Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.

Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012
O Segredo Americano de Auschwitz-Birkenau
     

Os nomes desses campos de morte ficaram na história como palco de um dos maiores crimes perpetrados na História da Humanidade. Aí, os nazis mataram milhões de judeus. Havia uma fábrica de combustíveis sintéticos num determinado local perto de Birkenau, a uns quilómetros das câmaras de gás e fornos crematórios para os quais os SS mandavam logo os judeus velhos, as crianças e outros enfraquecidos ou doentes. Os mais capazes fisicamente iam trabalhar nas muitas fábricas instaladas em torno dos referidos campos.
A direção mundial da Comunidade Judaica tinha conhecimento do que se passava em Auschwitz, e a Inglaterra também porque decifrava todas as comunicações do "Reich", e pediu posteriormente que os americanos bombardeassem os fornos crematórios, as câmaras de gás e a estação de caminho de ferro e respetivas linhas para dificultar o assassinato em massa de judeus. Os americanos responderam que não tinha capacidade para bombardear com precisão essas instalações quando tinham já destruído em Copenhagen e na Holanda edifícios da Gestapo com grande precisão, quase sem provocarem danos colaterais em edifícios vizinhos. Além disso, enquanto as fábricas de gasolinas sintéticas tinham artilharia anti-aérea para a sua defesa, os campos de concentração nada tinham porque para os nazis a maior parte do pessoal era para matar de qualquer maneira.
A fábrica de combustíveis sintéticos a partir do carvão foi no dia 20 de Agosto de 1944, bombardeada por 127 Superfortalezas B-17 com grande precisão no âmbito daquilo que era o ataque às muitas fábricas de gasolinas sintéticas.
Antes do ataque, os ingleses fotografaram com perfeição os campos de concentração com os seus bimotores "De Havilland Mosquito" muito rápidos e sabiam tudo sobre os crimes nazis.
O grande historiador britânico Martin Gilbert escreveu o livro "A Segunda Guerra Mundial", já publicado em português pela D. Quixote, quase todo baseado nos textos de comunicações TSF alemãs decifradas pelos britânicos no célebre "Blechley Park". Nesses documentos, os nazis relatavam com minúcia burocrática quase todos os crimes perpetrados e o número de judeus assassinados e quantos estavam a trabalhar num ou noutro local e quais eram os auxiliares ucranianos e polacos na tarefa, etc.
Tanto Churchill como Roosevelt sabiam de tudo e mostraram-se muito espantados quando a guerra acabou como se não soubessem de nada. Claro, não convinha dar a conhecer aos alemães que eram capazes de decifrar as mensagens, mas o que era visto do ar podia ter sido atacado e não foi. Nem ingleses nem americanos mexeram uma palha para salvarem o povo judeu do tremendo massacre que sofreu e podiam ter feito muito com a sua gigantesca superioridade aérea. Saliente-se ainda que junto a muitos campos de concentração, os prisioneiros judeus eram também obrigados a fabricar explosivos, munições, etc., pelo que o corte dos acessos a esses campos permitiria também que essas munições não fossem para a frente de batalha, além de que matar guardas SS era um excelente sinal para os fazer compreender que não estavam impunes. Com os seus "Mustangs", os americanos metralhavam e matavam agricultores alemães a trabalhar nos campos, mas nunca foram aos quartéis dos SS policiais que eram os encarregados do assassinato de judeus, ciganos, socialistas, comunistas, democratas, etc. Perto de Dachau, chegaram a metralhar o pessoal que saia de uma missa, mas não tocaram nos edifícios dos oficiais e guardas SS do campo de concentração da morte. Enfim, a mentalidade humana é indecifrável.


publicado por DD às 23:57
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

O Segredo Americano de Au...

arquivos

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds