habitante.

Japão: 9,4 tons.

Podia citar muitos mais países que nunca mais terminava. É evidente que nesse ano a China emitia apenas 2,7 tons ., a Índia 1,2 tons . e o Brasil 1,8 tons . Mas, tanto a China como a Índia têm tido um enorme crescimento industrial, pelo que devem estar actualmente a emitir muito mais.

Enfim, Portugal não é o que a Quercus e outros ambientalistas pretendem que está  a ser.  O seu alarmismo destina-se a provocar o aumento do negócio parasitário dos estudos de impacto ambiental em que estão todos envolvidos.


tags:

publicado por DD às 17:53
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Gasolina a partir do CO2 ...

CO2

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds