Jornal Socialista, Democrático e Independente dirigido por Dieter Dellinger, Diogo Sotto Maior e outros colaboradores.
Sábado, 8 de Setembro de 2018
Ter ou Não Serviço Militar Obrigatório?

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1814040822017025&set=a.109724485782009&type=3

 

 

 

O Expresso apresentou dois textos em “duelo”, o de Rui Pereira a favor do Serviço Militar Obrigatório e outro de Helena Carreiras contra o mesmo.

Rui Pereira defende o Sim na base da Constituição e na necessidade de educar a juventude para ao patriotismo e defesa da Pátria, apesar da Constituição não ser a favor nem contra, mas relegar a existência do SMO para uma lei da AR.

Pereira diz que em caso de conflito a AR teria de aprovar a lei com “sofreguidão” e que não se deve prescindir de um exército profissional.

A Helena Carreiras diz que os argumentos estratégicos para um SMO estão ausentes e que o serviço militar de uma forma generalista não responde às atuais necessidades militares.

Eu estou de acordo com Helena Carreiras, apesar de que ninguém colocou o problema financeiro em termos militares e atualmente é o mais importante. Há muito coisa mais importante para gastar dinheiro, mesmo até no âmbito de um pequeno exército profissional.

Ter um SMO de 1, 1,5 ou 2 anos é ter dois exércitos e dois quadros de instrutores e oficiais comandantes. Num curto espaço de tempo, dá-se uma recruta geral de tipo soldado de infantaria e uma especialização curta, não ficando muito tempo para o País ter unidades operacionais bem treinadas e equipadas para defesa e intervenção em ações externas com os jovens do SMO.

Sairia imensamente caro ter um SMO sem haver a necessidade da educação cívica já que os jovens não são os de antigamente que vinham da aldeia meio analfabetos, mas frequentam os 12 anos de escolaridade ou quase. Há pouco tempo falei com um GNR dos Grupos de Intervenção muito culto que me disse ter andado no IST a tentar tirar o curso de engenharia física e fez várias cadeiras e que esperava ainda tirar uma licenciatura em física.

Em termos militares só há uma solução, a de um exército pequeno na base de três brigadas profissionais e mais bem pagas e equipadas que as atuais.

Ter SMO e não possuir uma só bateria de mísseis antiaéreos de médio alcance, isto para não falar de longo alcance é quase anedótico. Temos umas coisinhas de curto alcance. Os 19 F-16 não dão para uma eficiente defesa aérea. Mesmo os aquartelamentos de Tancos e Santa Margarida e outros não possuem abrigos suficiente contra quaisquer ataques aéreos que seria algo que deveria ter sido construído ao longo de décadas sem grandes despesas. Nem os paióis de munições estavam devidamente protegidos como é do conhecimento geral.

Para além disso, o exército possui as velhas G-3 com mais de 50 anos com calibre 7,62x51 posto de lado pela NATO. Há, contudo, alguns pequenos lotes de armas de calibre Nato atual de 5,56 mm como são a Galil, uma cópia israelita da AK-47 russa, e SG 501 suíça e cara. Saliente-se que, neste momento, a Nato não tem mais a certeza que o calibre 5,56 mm é o mais adequado, apesar de ser mais leve e permitir ao militar levar mais balas, mas parece que matam muito pouco e não perfuram os coletes balísticos.

A situação estratégica de Portugal é a de que não enfrentar um perigo militar evidente e o País participa numa Aliança no âmbito de uma Europa não muito armada, mas poderosa em termos financeiros e industriais. Sem o Brexit a União Europeia tem 7% da população mundial e 25% do Pib de todo o Planeta com engenharia suficiente para fabricar rapidamente qualquer tipo de arma e consta que, mesmo com o Brexit, o exército inglês instalado na margens do Reno na Alemanha não deverá sair, dado que está integrado no dipositivo de forças da Nato e mesmo que Trump consiga acabar com a Nato, a Alemanha, o Reino Unido, a França e outras nações vão manter uma aliança na qual, certamente, Portugal e a Espanha também farão parte, entre outros países.

Se os europeus estão a envelhecer, o mesmo sucede com a Rússia e a China. Ambas as potências terão dentro uma a duas décadas mais de 50% da população com idade superior aos 60 anos. Os EUA têm uma população mais jovem graças à emigração de mexicanos e outros sul americanos que o Trump não quer deixar entrar e mesmo expulsar. As crianças mexicanas tão mal tratadas por Trump seriam uns bons americanos do futuro.

Por isso, anda toda a gente a criar robots de combate sob a forma de drones e até tanques e navios sem guarnições, o que significa que as Forças Armadas carecem cada vez mais de pessoal instruído e capaz.

Portugal deve concentrar-se nas forças profissionalizadas, alargando o tempo de permanência nas diversas armas e, permitindo, a subida a postos mais elevados. Assim, os oficiais do quadro dos contratados que atualmente só são admitidos jovens já com uma licenciatura, pelo menos, deverão poder chegar a tenente coronel e ir para a Academia Militar, resolvendo o problema do eterno conflito entre milicianos (agora contratados) e pessoal do quadro permanente. Há a ideia de prolongar o tempo de permanência dos contratados para 18 anos.

Desde 2017 e antes mesmo, está-se em vias de lançar um concurso para equipar o exército com o seguinte material novo:

  • 11 mil espingardas automáticas (5,56 mm)
  • 300 espingardas automáticas (7,62 mm)
  • 830 metralhadoras ligeiras (5,56 mm)
  • 320 metralhadoras médias (7,62 mm)
  • 450 espingardas de precisão (7,62 mm)
  • 1700 lança-granadas
  • 380 caçadeiras
  • 3400 aparelhos de pontaria

 

As 15.320 armas e peças complementares vão custar quase 43 milhões de euros e o pagamento dessa fatura será dividido em vários anos. Prevê-se que a última parcela, e a mais pesada, seja paga em 2022, no valor de 13,4 milhões de euros.

 



publicado por DD às 23:31
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Os Professores e os seus ...

Os Chineses Querem Mais D...

A China Tornou-se na 1ª P...

Ter ou Não Serviço Milita...

Dieter Dellinger: "Procur...

Dieter Dellinger: BASTA E...

Como se Faz Fortuna na Ch...

Até que enfim!

Uma Cabeça de Alfinete

Facebbok

arquivos

Outubro 2018

Setembro 2018

Junho 2018

Maio 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2004

Maio 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds